Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Educar (Com)Vida

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Estudantes Sobredotados em NEE’s

Já por aqui escrevi sobre necessidades educativas especiais, especificando algumas delas de forma mais detalhada. Considero escrever, especificamente, sobre este vasto tema, já que muitos educadores procuram algum apoio e conhecimento através da internet. Neste e nos próximos Post’s, surgiu-me o interesse em escrever/pesquisar/refletir sobre estudantes Sobredotados.

Este é um tema que, em princípio, pode não parecer incluir-se nas definições de Necessidades Educativas Especiais, contudo, em Portugal  as crianças e jovens sobredotados foram reconhecidos na Lei como portadoras de necessidades educativas específicas (Desp.º n.º 50/2005 de 9 de Novembro) e que prevê que as escolas deverão efetuar para tais alunos um Plano de Desenvolvimento. Esta situação ocorre, uma vez que, ser Sobredotado significa ter capacidades específicas e formas de aprendizagem diferenciadas.

Assim sendo, surge a necessidade de diferenciar uma criança dita ‘normal’ de uma criança Sobredotada:

A definição vem pela voz de investigadores especialistas que apontam as seguintes características diferenciadas:

  • capacidade acima da média – distingue-os a facilidade com que obtêm êxito em determinadas matérias ou a facilidade que revelam na aquisição determinados conhecimentos ou competências em áreas específicas.
  •  persistência na resolução de uma tarefa – uma grande capacidade de trabalho, direcionando uma invulgar quantidade de

energia para a resolução de problemas ou de uma atividade específicas.

  • Elevada criatividade -  revela-se pela natureza e frequência das perguntas, jogos e associação de conceitos. É com frequência que as crianças e jovens com esta característica surpreendem os adultos com a

qualidade das suas produções.

sobredotados1.jpg

 

(Renzulli,1986) 

 

 

 

O particular tema da Dislexia:

Diálogo entre mim e um/a estudante de 3º ciclo:

«Eu:_ Tiras boas notas?

Estudante: _ Podia ser melhor se não fosse esta coisa chamada dislexia.»

Eu: _ Achas que esse problema interfere muito com o estudo?

Estudante: _ Pois?…»

 

Já aqui falei, em publicações anteriores, de Necessidades Educativas Especiais e a dislexia insere-se neste contexto, pois interfere com a capacidade de aprendizagem, dos estudantes ao longo de toda a vida.

A dislexia define-se como «(…) uma incapacidade específica de aprendizagem, de origem neurobiológica. É caraterizada por dificuldades na correção e/ou fluência na leitura de palavras e por baixa competência leitora e ortográfica (…) que pode impedir o desenvolvimento do vocabulário e dos conhecimentos gerais» (Associação Internacional de Dislexia).

Ao longo do meu percurso apoiei alguns estudantes com este diagnóstico, contudo nem sempre senti o apoio necessário, por parte das suas escolas, na sensibilização de uma avaliação adaptada a esta situação, esta inquietação também é refletida pela Especialista em Dislexia Drª Paula Teles que afirma: «no nosso país o Decreto-lei 3/2008, aplica-se às crianças com necessidades educativas especiais, mas não faz qualquer referência em relação à metodologia reeducativa a adotar. Na grande maioria dos casos os alunos dependem da “benevolência” dos professores, desculpando a falta de correção, a fluência leitora, a limitação vocabular, os erros ortográficos...» (In Revista Portuguesa de Clínica Geral: 2004). Fica portanto, aqui, um alerta a toda a comunidade escolar para se pensar em novos métodos de apoio e intervenção.

Por toda esta complexidade, pretendo dar continuidade a este tema, nos próximos artigos…

images (1).png

 

Hiperatividade: diagnóstico e encaminhamento…

A hiperatividade é mais habitualmente reconhecida nos primeiros anos escolares. Contudo, a angústia de alguns encarregados de educação levam-nos a dificuldades em reconhecer quando são apenas comportamentos irreverentes de criança, ou expressões de hiperativo. Neste sentido apresento aqui alguns comportamentos que podem demonstrar Hiperatividade:

  • Energia que parece inesgotável;
  • Dificuldade em finalizar tarefas;
  • Pouca capacidade de concentração;
  • Dificuldade em cumprir regras;
  • Grande inteligência mas com pouco aproveitamento escolar;
  • Dificuldade em seguir planos;
  • Ansiedade;
  • Impulsividade;
  • Criatividade elevada;
  • Movimentos repetitivos;
  • Dificuldade em adormecer;

 

Como já referi, grande parte dos diagnósticos são realizados nos primeiros anos de escola,  principalmente, através de alertas vindos dos professores. Em Portugal a hiperatividade é considerada uma necessidade educativa especial enquadrada na legislação, beneficiando de apoios especiais que promovam a igualdade de oportunidades educativas.

Estes estudantes devem também ser acompanhados por profissionais (psicólogos/pedopsiquiatras) que orientarão o auxílio necessário, seja através de terapias e/ou com recurso a medicação.

 

slide_4.jpg

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Vencedor:

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D