Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

03
Jun 19

Por vezes deparo-me com conversas de encarregados de educação que me deixam inquieta, quando me respondem que a criança não quis, não escolheu, ou optou por.. tendo sido elas a tomarem decisões com as quais a família não concorda, mas aceitou por ser decisão da criança… com isto não quero dizer que, as crianças não possam tomar decisões e fazer escolhas… isso é saudável e faz parte do desenvolvimento integral de qualquer ser humano.

 Contudo, em muitas e determinadas situações não me parece que se deva ceder às escolhas de quem é ainda pequeno e não tem capacidade de escolher o que é melhor para si mesmo… essa responsabilidade e decisão cabe inteiramente a quem educa, a quem protege e orienta.

Portanto, a minha inquietação de hoje é um pedido de reflexão… diga ‘_Não!’ sempre que necessário ou, ‘_Sou eu que decido!’… sem muitas explicações ou definições, quando é importante…

Ou corremos o risco de não educar da melhor forma possível!

Resultado de imagem para importância do não
(imagem retirada da internet)
 
publicado por Maribel Maia às 10:46

10
Mai 19

19 (1).jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 10:26

25
Mar 19

Ter uma atitude responsável perante a vida é, sem dúvida, um processo imprescindível, que demora muitos anos a adquirir e aperfeiçoar, trazendo consigo vivências, tentativas e inseguranças.

As primeiras instituições sociais a incutirem esta responsabilidade são as famílias, que diariamente devem educar para uma autonomia responsável e consequente.

Quando um estudante se torna responsável e esforça-se, constantemente, neste sentido receberá bons resultados deste empenho, pois isso reflete-se diretamente nos resultados escolares, e na confiança que os outros adultos e colegas lhe oferecem.

Certamente, a família terá várias estratégias para tentar incutir este conceito fundamental. No entanto, como nunca é demais orientar, aqui ficam mais uma dicas para refletir:

  1. Utilize o diálogo como forma de explicação sobre a importância deste conceito para a vida e para situações atuais;
  2. Defina que a confiança da família, professores, amigos tem de ser conquistada através destas atitudes de respeito e de responsabilidade;
  3. Nunca se esqueça que vocês é exemplo imprescindível, certamente será imitado/a nas atitudes;
  4. Exija o cuidado com tarefas e objetos, com penalizações para incumprimentos, descuidos e esquecimentos;
  5. Ensine a importância do respeito, por nós, pelos outros e pela Natureza;
  6. Ensine que os sentimentos dos outros são de muita importância;
  7. Defina tarefas e funções, partilhando as tarefas domésticos;
  8. Mostre confiança nesta responsabilidade sempre que o mereça;
  9. Use agendas ou tabelas de orientação sempre que necessário;
  10. Faculte tarefas com maior exigência e explique o grau de responsabilidade implícito…

19017614_eQZ12.jpeg

(imagem retirada da internet)

publicado por Maribel Maia às 11:01

01
Mar 19

9.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:19

08
Fev 19

6.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:21

07
Dez 18

49.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 13:15

16
Nov 18

42_passou.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 12:01

02
Nov 18

44.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 09:57

12
Out 18

41.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 09:51

03
Out 18

Quantos pais referem que as crianças deveriam nascer com ‘livro de instruções’, que por mais que tentem educar os filhos da mesma forma eles apresentam carácter e características muito diferentes, que se transformaram muito na adolescência, ou que ao longo dos anos eles mudaram bastante!!!???!!

E a verdade é apenas uma, não existem elixires como soluções únicas é infalíveis para educar, no pleno sentido da palavra…

Contudo, depois de muito ouvir, pesquisar e refletir, posso deixar algumas breves propostas, que são muito particulares enquanto opinião própria de quem convive com crianças, adolescentes e jovens há já alguns anos… e claro, com os respetivos pais/educadores deles, numa aflição constante, de quem anseia pela felicidade de quem cresce! 

 

  • Ensinar, desde tenra idade, a resolver problemas;
  • Procurando não interferir muito nas ações dos jovens, procurar estar sempre presentes e atentos;
  • Apresentar um apoio pronto, sempre que necessário;
  • Encarar as situações num sentido positivo;
  • Educar, tendo em conta as especificidades de cada indivíduo;
  • Não alimentar as preocupações em demasia;
  • Ensinar os jovens a dizer ‘Não’;
  • Usar a palavra como ato primordial;
  • Mantenha a hora de jantar como convívio familiar onde todos se escutam;

Para finalizar, é importante lembrar que na adolescência é característica normal que se procure voltar um pouco ao tempo de infância, procurando o carinho e a atenção de outras idades. E sublinhar que, embora se diga muitas vezes o contrário, os adolescentes sabem ouvir e gostam de o fazer.

Algum exemplo ou proposta, para ajudar na reflexão?

 

jovem.jpg

publicado por Maribel Maia às 10:22

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds
pesquisar
 
mais sobre mim
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO