Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Educar (Com)Vida

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Avós que cuidam e que educam!

Os avós, em muitas famílias têm um papel imprescindível, são motoristas, baby-sitters, educadores, avós e amigos dos mais pequenos… recebem-nos em suas casas, muitas vezes, como um horário de trabalho a cumprir. Têm todas as responsabilidades de cuidadores e de gestão de tempos. Muitas vezes levam os estudantes à escola e a muitas outras atividades extra curriculares… entre todas estas tarefas, procuram educar, regrar e dar o exemplo.

Sem dúvida que facilitam a vida a muitos pais, através de um apoio diário e continuo. Para além de tudo isto, são fonte inesgotável de amor e carinho. Algo que, nem sempre, os mais novos reconhecem ou agradecem. Por vezes, o choque entre gerações, os valores diferentes e a visão educativa diferente faz com que surjam birras e aborrecimentos, em vez de reconhecimento e compreensão.

Está na altura de motivar mais, quem cresce, para a valorização e cuidado com esta geração… é muito importante que as crianças e adolescentes reconheçam a importância dos avós, como exemplo e inspiração de vida, sejam estes avós mais ou menos presentes no quotidiano.

Ouvir as histórias e peripécias dos mais velhos é um privilégio que, muitas vezes, só assumimos quando nos faltam, porque não nos ensinaram a valorizar… e é tão importante esta aprendizagem!

Hoje, deixo este desafio e esta sensibilização… é um privilégio gigante ter avós para ouvir e para abraçar…lembrem isso a quem cresce!!! Reconheçam-no em gestos e atitudes! 

avós_netos.jpg

 

Dicas para incentivar à leitura!

Muitas crianças e jovens não demonstram motivação para a leitura, referem que é aborrecido, que não gostam de ler e que, os livros propostos pela escola não são do seu interesse. Assim, torna-se difícil demonstrar o contrário, que a leitura pode ser forma de liberdade e de imaginação, pode envolver e motivar o leitor, em qualquer idade. Mas, como já escrevi várias vezes, é muito importante que o leitor consiga perceber quais os seus gostos e que género de leitura o entusiasma.

Por vezes, os adultos complicam ainda mais esta situação porque, quando uma criança ou adolescente, refere que gosta de um género de leitura, o adulto interpreta essa leitura como de menor interesse e direciona novas propostas de leitura.

Na minha opinião, não vejo nenhum problema em que o estudante selecione livros para ler que não façam parte do Plano Nacional de Leitura, ou que pareçam menos enriquecedores intelectualmente. Para mim, o importante é ler e desenvolver essa motivação pela leitura… assim, mais tarde, poderá desenvolver-se a vontade de explorar outras leituras e os gostos vão-se alterando, refinando, abrindo… Penso que o importante é mesmo ler, e considero que as famílias devem adquirir, para quem cresce, os livros que verdadeiramente interessam aos leitores lá de casa, com algum cuidado relativamente às faixas etárias, mas sem estigmas!

Para além disto, acrescento algumas sugestões:

Seja exemplo, se a família tem por hábito momentos de leitura, as crianças interiorizam-no mais facilmente;

Leve-os à biblioteca com regularidade, sem grandes custos financeiros têm muito para explorar e ler;

Conversem sobre as leituras e recontem histórias já lidas, demonstrando entusiasmo e alegria pelas histórias;

Leiam um conto antes de dormir, primeiro leem os pais para os filhos depois podem ser eles a lerem sozinhos, ou para os pais;

Incluam livros como presentes, seja pelo aniversário ou em épocas festivas;

Encenem histórias lidas como uma peça de teatro, partilhada em família, torna-se divertido ‘dar vida’ às personagens...

 

  Mais dicas???

investigacao-livros-empilhados.jpg

 

Quando é o filho a ensinar!

Bem verdade, nem sempre são os mais velhos a ensinarem os mais novos… muitas vezes, os mais novos têm muito para ensinar e relembrar aos mais crescidos, muito embora nem sempre o queiram assumir.

Existe uma lista imensa de aprendizagens que realizamos com os mais pequenos…sim, eu assumo que aprendo imenso com os estudantes, aliás, penso que é por isso que gosto tanto do que faço, porque considero que aprendo muito enquanto ensino.

Para não alongar muito esta publicação faço, apenas, uma breve lista de tudo aquilo que os mais velhos podem aprender com as crianças e jovens, por vezes de forma consciente, outras vezes sem nos apercebermos:

  • As novas tecnologias: os mais velhos demonstram dificuldades na sua utilização, enquanto os mais novos já nasceram a saber usá-la com toda uma prática constante…
  • Cuidados ambientais e de sustentabilidade: os mais velhos souberam, mas já esqueceram ou desvalorizam, até chegarem os mais novos e voltarem a lembrar o quanto é importante separar o lixo, poupar o ambiente, poluir menos…
  • Exercício físico: tantas vezes as famílias são motivadas pelos membros mais novos para as brincadeiras ao ar livro, os passeios, as bicicletas e tantas diversões que nos colocam em boa forma física, sem nos apercebermos…
  • Os cálculos e a gramática: quando a criança entra para os primeiros anos escolares, lá estão todos os pais, de novo, agarrados aos livros a relembrarem as matérias já esquecidas, para conseguirem ajudar os filhos nos trabalhos escolares e no estudo…
  • Sensibilidade emocional: tantas emoções que os adultos guardam, quando deveriam partilhar e, repentinamente os mais pequenos demonstram de forma tão simples e profunda, voltando a lembrar o valor dos sentimentos e das emoções…
  • A gestão do tempo: nada mais profundo do que o nascimento de uma criança para que toda a gestão do tempo familiar se altere, reaprende-se a gerir horas e minutos e tudo de reorganiza em função do mais pequenino ser que chegou…

Por aí, que mais tópicos sugerem???

 

reflexões.jpg

 

Fevereiro: exige uma séria conversa!

Este mês de fevereiro exige uma conversa com o aluno, principalmente entre a família e o aluno. Pois, estamos a meio do ano letivo e isso deve trazer responsabilidades muito conscientes, tanto para os estudantes, como para as famílias e toda a comunidade escolar. Por norma já se sabem os resultados escolares, os alunos já estão adaptados à realidade educativa, com a experiência de uns meses de aulas, de uma avaliação e de descanso no Natal. Portanto, já sabem quais as dificuldades e que estratégias devem seguir para melhorar resultados e aprendizagens.

Assim sendo, no início deste mês de fevereiro, deve ser concretizada uma conversa séria, entre estudante e família, repensando-se os meses de estudo que se avizinham. É necessário avaliar o que foi proveitoso e o que deve se melhorado, deve ser exigida mais responsabilização e um esforço contínuo, porque alguns alunos acabam por se apropriar das avaliações anteriores e dedicar-se menos, nas avaliações seguintes.

Aos que pouco se dedicaram e empenharam anteriormente, se não são responsabilizados e orientados, será muito difícil atingirem os resultados esperados. Deve ser também o momento de ponderação, para os que ainda não têm explicações, se existe essa necessidade? Se acontecer devem ser definidas agora… mais tarde já não fará muito sentido, pois rapidamente se chega ao final do ano letivo… faltam quatro meses para as férias de verão!

família1.jpg

 

Viajar é educar

A educação está nas mais diversas experiências de vida, conseguimos aprender através de uma educação formal, mas podemos também aprender através de muitos outros contextos, sociais e profissionais. A educação é, assim, muito transversal.

Por esta razão torna-se importante que, quem cresce, tenha oportunidade de viver diversas experiências pessoais e sociais que o enriqueça e o eduque. Viajar é, um exemplo claro, de aprendizagem através da experiência.

Quando alguém viaja tem oportunidade de conhecer novas culturas, novos valores sociais, confrontar-se com outros estilos de vida e com outras sociedades. Assim, sempre que as famílias proporcionam férias às suas crianças e jovens, visitando outros lugares e vivendo outras experiências, estão também a proporcionar-lhes momentos de grande enriquecimento pessoal que, embora não pareça claro, traz grandes aprendizagens para toda a família.

Assim, sempre que conseguir, e na medida do possível para o orçamento familiar, proporcione viagens a quem cresce, não é necessário ir para onde a maioria das pessoas vão, não é necessário ter grande financiamento (ensinar a poupar em férias é também primordial), não é necessário viajar para destinos longínquos ou exóticos, basta vontade de partir à descoberta, manter uma mente aberta para o que nos rodeia e muito desejo de aprender/conhecer!

Viajar oferece conhecimento, experiências e muitas aprendizagens que não estão nos manuais escolares, aproveitem!

ensinarCrescer (1).jpg

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Vencedor:

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
Blogs Portugal