Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

08
Mar 18

Tal como prometido no Post anterior, aqui ficam algumas propostas de técnicas de memorização. Relembro que algumas podem funcionar melhor do que outras, de acordo com as capacidades e facilidades de cada indivíduo, contudo, com o tempo e a prática, conseguem-se melhorar resultados.

 

Repetição: um método pouco motivante para os estudantes mas, em determinadas situações, eficaz, e consiste na repetição da informação várias vezes seguidas. Para tornar este método mais interessante pode optar-se por fazê-lo é jeito de canção.

 

Rimas e jogos: memorizar através da realização e jogos ou de esquemas rimáticos, poderá ser mais fácil, criando-se com a matéria uma relação afetiva e mais divertida. Funciona melhor com matérias mais simples, por exemplo, do primeiro ciclo.

 

Imagens mentais: para os estudantes que têm uma boa memória fotográfica, podem recorrer a imagens como forma de memorização. Trata-se de uma estratégia com melhores resultados em algumas disciplinas, como por exemplo a Ciências da Natureza.

 

Técnica dos espaços: de uma forma associativa, o estudante pode associar um determinado lugar ou espaço a determinada matéria, assim, ao relembrar o espaço irá relembrar a informação associada. Esta técnica funcionará bem se o estudante tiver uma boa capacidade de conhecimento espacial.

 

Elaboração progressiva: esta técnica tem por objetivo encadear as informações de tal maneira que elas sigam uma ordem lógica que nos permita recordar as informações que elas encerram. Desta forma supõe-se que a aprendizagem anterior foi claramente reconhecida e memorizada, só assim se evoluirá na memorização.

 

Palavra-Chave: esta técnica propõe que o estudante memorize várias aprendizagens para cada palavra-chave, bastando lembrar a palavra-chave para relembrar todos os outros conceitos e conhecimentos associados. Pode ser bastante útil para descrever processos, mas para enumerar listas de características ou outras informações que pretendemos decorar.

 

Técnica dos números: para os estudantes que têm grande capacidade em memorizar números, podem associar informações a números, codificando, assim, a informação. Esta estratégia deve ser utilizada em pequena escala para ser mais eficaz.

 

E para vocês, qual a técnica que melhor funciona? Que outras estratégias de memória utilizam?

memoria_16645_l.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:40

05
Mar 18

Quantas vezes os estudantes ficam preocupados quando têm muita matéria escolar para compreender e memorizar. Acham que não conseguem decorar tudo, que se vão esquecer ou trocar informações. Contudo, é fascinante a forma como o nosso cérebro funciona e a sua capacidade para armazenar informação de uma forma bastante rápida. Para que a informação chegue ao cérebro e fique retida apresentam-se várias formas de memorização:

Memória Sensorial – esta memória recebe toda a informação advinda dos cinco sentidos:

Memória Visual: recebe informações advindas da Visão

Memória Auditiva: recebe informações advindas da audição

Memória Tátil: recebe informações advindas do tato

Memória Olfativa: recebe informações advindas do olfato

Memória Gustativa: recebe informações advindas do paladar

 

«O interessante é que a maioria das informações que são utilizadas através dos nossos sentidos são armazenadas no nosso cérebro por, pelo menos, dois segundos. Sendo necessário um tempo curto o suficiente para processar, analisar e interpretar a mensagem que chega até o nosso cérebro. Quando a informação é muito importante ela já chega para o próximo tipo de armazenamento, que é a Memória de Curto Prazo.» (In: www.portaleducacao.com.br).

Vários cientistas assumem que a memória não está centrada apenas numa parte do cérebro, ela implica todo o cérebro, para além disso, afirmam que a capacidade de memorização pode ser treinada e melhorada, aperfeiçoando-se assim técnicas.  

Seguindo estas perspetivas podemos assumir que os estudantes devem desenvolver as suas próprias técnicas de memorização sem receios nem pressas.

No próximo Post facultarei algumas técnicas de memorização que poderão ajudar no estudo diário.

aprender-a-estudar.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:53

16
Mar 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de 2ºciclo:

«Eu:_ Como está o estudo?

Estudante: _Já estudei muito hoje… já escrevi os números até 100 em inglês!

Eu: _Era trabalho de casa?

Estudante: Sim, a professora mandou, que era para nós decorarmos…»  

 

Quantas vezes educadores e pais ouvem tais afirmações: ‘tenho de escrever vinte vezes’, ‘tenho de fazer as tabuadas três vezes’, … eu seja, copiar e repetir várias vezes, sempre com o mesmo objetivo: decorar… não nego que, é necessário saber escrever sem erros, saber as tabuadas… e assumo que a repetição é, sem dúvida uma forma bastante eficaz de memorizar/decorar… mas confesso que, sempre que ouço um estudante dizer-me que tem para fazer tal tarefa me ‘aperta o coração’ saber o tédio que terá de enfrentar na execução de tal trabalho…. por isso, admito a existência de alguma aversão ao estudo e aos TPC’s por parte destas crianças e jovens!

Não posso, de todo, acabar com tais trabalhos escolares contudo, posso propor algumas formas mais interessantes de memorizar as matérias aprendidas na escola… ficam aqui algumas dicas:

 

  • Recorra à audição: que para além da visão auxilia na memorização, existem vários vídeos na internet direcionados a crianças, que com músicas e imagens apresentam a matéria a estudar.
  • Recorra às pausas: a matéria é mais fácil de interiorizar aos poucos, portanto em vez de decorar algo em apenas um dia, prolongue o estudo para uns minutos em cada dia, relembrando sempre a mesma matéria.
  • Recorra a associações: podem fazer-se associações divertidas, como um til se chamar língua de cão, ou como escrever avô implica sempre colocar-lhe um ^(chapéu) e à avó um ´(lenço). Ou associações a situações práticas, como por exemplo, a palavra centrifugação aprendida em Ciências/Físico-química significa o mesmo efeito que a máquina de lavar roupa lá de casa.
  • Fuja das confusões: Quando se está em processo de memorização e, o processo que estava a tornar-se mais rápido e claro de repente torna-se demasiado confuso e difícil está no momento de parar... por alguns minutos ou um dia…
  • Faça desenhos, escreva em cartolinas: para afixar em lugar de estudo é também um método eficaz de relembrar matérias. Quantos de nós temos vários post-its à volta no PC, em casa ou no trabalho???

 

Conte-nos se conhece mais alguma forma de memorização eficaz, seja consigo ou com outros estudantes, poderá ajudar quem nos visita! Obrigada.

memoria_16645_l.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 14:25

Outubro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11
13

14
17
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


pesquisar
 
mais sobre mim
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Instagram
@educarcomvida
blogs SAPO