Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

27
Mar 19

Diálogo entre mim e um/a estudante de 2ºciclo:

«Estudante: _ Podemos fazer um jogo sobre a matéria, ou assim?

Eu: _Porquê?

Estudante: _Foram testes a semana toda, estou cansado/a! Já não quero estudar mais… na segunda foi teste de ciências, na terça tive de me preparar para o teste de matemática, na quinta foi teste de inglês…. Já não consigo mais…»

 

Quando converso com os pais sobre as horas de estudo diárias que complementam os estudos na escola, seja em explicações ou em apoio a uma ou mais disciplinas, eu sublinho sempre que, na minha opinião, mais de duas horas diárias torna-se demasiado saturante para qualquer estudante, seja do 1º ciclo ou do nível secundário.

Na minha opinião, não podemos exigir um elevado grau de concentração e memorização durante mais de duas horas seguidas e, em termos práticos, quem desenvolve este trabalho com os estudantes percebe o aumento da saturação, das dificuldades e do cansaço ao longo deste período de tempo, mesmo para um estudante que não tenha tido um dia de aulas longo e/ou cansativo, a produtividade vai diminuindo muito naturalmente.

Percebo perfeitamente quando os pais, após uma manhã de aulas, deixam os estudantes uma tarde inteira no ATL, para que ele faça os TPC’s e depois estude… muitas vezes tudo isso perfaz mais de 4horas em frente aos livros escolares, com um pequeno intervalo pelo meio… considero esta situação demasiado cansativa e pouco proveitosa, que torna os estudantes desmotivados e aborrecidos quando isto permanece semana a semana.

Compreendo o desejo das boas avaliações e o interesse em se obter bons resultados escolares, contudo se as rotinas forem, efetivamente, bem geridas e estruturadas, talvez não tenhamos necessidade de estudantes tão desinteressados pelo estudo e com tão pouco tempo para serem crianças e jovens!

HPIM2059.JPG

 

 

publicado por Maribel Maia às 11:55

18
Mar 19

Penso que este blogue é mais conhecido pelas dicas e orientações educativas, principalmente, para os dias de estudo.

Como as fichas de avaliação estão aí, e serão os últimos testes antes do final deste 2º período, cá ficam mais umas propostas para todos os/as estudantes:

dicas estudo (2).jpg

 

Em anexo, para imprimirem:

dicas estudo (3).jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 13:24

11
Fev 19

E passa-se um mês após o período letivo e os estudantes começam a olhar para o calendário a contabilizar os dias que têm testes… ou os dias em que não têm testes, já que estes apresentam-se todos quase em simultâneo.

Depois são dias e noites de estudo em contagem decrescente, para mais umas semanas sem avaliações.

Na minha opinião, parece-me pouco produtivo quando existem mais de dois testes por semana. Compreendo que os professores têm as suas limitações nesta área, passando-se a exigência totalmente para o aluno que deve trabalhar arduamente em algumas semanas.

Para minimizar esses stresses, lembro que é muito importante organizar o estudo antecipadamente, utilizando uma agenda constantemente atualizada.

Para além disso, os resumos da matéria devem ser realizados ao longo das semanas de estudo, porque não se estuda apenas um a dois dias antes do teste!

Por aí, opiniões sobre este tema?

HPIM2135.JPG

 

publicado por Maribel Maia às 12:06

30
Jan 19

Se aqui escrevi sobre a gramática, como fazendo parte integrante da maioria das avaliações na disciplina de Língua Portuguesa, relembro que a por norma uma ficha de avaliação a esta disciplina organiza-se, da seguinte forma:

 

  1. Texto para ler;
  2. Perguntas de interpretação e compreensão, do texto inicial;
  3. Exercícios gramaticais (funcionamento da língua);
  4. Composição sobre um tema predefinido (produção de texto).

 

De acordo com o ano letivo que o estudante frequenta, a complexidade destas fichas de avaliação tornam-se maiores, com mais do que um texto de interpretação, exercícios de gramática mais complexos e produção de textos com maior número de caracteres.

Para agendar as fichas de avaliação, não esqueçam de imprimir o documento partilhado, em partilha de documentos escolares neste blogue!!!!

avaliação_esc.jpg

publicado por Maribel Maia às 10:52

03
Dez 18

Se analisarmos os dados fornecidos pelo ministério da educação, segundo as provas de aferição de 2016, os alunos apresentam elevadas dificuldades gramaticais, esta situação apresenta-se cada mais elevada quanto maior é o grau de ensino.

De forma geral, os estudantes das nossas escolas devem desenvolver um conhecimento gramatical nos seguintes temas:

  • Representação gráfica: ortografia e pontuação;
  • Sintaxe: frases simples e complexas e função sintática;
  • Classes e subclasses de palavras: análise morfológica (verbos, adjetivos, pronomes, etc);
  • Palavras e formação de palavras;
  • Recursos expressivos;
  • Técnicas de Expressão e Comunicação;

Nem todos estes temas são parte integrante da matéria de língua portuguesa do 1º ciclo, contudo a partir do 2º ciclo em diante todos eles são lecionados, em cada ciclo, de forma mais aprofundada.

Assim, proponho que os estudantes realizem uma revisão da gramática e a realização de exercícios sempre que estudam esta disciplina. Para além disso, os encarregados de educação que puderem adquirir uma gramática, já com o novo Acordo Ortográfico, de forma a apoiar este estudo, devem fazê-lo.

gramática.jpg

(imagem retirada da internet)

publicado por Maribel Maia às 10:36

12
Nov 18

Diálogo entre mim e um/a estudante de 2º ciclo:

«Eu: _Então, essas notas?

Estudante: _Sinto que foi injusto… tirei Bom e Muito Bom e a professora deu-me um 4. Eu acho que merecia um 5…»

 

Uma das minhas ações constantes, com os estudantes é rever com eles as fichas de avaliação realizadas, perceber qual a matéria consolidada, quais os erros efetuados e dialogar com o estudante de forma a perceber as razões das respostas erradas. Podendo, desta forma, direcionar melhor a intervenção e perceber qual a evolução que está a ocorrer.

Assim sendo, hoje é esta a minha dica:

  • Não se limitem a assinar as fichas de avaliação;
  • Revejam as respostas erradas e corrijam-nas;
  • Questionem sobre as dificuldades do teste;
  • Perguntem se era a avaliação esperada;
  • Conversem sobre o que poderia ser melhorado;
  • Felicitem pelos bons resultados obtidos;
  • Proponham novas metas e resultados;

 

Para os estudantes as fichas de avaliação são do mais assustador e precioso que têm, ao longo do ano, são elas que ditam conquistas e fracassos e que exigem a maior responsabilidade e concentração, portanto, devem ser valorizados pelo encarregado de educação.

ficha_ava.jpg

(imagem retirada da internet)

 

publicado por Maribel Maia às 11:24

24
Mai 18

Os vossos filhos são daqueles que ficam muito ansiosos e aflitos nos dias que antecedem às variadas formas de avaliação?

Se existem aqueles estudantes que se apresentam nervosos perante um teste porque consideram não ter estudado o suficiente, existem aqueles que mesmo tendo estudado toda a matéria muito bem, continuam a passar por horas de aflição e ansiedade, a quais nos parecem desnecessárias e pouco adequadas.

Contudo, esta ansiedade, sincera e verdadeira, poderá trazer um problema acrescido aos estudantes, principalmente quendo, após muito estudo o stress acaba por perturbar e condicionar o momento de concentração e execução do teste ou de qualquer outra forma de avaliação!

Deixo-vos algumas dicas que poderão ajudar a minorar estes níveis de ansiedade, aos pequenos estudantes, em dias próximos às avaliações:

  • Evitem o estudo no dia da avaliação;
  • Realizem todas as tarefas diárias com tempo e sem atrasos;
  • Criem momentos de relaxamento no dia anterior, (música… atividade física… etc);
  • Procurem orientar a mente para pensamentos positivos;
  • Relembrem os bons resultados já alcançados;
  • Procurem retirar todas as dúvidas da matéria, aquando do estudo;
  • Mantenham um bom descanso e uma boa alimentação.

 

 Tal como em todas as outras situações, o diálogo é sempre um bom aliado, embora muitas vezes as crianças tenham alguma tendência para esconder estes sentimentos de ansiedade, promover as conversas e a expressão de sentimentos é sempre um passo positivo para a adaptação a estes novos momentos de stress.

Frases inspiradoras.png

(Imagem retirada da net)

 

publicado por Maribel Maia às 10:44

21
Mai 18

Quantas vezes os estudantes afirmam não terem trabalhos de casa para fazer ou testes marcados… alguns mentem propositadamente, outros não se recordam distraidamente!

Contudo, esta atitude deve ser desincentivada e se necessário punida com algum castigo, procurando-se assim, o desenvolvimento da responsabilidade, da maturidade e do gosto pelo trabalho alcançado.

Sei também, que atitudes e distrações destas levam o seu tempo até serem completamente abandonadas, por isso ficam aqui algumas propostas de ação:

  • Tenha uma tabela para preencher com as datas de testes e obrigue a que esteja atualizada; (podem encontrar essas tabelas aqui)
  • Reveja sempre os cadernos, com o estudante, para confirmarem se existem apontamentos de tpc’s;
  • Tenha o número de telemóvel de um colega e, quando surgirem dúvidas, ligue a perguntar;
  • Se estes esquecimentos forem continuados estabeleça um castigo, para quando acontecerem;
  • Mantenha reuniões regulares com o diretor de turma e converse com ele sobre isso;
  • Converse com o estudante sobre a necessidade de ser responsável;

 

Comece sempre pelo diálogo, porque muitas vezes este esquecimento pode ser um alerta de que algo não está normal e o problema pode advir: da escola; da família; do próprio…

HPIM1660.JPG

 

publicado por Maribel Maia às 12:33

17
Mai 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de secundário:
«Eu: Agora tens de estudar mais a matéria…
Estudante: _Eu tenho uma forma muito específica de estudar.. se calhar nem é das melhores mas só me corre bem assim…. é fazer muitos e muitos exercícios, se eu ler ou fizer resumos, a matéria não me entra…
Eu: _ Não se trata dos melhores métodos… deves é procurar aquele que se adapta a ti e que tiras melhores resultados!»

Por vezes os estudantes não encontram os métodos mais eficazes para estudar para os testes. Antes de referir algumas orientações, gostaria de sublinhar que cada indivíduo deve encontrar a formula que mais resultados lhes traz e, com o tempo aperfeiçoar mais as técnicas.
Assim sendo, realizarei algumas propostas, que devem ser testadas, percebendo quais as mais produtivas:
Resumos: devem ser realizados pelas próprias palavras, copiar as partes mais importantes do livro, não é suficiente, é preciso reescrever de forma simples e completa toda a informação mais importante;
Ler a matéria: deve ser realizado apenas no início do estudo, para lembrar a matéria e entender alguma parte menos esclarecida. Uma nova leitura pode ser realizada no dia anterior ao teste, como forma de organização mental;
Resolução de exercícios: depois da matéria entendida, a resolução de vários exercícios concretos, desenvolvem dúvidas a ser retiradas e demonstram se o conhecimento foi, ou não, adquirido corretamente;
Uso da oralidade: explicar para alguém, ou para si mesmo, a matéria adquirida exige grande capacidade de memorização e organização mental, que muito pode auxiliar o estudo;
Retirar dúvidas: recorrer a um Explicador, ao Professor ou ao Encarregado de Educação, para retirar algumas dúvidas antes do teste, pode também ser produtivo, se o estudante já realizou um estudo autónomo e apontou, de forma muito definida, as suas dúvidas para serem posteriormente colocadas;
Apontamentos: alguns estudantes optam por realizar resumos semanais das aulas, que serão de grande apoio no estudo para o teste, já que, quando se tem apontamentos corretos e completos torna-se facilitador de estudo, contudo, nem sempre pedir apontamentos emprestados funciona, já que quem os escreve tem especificidades únicas em resumir informação;
Seja qual for o método, é importante lembrar que nada funciona, se o estudo se confinar ao dia anterior ao teste, ou se não existir atenção às aulas.

estudar.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:13

19
Jan 17

Muitas vezes os estudantes sentem-se defraudados nas suas expetativas quanto às notas dos testes, pois escreveram tudo o que vinha no manual escolar, nas respostas dadas e, mesmo assim, não obtiveram os resultados desejados. Para não correr este risco deve ter-se em conta os seguintes aspetos:

  • Quando a pergunta se refere a um texto, imagem ou gráfico é indispensável menciona-lo na resposta e fundamentar toda a explicação teórica com base neste(s);
  • Legibilidade de escrita, se és daqueles estudantes que, por vezes, não percebes o que escreves, melhora essa escrita, para que tu e os professores a consigam ler;
  • Saber a matéria e não saber explica-la revela que o conhecimento está pouco profundo e na avaliação revelará pouco estudo;
  • Uma boa compreensão da pergunta é fundamental para uma resposta pertinente, deve-se escrever sobre o assunto certo na pergunta adequada, se sentes que não entendeste a pergunta, no momento do teste, pede apoio ao professor;
  • Principalmente em perguntas de desenvolvimento deve ter-se em conta todos os tópicos a responder, para não te esqueceres de todos os pontos faz um esquema na folha de rascunho antes de construir o texto final.
  • Atenção aos erros ortográficos, estes não prejudicam a avaliação apenas na disciplina de Língua Portuguesa.

avaliacao.JPG

 

 

publicado por Maribel Maia às 15:20

Maio 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
16
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds
pesquisar
 
mais sobre mim
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO