Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

17
Jun 19

Como sabem, para escrever os meus Post’s semanais realizo muitas pesquisas, se a base de toda a minha escrita é a experiência, a minha necessidade de a fundamentar e refletir obriga-me a pesquisas e leituras constantes. Numa dessas pesquisas li sobre a Convenção dos Direitos das Crianças, a seguinte frase, que queria partilhar convosco, leitores:

 

«Lazer, atividades recreativas e culturais: A criança tem direito ao repouso, a tempos livres e a participar em atividades culturais e artísticas.» (Artigo 31)

 

Será que nestes países ditos desenvolvidos, não se estará a esquecer desta importância primordial: repouso e tempos livres? Se os adultos pouco usufruem destes tempos de lazer e de cultura, pouco também se transmite às crianças e jovens sobre tal importância… Não serão horas a mais na escola? Não serão horas a mais de estudo? Deverão as crianças e jovens estudar diariamente mais de oito horas? Que momentos têm as famílias para brincar, descansar e passear?

Aos que aceitarem o desafio de comentarem algo sobre este tema e estas minhas inquietações e assim partilharmos ideias.... agradeço!!!

867038ab65.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 09:48

14
Jun 19

24 (1).jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 09:48

10
Jun 19

Não querendo aprofundar, neste blogue, termos técnicos que poderão ser estranhos para alguns leitores, gostaria apenas de realizar mais uma referência, muito superficial, sobre conceitos como Neuroimagem e Neurociência, já que estes poderão facultar novos procedimentos e técnicas de ensino/aprendizagem evolutivos para a Educação contemporânea. Assim, de uma forma muito breve irei expor a minha visão sobre o assunto:

 

A neuroimagem define-se como sendo um conjunto de técnicas que permitem a obtenção de imagens do encéfalo de forma não-invasiva, tornando, assim, possível melhorar a compreensão da atividade cerebral, sob o ponto de vista biológico, psicológico e comportamental.

«A descoberta de novas técnicas de imagiologia cerebral são as grandes contribuições contemporâneas com a intenção em relacionar as áreas cerebrais às funções cognitivas e emocionais» (Ellen Ximendes, 2010). Assim, a neuroimagem apoia a neurociência num aprofundar de conhecimento sobre o cérebro e suas respostas.

Ao ‘olharmos’ para a forma como o cérebro funciona conseguiremos teorizar melhor e refletir sobre a forma como aprendemos, memorizamos e raciocinamos, sendo este um complemento excelente para a Educação, dentro e fora das salas de aula.

Sendo algo ainda recente, a Neurociência poderá contribuir para novas descobertas e novos caminhos educativos. Assim, se aliarmos os conhecimentos da neuroimagem, à neurociência, à psicologia e à educação teremos uma nova perspetiva interdisciplinar, a Neuroeducação…. Ou seja, um futuro para a Educação!

Neuroeducação-figura.jpg

(imagem retirada da Internet)

 

publicado por Maribel Maia às 11:09

03
Jun 19

Por vezes deparo-me com conversas de encarregados de educação que me deixam inquieta, quando me respondem que a criança não quis, não escolheu, ou optou por.. tendo sido elas a tomarem decisões com as quais a família não concorda, mas aceitou por ser decisão da criança… com isto não quero dizer que, as crianças não possam tomar decisões e fazer escolhas… isso é saudável e faz parte do desenvolvimento integral de qualquer ser humano.

 Contudo, em muitas e determinadas situações não me parece que se deva ceder às escolhas de quem é ainda pequeno e não tem capacidade de escolher o que é melhor para si mesmo… essa responsabilidade e decisão cabe inteiramente a quem educa, a quem protege e orienta.

Portanto, a minha inquietação de hoje é um pedido de reflexão… diga ‘_Não!’ sempre que necessário ou, ‘_Sou eu que decido!’… sem muitas explicações ou definições, quando é importante…

Ou corremos o risco de não educar da melhor forma possível!

Resultado de imagem para importância do não
(imagem retirada da internet)
 
publicado por Maribel Maia às 10:46

17
Mai 19

20.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 09:56

15
Mai 19

Quantas pessoas ouvimos, em conversa de café, que afirmam não se interessarem por política nem perceberem muito sobre o assunto. Contudo, em minha opinião, todos nós devemos estar conscientes e conhecer os conceitos Políticos atuais, nacionais e mundiais… é um direito e um dever, participar numa sociedade partilhada, que se rege por leis e normas assumidas em Assembleias ditas Democráticas. Neste sentido, todos nós devemos formar opiniões e construir ideologias Sociais e Políticas…

Apenas escrevo sobre este tema porque gostaria de ver os jovens, que aos 18 anos, já têm expressão política, através do voto (pelo menos) e que, nem sempre estão sensibilizados para refletir, analisar, observar, questionar, sobre assuntos políticos de forma interessada e consciente. Penso ser necessário que, para além dos jovens perceberem a História vivida ao longo da humanidade, haja conhecimento claro sobre a História atual, seja política, económica, social ou cultural num pleno sentimento de pertença e de individualidade de quem desta História faz parte… de quem, neste mundo, pode fazer diferente…

Portanto, se pouco é oferecido pelas escolas, neste sentido, cabe às famílias sensibilizarem e explicarem tais conceitos, oferecendo assim uma consciência política motivada e interessada, preparando o jovem para uma inclusão social plena…

 

Em casa pode:

  • Conversar sobre democracia, comunismo, ditaduras, extremismo e outros conceitos relacionados;
  • Explicar as diferenças políticas entre direita e esquerda;
  • Ler, com os jovens, os programas propostos pelos Partidos Políticos, sempre que surgem eleições;
  • Distinguir as diferentes formas de votações;
  • Apoiar nesta curiosidade pelo tema e realizarem pesquisas em conjunto;
  • Ler jornais ou analisar notícias, incutindo isto como prática diária;
  • Criar momentos de diálogo sobre notícias atuais do país e do mundo;
publicado por Maribel Maia às 11:24

08
Mai 19

Diálogo entre mim e um/a estudante de 2º ciclo:

«Eu: Namoras? Não sabia…

Estudante: Sim…

Eu: Há quanto tempo?

Estudante: Mais ou menos um mês…

Eu: Que idade têm?

Estudante: Dez e eu Onze…»

 

Existem os pais que estão constantemente a perguntar se ‘Tens namorado/a?’ E os que nunca fazem tal pergunta… pela minha convivência com crianças e jovens estudantes, posso afirmar que poucas foram as vezes que realizei essa pergunta, mas muitas foram as vezes que quiseram falar dessa resposta… quando assim é, converso sobre tal confidência, seguindo pelo ‘caminho’ que me apresentam, respeitando sempre a confiança que depositam em mim.

Nestas conversas e noutras confidências, percebo que estes estudantes procuram um adulto que, sobre estes assuntos, fale de forma séria e adaptada à sua idade, que respeite as suas experiências, sem julgar, mas que aconselhe com naturalidade.

Assim sendo, não me parece que deva existir uma idade certa para experimentar um relacionamento (amizade, namoro), parece-me apenas que estes relacionamentos devem adaptar-se à idade, para que, o desenvolvimento afetivo e emocional tenha o seu percurso natural, de acordo com a saudável consciência de cada criança ou jovem.

Neste percurso, o mais importante é que, cada estudante encontre um confidente em quem possa procurar apoio, orientações e conselhos, sem vergonhas nem preconceitos. E como refiro inúmeras vezes, o desenvolvimento emocional é de extrema importância no crescimento individual.

tumblr_mnomcb8d0e1srk0f9o1_500.jpg

(imagem retirada da inernet)

publicado por Maribel Maia às 10:34

06
Mai 19

Quantas vezes as crianças tomam atitudes que, à luz dos adultos, parecem demasiado infantis para a idade, desenquadradas, ou graves faltas de educação… quando são apenas próprios da idade e uma fase que passará em alguns meses?!

Nas minhas pesquisas, aqui pela internet, encontrei uma tabela muito interessante e que pode orientar as famílias em algumas destas dúvidas. Decidi, então, partilhá-la:

proprioidade.jpg

 Aqui fica o documento para baixarem e arquivarem, ou imprimirem:   proprioidade (1).jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 10:57

23
Abr 19

Quando a sociedade refere que na Educação deve trazer em si uma Igualdade de Oportunidades, não se assume apenas que, todas as crianças tenham acesso à escola pública.

Quando refletimos sobre Igualdade de Oportunidades devemos aceitar cada criança/estudante como um ser único, que necessita de cuidados específicos que lhe permita ter o mesmo nível se sucesso escolar, independentemente do seu contexto social e familiar, das suas limitações físicas/psicológicas, do seu desenvolvimento emocional e das capacidades financeiras do seu encarregado de educação.

Por esta razão, não chega permitir que todas as crianças possam ir à escola, é necessário também proporcionar-lhes meios para que este acesso ao ensino e à educação seja igual e que as barreiras e entraves existentes sejam minimizados diariamente, por uma escola que se quer Inclusiva.

Seguindo esta linha de reflexão que sempre me acompanha, já aqui apresentei  o conceito de Necessidades Educativas Especiais, este ano revisto e alterado e que, de forma legislativa, procura ser um apoio a estudantes que precisem de apoios especiais que lhes garantam o mesmo nível de aprendizagem, desenvolvimento e oportunidade.

Como nunca será demais lembrar este Tema tão primordial, mesmo em tempo de férias escolares, fica aqui uma pequena reflexão que distingue:

Igualdade de Acesso VS Igualdade de Oportunidades

Imagem relacionada

(imagem retirada da internet)

publicado por Maribel Maia às 10:53

17
Abr 19

Ficamos indignados sempre que ouvimos notícias de alguma criança que trabalhava ilegalmente numa qualquer empresa nacional ou internacional, mas todos os dias deparamo-nos com o trabalho infantil enquadrado em termos legais, na TV, nas revistas, no desporto, na música, na publicidade… valorizamos, sorrimos, aceitamos sem questionar… Ou estarei errada… e… já se questionou!?

 Permitiria que o seu filho trabalhasse e tivesse de conciliar isso com os estudos, sendo ele ainda uma criança? Considera de valor que uma criança experiencie momentos de tensão e ansiedade, nos concursos televisivos ou publicitários? Compreende que o trabalho é uma experiência de vida que ajuda no desenvolvimento, independentemente da idade? …

Os nossos avós e os nossos pais começaram a trabalhar, em média, após a conclusão da quarta classe, a maioria afastou-se dos bancos da escola, para ajudar no sustento da família, de si mesmos, ou seja, aos doze anos, já se responsabilizavam pelas rotinas profissionais e pelo salário obtido, não será isso de valorizar?

Atualmente, alguns educadores consideram de bastante importância para o desenvolvimento da responsabilização e da valorização financeira, o trabalho em part-time, em tempo de férias escolares, ou em algumas horas semanais, em pequenos trabalhos de empresas familiares.

Outros há que, incentivam crianças a fazerem parte dos ecrãs de televisão, seja em publicidade, atores, concursos, etc., onde a visibilidade é considerada de fama, os valores financeiros mais elevados e parece trazer um caminho para uma carreira profissional promissora…

Vários são os sentido de reflexão, certo é que, cada criança precisa de tempo para ser criança, para brincar, para estudar, para aprender, experimentar… ausente das ansiedades e dos stresses da vida adulta… essa sim, pode esperar!

Gostaria de receber opiniões, comentários, sobre o tema, para mim, tão complexo! Obrigada…  

Resultado de imagem para trabalho infantil(imagem retirada da internet)

publicado por Maribel Maia às 10:20

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar
 
mais sobre mim
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO