Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Educar (Com)Vida

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Conto de Natal: o presente menos esperado!

O convite é realizado nestes últimos anos: escrever um Conto de Natal - e vem pela mão da nossa ImSilva, do blogue: Pessoas e Coisas da Vida. Quem, por cá anda há anos, sabe que estes belos Contos escritos por bloggers têm resultado em fantásticos livros.

Este ano, eu tinha de manter a minha presença, com mais um Conto original!! Leiam e vejam se gostam?!!

Conto de Natal: o presente menos esperado!

Era uma bela noite de Natal, como tantas outras belas noites de Natal! Numa família bela, como tantas outras famílias, que se juntam para celebrar uma noite de amor e carinho!

A Aurora, a criança mais pequena daquela grande família, já tinha perguntado inúmeras vezes:

_ Já podemos abrir os presentes?

Aquelas fantásticas caixas e caixinhas, cuidadosamente embrulhadas com laços carinhosos e cores natalícias convidavam as crianças a se aproximarem-se para as abrirem!

_ Ainda não, Aurora! Ainda não jantamos e os presentes só se abrem pela meia noite.

_ Falta muito? _ continuava Aurora.

_ Ainda são 19h… _ disse Paulo, o irmão mais velho.

_ E isso é assim… muito… muito… tempo? Ou só um bocadinho de tempo?

Enquanto todos se riam a campainha tocou… àquela família de um pai, uma mãe e quatro crianças: Aurora, Filipe, Laura e Paulo, juntavam-se os dois avós paternos, que acabavam de chegar.

Com os avós vieram também mais caixas e caixinhas repletas de conteúdo que provocavam aquela ansiedade aos mais novos… a vontade de abrir presentes aumentava, aumentava e aumentava!

Os avós arrumaram as suas magníficas caixinhas junto de todas as outras, debaixo da Árvore e em frente ao Presépio! Aquele cantinho ocupava agora um grande espaço na sala, com tantos presentes acomodados.

No quentinho desta casa, a azáfama era maravilhosa: uns ajudavam na preparação da mesa, outros conversavam animadamente enquanto preparavam o jantar, os restantes ajudavam nos últimos pormenores dos doces e sobremesas!

Era o Natal de 2023… finalmente, toda a família tinha-se juntado neste Natal. A casa que outrora parecia grande para aquela família de seis pessoas, agora era pequena para tantos visitantes, mas ao mesmo tempo ficava mais feliz e aconchegante, porque nela estavam conversas calorosas, gargalhadas divertidas e novidades fantásticas! Os abraços apetados e colos demorados eram o melhor do reencontro.

Já passavam das 20h30 quando todos se começaram a sentar à mesa… uma mesa improvisada e aumentada, para que todos tivessem lugar. Havia tanta comida deliciosa e tanto para provar, entre sorrisos e conversas que, por algum tempo, já ninguém se lembrava daquelas caixinhas embrulhadas em papel colorido, com laçarotes pomposos, nem mesmo a curiosa da Aurora.

Como se fosse um momento mágico… o jantar aconteceu… a comida aqueceu o estômago e a conversa alimentou a alma. A lareira aquecia o coração e o crepitar do lume tornava aquela noite de Natal numa mágica noite de inverno, para toda a família!

Seguido do jantar todos decidiram escolher um jogo para se divertirem e prolongarem o tempo de alegria, até ao momento de abrirem os presentes.

Mesmo muito impacientes, as crianças aceitaram a aventura do Jogo da Mímica, fizeram-se equipas e definiram-se regras. Era preciso uma preciosa atenção para acertar nos gestos feitos a preceito, pois só assim se conseguia desmascarar aquela palavra escondida por gestos e movimentos, tão divertidos.

Aurora é a mais impaciente… enquanto olhava o gestos de cada um, na sua vez, sonhava acordada com o que estaria naqueles embrulhos: seria a boneca que tanto pedira à mãe? Ou aquela cozinha que descrevera na carta ao Pai Natal? O que seria que os avós tinham trazido… o ano passado tinham oferecido uns livros para pintar que ela adorou imenso! Os avós eram tão carinhosos a escolher as prendas para todos e por isso sempre acertavam!!!

Queria saber se ainda faltava muito para a tal meia noite… tinha sono… queria ir dormir com o ursinho Tobias… mas nem se atrevia a perguntar outra vez: falta muito para abrir os presentes? Estavam todos tão divertidos que ela ficou com muita vergonha de dizer, seja o que for… a frase não saía, assim, do pensamento…

O jogo da mímica estava a funcionar tão bem, quando num repente se ouvem uns agudos latidos: au… au… au…

Alguém entusiasmado com o jogo, grita: _ cão!!!

Nisto acontece uma mistura de risos e espantos… ninguém tinha imitado um cão… ninguém sabia de onde vinha tal barulho, já que esta família não tinha nenhum animal em casa!?

Depois da gargalhada geral, ficaram todos espantados e quietos…

_Que barulho foi este? _ perguntou o pai Francisco.

Todos se olharam… mas ninguém respondeu. Em vez disso, fizeram silêncio! Afinal, mais algum barulho se poderia ouvir!

_ Au.. au…au…

Voltou a ouvir-se os latidos vindos de longe. A Aurora, misturando aquilo que ouvia com o seu desejo de abrir os presentes, correu para a árvore e disse: _está um cãozinho nas caixas dos presentes…

Toda a família se olhou…. Será que alguém colocou um cão dentro dos presentes??? Como assim??? Não se podem colocar animais vivos em caixas fechadas…

Ninguém respondeu… ao que parecia ninguém tinha cometido tal loucura, porque naqueles rostos se notava grande confusão!

_ Au… au… au…

Numa atitude muito decidida o pai Francisco dá um salto do sofá e dirige-se para a porta, saindo de rompante, sem que ninguém conseguisse ainda compreender o que se estava a passar.

Toda a família continuava sentada sem saber o que fazer… ir ter com o Francisco lá fora? Começar a abrir os presentes à procura de qualquer coisa? Perguntar se os vizinhos tinham algum cão?...

A Aurora começou a abanar presente a presente, para perceber se algum deles latia… depois de os abanar encostava o seu ouvido à caixa… mas não se atreveu a abrir nenhum deles, com medo de algum raspanete e de ficar de castigo e sem presentes nenhuns!

A restante família limitou-se a olhar Aurora e a esperar que algo mais acontecesse.

Passaram alguns minutos… que pareciam uma eternidade e um grande momento de suspense, em plena noite de Natal… quando o pai Francisco volta pela mesma porta, com um pequeno cão ao colo.

_ Como assim? _ perguntou Paulo? _Onde foste buscar esse cão, pai?

_ Estava no jardim aqui de casa. Não sei como veio aqui parar?! _ respondeu o pai enquanto fazia umas festinhas ao cão, que parecia estar a adorar toda aquela situação, podia perceber-se pelo animado abanar de cauda.

Aurora acabara de largar um presente e deixou-o simplesmente cair, sem pensar em mais nada… correu em direção ao pai e tirou o cão feliz, das mãos do pai.

_Oh! Tão bonito que é este cãozinho. É o meu presente de Natal, pai?

Francisco olhou para ela, para o cão e depois para a restante família, que continuava sem perceber metade do que se estava a passar…

_ Não… acho que não… os teus presentes estão ali, na árvore…

_ Mas podemos ficar com ele, não podemos? _ Perguntou o Paulo, já a imaginar adotar aquele bichinho peludinho, de pelo branquinho e patas castanhas.

Como o pai Francisco estava tão confuso, mais nada respondeu. Aquele enorme momento de suspense para toda a família acabou.. a pouco e pouco, todos se começaram a levantar e a dirigirem-se para o novo elemento chegado. Todos lhe quiseram pegar, fazer mimos… brincar… alimentar… certificar-se de que estava feliz…

E assim, tocaram as doze badaladas, sem que ninguém desse qualquer importância… já ninguém se lembrou de abrir os presentes e a Aurora já não tinha sono. Aquele animal fofinho acabava de se tornar o mais importante da noite porque trazia com ele mais felicidade e ainda mais ternura.

O presente mais inesperado tinha acabado de chegar e era mais importante do que qualquer objeto que pudesse existir naquelas lindas caixinhas!

Entretanto, muito tempo depois… muitas brincadeiras depois… o pai Francisco já se tinha recuperado do achado que tinha feito, no seu próprio jardim, e disse:

_ Cara família, compreendo que estejam muito felizes com a chegada deste pequeno… mas não sabemos se tem dono e se anda perdido!! Podemos cuidar dele esta noite, mas amanhã vamos levar ao veterinário para verificar se tem microchip, assim podemos encontrar o seu dono.

Ficaram todos em silêncio, de novo… o pai tinha razão…

_ E se não tiver dono, podemos ficar com ele? _ Perguntou o Paulo.

_PODEMOS? _ perguntaram os quatro irmãos em coro…

Sem saber bem o que dizer…após olhar para a restante família e ver sorrisos na cara de todos, respondeu:

_ Acho que sim…  

 

FIM

conto natal.jpg

 

versão em PDF para impressão: 

Conto de Natal_2023.pdf

 

A Magia do Natal!!!

Era uma vez, um menino de olhos castanhos e cabelo escuro, sorriso no rosto e andar contente, tinha oito anos, chamava-se Diogo e estava imensamente feliz porque hoje era o dia mais importante do ano, 24 de dezembro… véspera de Natal!

Era neste dia que a casa do Diogo se transformava em alegrias, gargalhadas e conversas descontraídas. Pela tarde começavam a chegar os convidados, avós, tios, primos, … tanta gente que o Diogo amava! Como não iria ser um dia fantástico?

Depois de um jantar repleto de comida na mesa, conversas partilhadas e histórias contadas, chegava a esperada hora de abrir presentes…. A família reunia-se na sala, onde estavam a Árvore de Natal e o Presépio, lá foram ficando os imensos presentes da família, que agora se começavam a abrir em grande entusiasmo.

O Diogo abriu presentes e mais presentes… uns e outros… todos fantásticos… tão feliz que estava o Diogo!

Embora a noite fosse mais prolongada, Ana, a mãe do Diogo acabou por enviá-lo direitinho para a cama, na manhã seguinte iria receber o seu melhor amigo, em casa, para brincarem….

Era já noite longa, quando a mãe do Diogo escutou uns barulhos estranhos vindos da sala… Para verificar o que se estava a passar, foi espreitar com cuidado. Lá estava o Diogo em enorme concentração a embrulhar, de novo, alguns presentes que tinha acabado de receber…

_ Mas que está ele a fazer? Será que o Diogo não gostou dos presentes??? Pensou a mãe… mas continuou a observar. _Está a embrulhar o pijama fofinho e quentinho… pensei que lhe servisse!!! Também já embrulhou uma caixa de bombons… e o conjunto de legos que ele tanto adora…. Como é possível!!!???_ Pensou a mãe, já a ficar chateada. _ Amanhã, quando o amigo se for embora vou ter uma conversa muito séria com ele, não há motivo nenhum para não querer tais presentes…

A noite deu lugar ao dia e, à hora marcada o Afonso tocou à campainha.

_ Olá Afonso! O teu amigo Diogo ainda não acordou, parece que teve uma noite muito longa!!! _disse a mãe.

_ Olá Sra. Ana! _ Respondeu o Afonso!

_ Olá Afonso!!! Anda para a sala brincar. _ disse o Diogo, todo apressado e ainda a calçar-se.

_ Muito bem, afinal acordaste! Replicou a mãe. _Vou buscar-te uma caneca de leite.   

Quando a mãe do Diogo voltou para a sala escutou a conversa entre eles e ficou atenta:

_ Ainda tens presentes embrulhados! _ diz o Afonso!

_ Sim… Esses são para ti! _ Afirmou o Diogo! _ Força, podes abrir… O Pai Natal não teve tempo de ir a tua casa e pediu para deixar estes aqui….

_ A sério??? _ Perguntou o Afonso com um sorriso maravilhoso.

Ao ouvir tal conversa a Ana ficou a refletir… Lembra-se perfeitamente que o Afonso tem uma família humilde, com poucos recursos e o Afonso tem mais quatro irmãos. Certamente, que ele não recebeu tantos presentes como o Diogo… talvez nem tenha recebido nenhum…

Agora tudo fazia sentido: O Diogo queria apenas partilhar os seus presentes com o seu melhor amigo, mas queria manter a Magia do Natal!!!!

magia de natal.jpg

Nota: Este é o Conto de Natal que escrevi para responder ao desafio realizado pela blogger imsilva a todos os blogs aqui do bairro... Adorei escrever... espero que tenham gostado de ler...

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Vencedor:

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
Blogs Portugal