Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Educar (Com)Vida

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Inquietude: O ensino é gratuito em Portugal?

De acordo com a legislação Portuguesa o ensino em Portugal é gratuito:

 «No âmbito da escolaridade obrigatória o ensino é universal e gratuito. » (Diário da República, 1.ª série — N.º 166 — 27 de Agosto de 2009, Artigo 3º)

No entanto, a maioria das família gasta mais de um salário mínimo nacional, no início do ano letivo, com o estudante e, claramente, quanto mais elevado é o ano escolar mais altas são as despesas diretas.

Neste momento, as famílias de estudantes até ao 12º ano irão receber os manuais escolares de forma gratuita, no entanto, não podem escrever neles, o que para o 1º ciclo é praticamente impossível… no final do ano letivo leva a que as famílias passem horas a apagar tudo…ou pagam tudo...

Depois é necessário comprar todo o material escolar restante, os livros de fichas, os cadernos, as mochilas…. As roupas são também compradas aquando do início das aulas, como reforço do tempo frio, já que eles crescem muito…

 

Algumas famílias carenciadas recebem um apoio extra para as refeições/material escolar, em conjunto com mais algum subsídio.

Será tudo isto apoio suficiente? De forma geral, a legislação não estará bem longe do preconizado?

Que experiências, vocês famílias, têm sobre este assunto? Já começam a pensar nos gastos financeiros dos próximos meses?

ensino gratuito.jpg

 

Os cursos da área de Turismo da Master D – opiniões e vantagens

Por dois anos consecutivos, em 2017 e 2018, Portugal foi eleito o melhor destino turístico europeu. Portanto, é claro que o turismo movimenta a economia nacional e que os que querem investir numa carreira com um futuro garantido podem realizar cursos voltados para essa área.

A Master D oferece dois cursos relacionados com o âmbito do Turismo e que recebem opiniões muito boas por parte dos formandos. São esses o Curso Técnico de Turismo e o Curso de Gestão de Hostels e Alojamento Local.

 

Opiniões sobre o Curso Técnico de Turismo da Master D

Os formandos deste curso da Master D em Portugal emitem ótimas opiniões sobre ele, porque tem estabelecido alguns objetivos práticos, que permitem a um técnico lidar com tarefas quotidianas de forma ágil. Conhecer as normas básicas de emissão de documentos e de cálculo de preços e tarifas; dominar os conceitos básicos da faturação de produtos turísticos; conhecer o método de elaboração de viagens programadas; aprender a comercializar produtos turísticos através das novas tecnologias; estudar a legislação vigente; dominar o vocabulário de inglês necessário para o desempenho das atividades profissionais; entre outros objetivos.

 

Pelo facto de que os conhecimentos adquiridos neste curso são amplos, os formandos acreditam que a Master D tem um ensino estratégico. Os locais em que podem trabalhar incluem agências de viagens, receção de hotéis, empresas de rent-a-car, departamentos comerciais e empresas com atividades turísticas.

Os cargos que poderão exercer são também variados, nomeadamente os de profissional de informação e promoção turística; colaborador de empresas de consultoria turística; organizador de viagens, congressos, feiras, forfaits e outros eventos; delegado comercial; empreendedor com negócio próprio ou com uma agência de turismo em franchising.

 

O Curso de Gestão de Hostels e Alojamento Local

Os formandos deste curso da Master D têm ótimas opiniões sobre ele, porque o seu objetivo é dotá-los de competências teóricas e técnicas que são imprescindíveis para o quotidiano de quem está a gerir hostels e alojamentos locais. Conhecer a legislação relevante na área de gestão de empreendimentos turísticos; empregar técnicas de contabilidade e gestão, cumprindo os requisitos legais existentes; decorar os espaços, conferindo-lhes conforto e utilidade; desenvolver técnicas de comunicação eficaz com o cliente; conhecer e operar tecnologias, como as bases de dados e os portais turísticos; dominar o vocabulário de inglês necessário para o atendimento e prestação de informações; entre outros objetivos.

 

Os formandos que concluem este curso da Master D emitem boas opiniões sobre ele, porque podem atuar como agentes de turismo ou gestores de hostels e alojamentos locais, rececionistas, empreendedores com a gestão do próprio negócio. Inseridos nestes cargos, podem criar e explorar espaços de alojamento local; atender e rececionar os clientes; realizar serviços de “check-in” e “check-out”; prestar informações turísticas; comercializar produtos do turismo local, calculando tarifas, condições e encargos adicionais; gerir a carteira de clientes; promover o espaço através da internet e de outras ferramentas para otimização do negócio; entre outras funções.

Master D.jpg

Portugal foi eleito duas vezes o melhor destino turístico na Europa. As formações na área do Turismo da Master D Portugal recebem ótimas opiniões dos seus formandos.

 

Post em parceria com Master D - Portugal

Educação para Adultos

«Em dois anos, o Governo pretende que os atuais 240 centros de formação para adultos passem a ser 300 e com o nome “Centro Qualifica”. O aumento da oferta, um projeto conjunto dos ministérios da Educação e do Trabalho e Solidariedade Social, pretende aumentar a escolaridade dos adultos, fazendo com que metade da população ativa consiga concluir o Ensino Secundário, avança a agência Lusa.

"Portugal tem uma das populações ativas com menos qualificações”, referiu o secretário de Estado da Educação, João Costa, sublinhando que existem três milhões de adultos que não concluíram o Ensino Secundário: “Não são apenas adultos em idade avançada, também existem muitos jovens adultos que, há 15 anos, deixaram a escola.”

O Governo vai lançar um concurso para abrir mais 30 Centros Qualifica até ao final deste ano e outros 32 centros em 2017.» (In: A página agosto de 2016).

 

Sem querer me direcionar para cores ou ideias partidárias… tudo que seja um apoio a quem pretende continuar a estudar e a desenvolver os seus conhecimentos é do meu inteiro agrado! Fico, portanto, no desejo que seja uma mais valia, concreta, para os adultos do nosso país e que se continue a investir na Educação de Adultos!

No entanto, parece-me que, a maioria da formação desejada/procurada por adultos implica empresas de formação privada, com outras e mais variadas ofertas??!!!

Que experiência relatam??? 

Imagem relacionada(imagem retirada da internet)

Perlim: O Maior Parque Temático de Natal

O Natal com as crianças tem uma magia diferente, para encantar toda esta quadra feliz, nada como visitarem o Perlim, aqui nesta minha cidade – Santa Maria da Feira!

É mais um ano onde lembro que as portas deste Maior Parque Temático de Natal de Portugal já se encontram albertas, até ao final do mês. «Aqui está a melhor proposta de visita e diversão para escolas e famílias onde, entre espetáculos musicais de grande formato, histórias de encantar, animação circulante, cenários e cenografia, inspirados no melhor do imaginário infantil, e muitas diversões, tudo junto na centenária Quinta do Castelo, a verdadeira magia chega a todos!» (In: http://www.perlim.pt/)

Para mais informações visite: http://www.perlim.pt/

Bons momentos de magia!!!

perlimsantamariadafeira.jpg

 

A Biblioteca Nacional de Portugal

E se antes escrevi sobre livros, agora torna-se imprescindível escrever sobre a nossa Biblioteca Nacional que, com «um património documental vasto e muito diversificado que alcança quase dez séculos de história e cultura da sociedade portuguesa e abrange todos os temas e géneros que cabem num acervo bibliográfico, em contínuo crescimento. Um património que consagra um futuro para o passado e que a cada dia se constrói num registo sistemático do presente, para as gerações vindouras.» (in: http://www.bnportugal.pt/).

A Biblioteca Nacional de Portugal tem mais de duzentos anos de história, criada inicialmente por D. Maria I, em 1796, e seguida por conturbados locais de permanência, encontra-se agora no sólido e imponente edifício no Campo Grande, construído na década de sessenta.

Ao longo dos vários anos tem expandido a sua intervenção, tendo tido novo impulso a partir dos anos 80 com a abertura da sala de periódicos, o início dos empréstimos interbibliotecas, a informatização e a criação do Serviço de Música.

«Com mais de 200 anos, a BNP iniciou, em 2007, um processo de reestruturação que visa contribuir para o enriquecimento e divulgação do património bibliográfico nacional, bem como para modernizar, racionalizar e incrementar o seu funcionamento com vista a servir o público, a comunidade profissional, e os editores e livreiros.» (in: http://www.bnportugal.pt/)

Vele a pena visitar… explorar… ler…. refletir…

Biblioteca_Nacional_de_Portugal.jpg

 

DinoParque: aprender e divertir…

Abriu este ano as suas portas cá em Portugal, no entanto, eu ainda não tive a oportunidade de o ir visitar, mas confesso que estou com grande curiosidade:

«O Dino Parque é  o maior museu ao ar livre de Portugal, inserido numa área de 10 hectares, incluindo 4 percursos correspondentes a algumas das mais importantes épocas da história da terra: O fim do PaleozóicoO TriásicoO Jurássico e O Cretácico.

Ao longo desses percursos os visitantes podem observar mais de 120 modelos de dinossauros e outros animais à escala real. O Parque foi especialmente concebido para ser uma experiência “Edutainment” (Educação + Entretenimento), aliando a parte de conhecimento da evolução da Terra e também a parte de diversão para toda a família.» (In: www.dinoparque.pt)

 

Fica a proposta para este verão ou para um fim de semana! Algumas crianças e jovens têm um grande fascínio pelos dinossauros e aqui poderão deliciar-se com este Parque. Para além disso, faz parte da aprendizagem curricular, no 3º ciclo, esta área de conhecimento e esta será uma forma divertida de adquirir saberes escolares…

Boa visita!!!!

dino444site.jpg

 

Ensino Doméstico em Portugal

Diálogo entre mim e um/a estudante de 1º ciclo:

«Eu: _ tens aulas com quem?

Estudante: _Com a minha mãe.

Eu_ E não andas na escola?

Estudante: _ Não, eu vivo no circo,….»

 

Existem, em Portugal e noutros países, encarregados de educação que optam por concretizar um ensino individualizado à sua criança, optando por realizar o ensino escolar em casa, ou seja, na modalidade de Ensino Doméstico salvaguardado, nos termos da alínea a) do nº 4 do artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 553/80, de 21 de Novembro, que aprova o Estatuto do Ensino Particular e Cooperativo – “aquele que é lecionado no domicílio do aluno, por um familiar ou por pessoa que com ele habite”.

«Os encarregados de educação que manifestam a intenção de integrar os seus filhos na modalidade de Ensino Doméstico estão a proceder de acordo com os direitos que lhe são conferidos, nomeadamente o da escolha de uma modalidade de ensino.» (in: educacaolivre.pt). Para tal, deve realizar todos os procedimentos legais exigidos e orientar todo o processo de ensino tendo como referência os programas nacionais e as Metas Curriculares de cada área curricular disciplinar e não disciplinar.

No final de cada ano letivo, o encarregado de educação deve ter em linha de conta que, os estudantes em regime de Ensino Doméstico estão sujeitos a avaliação no final de cada ciclo (de acordo com a legislação em vigor).

Sobre este tema surge-me apenas referir uma ressalva pessoal, lembrando que, é muito importante para quem cresce a interação contínua com crianças e jovens da mesma idade, promovendo-se assim um desenvolvimento emocional e social imprescindível a um crescimento saudável. Portanto, quando o estudante se encontra em regime de ensino doméstico, estas situações devem ser promovidas e geridas com especial cuidado. 

explicações_2018.jpg

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D