Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Educar (Com)Vida

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Cautela com as fotos e vídeos das crianças nas redes sociais.

Bebés e crianças são muito fotogénicos e a alegria das família, as fotos são motivo de partilha no seu meio social, e ficam belas recordações, que permanecem ao longo dos anos.

No entanto, algumas famílias acabam por partilhá-las também nas redes socias, orgulhosamente e sem maldade… mas já sabemos que, qualquer coisa que exposto na internet nunca mais voltará a ser privado. Mesmo fotografias aparentemente inocentes, podem espoletar outras intenções ou outras utilizações, as quais as famílias nem sonham, mas que podem tornar-se grandes pesadelos.

A atenção deve ser para todas as pessoas, mesmo aquelas que consideram que as suas redes sociais são/estão muito fechadas, contemplando apenas um número muito restrito de ‘amizades’… o melhor é sempre prevenir!

É, também, importante que eduque as suas crianças nesse mesmo sentido. A partir do momento que a criança/adolescente cria uma qualquer conta nas redes sociais, tendencialmente, começa a publicar fotografias suas, com os seus amigos e família.

Fotografias que desvendam muito sobre o estudante, mesmo que não pareça:

  • Na foto está um familiar ou amigo, que ajuda a identificar o próprio;
  • A foto mostra onde foi tirada, onde o aluno estuda ou mora;
  • A foto foi tirada com a roupa do colégio que frequenta;
  • A foto mostra gostos e interesses pessoais;
  • A foto terá likes do seu núcleo de amigos e conhecidos;
  • A foto convida a comentários e conversas por parte de pessoas desconhecidas;
  • As publicações podem ser alvo de cyberbullying;

Estes alertas surgem, principalmente, da Polícia a quem chega, diariamente, muitos e difíceis problemas vindos destas exposições sociais.

Educar para este mundo que nos entra nas casas e nos quartos é, por isso, sempre importante!

internet.jpg

 

Sabe que o seu filho tem contas ‘só para friends’ nas redes sociais?

Diálogo entre mim e um/a estudante de 3º ciclo:

«Eu: _Afinal quantas contas de Instagram tens?

Estudante: Só tenho duas… uma oficial e outra para os ‘friends’…há quem tenha mais!

Eu: _Para que precisas de duas contas?

Estudante: _Há coisas que só quero partilhar com os amigos»

 

Com o passar dos anos e pelas conversas que tenho com estudantes, tenho percebido que os gostos pelas redes sociais são enormes, mas que não são iguais às dos adultos eles, por exemplo, não gostam de facebook e utilizam bem mais o instagram, o que mais gostam de partilhar são fotos individuais ou com amigos e estão horas em conversas, através destas redes.

Como eles partilham muitas coisas que consideram privadas, tanto em comentários com em conversas, acabam por criar uma ou mais contas, para além das que são conhecidas pelos pais e demais familiares.

Nós sabemos que todos os pais vão às contas dos filhos, muitas vezes até têm as passwords, estão atentos às publicações e às amizades, é claro que, eles também sabem… por mais que isso seja feito de forma muito discreta! Então, criam uma nova conta, onde selecionam muito bem as amizades e onde partilham coisas que consideram mais privadas, como amizades, namoros, situações que acontecem na escola, ou no grupo de amigos.

Nesta(s) outra(s) conta(s) não precisam de apagar conversas, nem comentários, como fazem nas contas ditas ‘oficiais’, e tornam-na um ‘quase diário sagrado’ onde só chega quem querem.

Esta situação não me parece alarmante, no entanto, as famílias devem estar atentas às redes sociais ‘ditas oficiais’ e devem também estar alerta para estas práticas comuns… sempre com grande descrição e com respeito pela privacidade, pela qual eles tanto lutam!  

jovens (1).jpg

 

“Eles passam a vida no telemóvel!”

Por cá já escrevi sobre o bom e o menos bom das novas tecnologias. Atualmente, é presença constante em todas as casas, a internet está disponível nos variados equipamentos, onde toda a família pode aceder e ficar longas horas a receber os mais variadas informações e realizar as mais variadas comunicações.

Tudo isto acarreta mais conhecimento e aprendizagem, mas poderá também trazer perigos, vulnerabilidades e riscos, mais ou menos, desconhecidos.

Assim, os adultos da família devem ter especial cuidado com os mais pequenos, procurando alertar e proteger para as mais diversas situações daí advindas.

Nunca é demais lembrar:

  • Permita um acesso, apenas, em lugares comuns da casa onde os adultos possam acompanhar a utilização do equipamento;
  • Tenha todas as palavras e senhas de acesso das crianças e adolescentes;
  • Controle as pesquisas, as redes sociais, tanto nos conteúdos como no tempo de utilização;
  • Tenha em atenção a legislação europeia sobre proteção de dados (por ex.: existe idade mínima limite para se obter uma conta nas redes sociais);
  • Incentive a utilização de alguns sites em detrimento de outros, tendo em conta os mais educativos;
  • Dialogue sobre os possíveis perigos e riscos da utilização da internet;
  • Explique que não pode revelar nenhuma informação pessoal em nenhum site ou a pessoa;
  • Utilize o software de controlo parental, use ferramentas que impeçam a compra de produtos, recorra também ao seu operador para definir limites de uso (o youtube tão desejado também pode ser restrito);
  • Não permita a utilização contínua, ou seja, por mais de duas horas diárias;
  • Faça negociações, sempre que necessário;

Nota: Sei que muitos estudantes iriam referir que têm direito à sua privacidade…. No entanto, nos dias de hoje, os maiores perigos das crianças e jovens podem estar ‘dentro de casa’ e chegam através destes equipamentos….é mesmo necessário uma boa mediação!

internet.jpg

 

A janela para o isolamento: as novas tecnologias.

Diálogo entre mim e um/a estudante de secundário:

«Eu: Se passares a vida a ver TV os teus pais desligam-na.

Estudante: Já fizeram pior…

Eu: Então?

Estudante: Tiraram-me a ficha de alimentação do PC, porque eu estava a passar as minhas férias de verão todas em frente ao computador a jogar e minha mãe chateou-se…»

 

Cada vez mais, as férias de verão, ou as férias mais curtas, são mote para os estudantes deixarem um pouco os livros e dedicarem-se ao que mais gostam de fazer. O problema acontece quando aquilo que eles mais gostam de fazer é apenas uma coisa e remete-se simplesmente ao uso do computador ou tablet/telemóvel, para jogar, ver vídeos, redes sociais...

Os investigadores, entendidos nestas matérias, afirmam que um estudante deveria passar, apenas, duas horas por dia frente a estes ecrãs. No entanto, esta média está muito longe de ser cumprida e, cabe às família e a todos os educadores orientarem e limitarem a utilização destes equipamentos, de forma tão descontrolada e desregrada.

Cada vez mais é necessário:

  • Limitar os jogos tecnológicos apenas algumas horas, no final de semana;
  • Limitar o uso dos telemóveis e tablet diariamente;
  • controlar o acesso a páginas e sites;
  • Controlar a utilização das redes sociais;
  • Controlar a partilha de imagens e fotos;
  • Incentivar a comunicação interpessoal entre grupos e pares;
  • Incentivar a opção por variados jogos de mesa e ao ar livre;
  • Incentivar a leitura de livros e revistas e jornais…

propostas.jpg

 

Partilhem… divulguem… comentem…!

Já lá vai mais de quatro anos, em que eu escrevo, neste blogue, sobre Educação: na escola, em casa, na sociedade… falo sobre a minha experiência como Educóloga/Explicadora e apresento-me como cidadã comum, a minha escrita espelha-me como sou, tanto no Blogue como no Facebook e em outras redes rociais… nestas publicações semanais que partem de reflexões, experiências, pesquisas e diálogos.

Com estes escritos pretendo ajudar, orientar, refletir, dialogar, sobre este tema tão pertinente e transversal a tantos e tantas, que frequentam estes espaços virtuais… que se dedicam a educar, no papel de pai, mãe, tio/a, avô/avó… educador/a… estudante… cidadão…

Neste sentido fico muito contente que mais pessoas se possam vir a interessar por estas leituras, ou mesmo, por necessitarem de uma opinião/olhar profissional.

Assim, fica o convite à partilhar deste Educar(Com)Vida e que pode ser encontrado no:

 

Blog

Facebook

Blogs Portugal

Instagram

Pinterest

 

Visitem, leiam, partilhem….

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Vencedor:

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Blogs Portugal