Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

28
Mai 18

Diálogo entre mim e um/a estudante de 1º ciclo:

«Eu: _ Isso é uma chávena de chá.

Estudante: _ Eu adoro chá… de manhã bebo quase sempre chá…»

 

Inicio este Post por assumir claramente que, irei escrever um pouco sobre a alimentação em crianças de idade escolar. Quero, contudo, sublinhar que, esta não é, de todo a minha área profissional, portanto, o que aqui escreverei terá como objetivo ser apenas um mote de reflexão para pais e educadores, sensibilizando para uma questão primordial na saúde de quem cresce.

Cada vez mais, questões como obesidade infantil, má alimentação e vida sedentária se tornam motivo de reflexão e dedicação de toda a comunidade escolar. Isto porque, uma alimentação saudável é determinante para um bom desenvolvimento físico e intelectual, além de promover a saúde e o bem-estar geral.

Como nos dizem os especialistas, «os hábitos alimentares aprendidos durante a infância determinam os comportamentos alimentares na idade adulta. Os pais, a família e os educadores em geral desempenham um papel muito importante na aprendizagem do “saber comer” porque, à semelhança do que acontece noutras áreas do saber, as crianças não estão dotadas de conhecimentos para escolher os alimentos em função do seu benefício e valor nutricional. As crianças apreendem os hábitos alimentares através da observação dos adultos, vivenciando a escolha, preparação e confeção dos alimentos.» (Guia Educadores Alimentação: 2013).

Concordo em pleno com estas afirmações, porque pela minha experiência, já vi crianças a comerem, ao lanche, bolos e batatas fritas e crianças a comerem cenouras e fruta, com o mesmo prazer e gosto.

Quando as crianças têm, por hábito, gastar dinheiro em guloseimas, constantemente, devem ser controladas com brevidade. As conversas e reflexões sobre este tema deve também ser uma constante, seja em casa, seja na escola.

Devo recordar que uma criança que não se sinta bem com o seu próprio corpo corre mais riscos de sofrer rejeição por parte dos colegas, tornando-se mais frágil.

Portanto, não considere estes assuntos menores, sempre que for necessário recorra a especialistas (nutricionistas, psicólogos) para melhor apoiar o estudante!

 

 

Para escrever sobre este tema socorri-me do Guia para Educadores de Alimentação  em Idade Escolar, e que deixo em anexo, para quem estiver interessado em ler mais sobre o assunto, de forma profissionalmente fundamentada.

 

crianca-comendo.jpg

(imagem retirada da internet)

publicado por Maribel Maia às 10:54

12
Abr 18

É, principalmente, nos primeiros anos de escola que as crianças se confrontam com vários sentimentos de frustração, tristeza, injustiça e muitas outras emoções negativas, as quais ela deve aprender a gerir e a lidar, de forma positiva e emocionalmente inteligente. Para tal é necessário que lhes sejam ensinadas estratégias que auxiliem esta aprendizagem.

Aqui ficam algumas sugestões que qualquer educador pode realizar com o(s) seu(s) educandos:

  • Explicar que as mudanças na vida são situações extremamente naturais e que podem ser muito boas;
  • Elaborar diálogos com perspetivas positivas sobre a vida onde a felicidade é presença inquestionável;
  • Nunca se esqueça que será sempre O exemplo, portanto mantenha sempre a alegria e o pensamento positivo;
  • Crie uma rede familiar e de amigos que proporcionam momentos de pleno conforto, apoio e confiança;
  • Quebre as rotinas com momentos de brincadeira, alegria e muitos sorrisos, desvalorizando algumas situações mais negativas;
  • Explique-lhe que os erros a os momentos menos bons ensinam-nos muitas coisas boas;
  • Implique-os na ajuda aos outros, para que eles percebam que mais tarde poderá ser o contrário;
  • Incuta objetivos e desafios valorizando, sempre, os bons resultados e sucessos conseguidos.

Por fim, nunca se esqueça que o desenvolvimento emocional é tão importante para a vida de crianças e adultos como a inteligência da razão…. A felicidade precisa de ambos os complementos! 

resiliente.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:44

09
Abr 18

Diálogo entre mim e um/a estudante de 1º ciclo:

«Estudante: _Porque é que ele está a chorar?

Eu: _ Porque é muito pequenino…

Estudante: Que idade é que ele tem?

Eu: _ Tem 5 anos.

Estudante: Ah… eu sei como é… eu já tive essa idade!»

 

Hoje trago para reflexão um conceito que pode enquadrar-se nem vasto mundo educativo – a resiliência. O termo surge na física e define como resiliente um material que tem a capacidade de resistir a impactos ou pressões sem alterar as suas características iniciais. Recentemente o conceito foi agarrado pelas ciências sociais e humanas, para caracterizar um ser humano que, após ter vivido momentos de stress ou pressão, consiga superar estas adversidades e aprender com estes momentos de vida.

Ao olharmos para a Resiliência como um conceito humano, podemos constatar que este pode surgir em qualquer momento da vida, seja na vida adulto como na infância, daí a importância da educação, ou seja, do ensinar/aprender a ser capaz de ultrapassar dificuldades e momentos difíceis mantendo sempre um pensamento positivo e um desejo de um futuro feliz. 

Este ensino/aprendizagem deve iniciar-se com crianças que, bem cedo, começam a confrontar-se com os mais variados desafios que a vida promove…

No próximo Post leia algumas sugestões para incentivar as crianças a serem Resilientes e a enfrentarem, de forma positiva, as variadas dificuldades da vida.

resiliencia1.jpg

publicado por Maribel Maia às 10:56

01
Fev 18

Algumas crianças nos primeiros anos de escola demonstram algumas situações específicas que poderão implicar, negativamente, no seu desenvolvimento pessoal e social. Para colmatar algumas dessas situações existem os especialistas Terapeutas da Fala, estes profissionais apoiam na prevenção, avaliação e intervenção de perturbações da comunicação e deglutição de crianças, jovens e/ou adultos, ou seja, na compreensão e expressão da oralidade e da escrita.

 

De forma concreta, a Terapia da Fala intervém:

  • Fala (articulação, fluência, voz e respiração);
  • Linguagem (linguagem oral, escrita, gráfica e gestual – semântica, morfologia, sintaxe, fonologia e pragmática);
  • Comunicação verbal e não-verbal;
  • Consciência fonológica (pré-literacia);
  • Deglutição e alimentação;
  • Motricidade;
  • Sensibilidade muscular.

 

A intervenção pode ser necessária em variados casos, contudo aqui ficam algumas patologias que apresentam, por vezes, necessidade deste apoio terapêutico:

  • Patologia vocal (nódulos, pólipos, edema de Reinke,…);
  • Síndromes (Down, Fetal alcoólico, Duchenne, Rett, Distrofia Miotónica Congénita, Prader-Willi, ...);
  • Doenças Neurológicas (Parkinson, Alzheimer, Wilson, Epilepsia, ...);
  • Patologia auditiva, neuromotora e mental;
  • Acidente Vascular Cerebral (AVC) e Traumatismo Crânio Encefálico (TCE);
  • Perturbações do Espectro Autista;
  • Hiperatividade e Défice de Atenção;

 

Estes profissionais trabalham em complemento com outros profissionais educativos e de saúde, de forma a que um trabalho coletivo apresente resultados positivos e desejados.

Se é educador e considera que o seu educando precisa do apoio destes profissionais contacte uma clinica que ofereça esta especialidade que lhe proporá uma rastreio avaliativo, retirando-lhes as suas dúvidas e anseios, numa orientação fundamentada.

terapia_fala_destaque-555x363.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:46

15
Jan 18

Em poucos anos a palavra tornou-se muito (re)conhecida, embora o seu conceito já existisse há longos anos, agora está a tornar-se mote de mais reflexão e sensibilização. A palavra Bullying significa agressões físicas ou verbais, realizadas de forma intencional e repetitiva, por um ou vários estudantes contra um ou vários colegas de escola.

Viver esta má experiência preocupa pais, educadores e estudantes, já que pode acarretar problemas físicos e/ou psicológicos difíceis de superar em qualquer criança ou jovem.

Devido às várias funções que desempenhei na área da Educação, contactei com estudantes e encarregados de educação em grande aflição e ansiedade por estarem a viver uma situação destas. Não quero, de forma alguma referir nenhum destes casos concretos, quero apenas alertar para esta realidade atual, deixando, por aqui, mais algumas informações e orientações sobre o tema. 

 

Quando os encarregados de educação são confrontados com uma suspeita de Bullying deve atentar às seguintes situações:

 

  • Não desvalorize os acontecimentos e sentimentos do estudante;
  • Incentive-o a contar toda a vivência, sem medo nem vergonha;
  • Reforce a autoestima e explique-lhe que não tem culpa do que sucedeu;
  • Aconselhe-se com um psicólogo para possível acompanhamento do estudante, se necessário;
  • Desenvolva, com o estudante, atividades e conversas que lhe aumente a segurança, a confiança e a autoestima.

 

Se a situação exigir uma atitude mais direta e ativa, pode recorrer aos seguintes agentes educativos, de forma a que o ajudem a resolver esta situação:

 

- Diretor de turma, e/ou diretor da escola;

- Auxiliares de ação educativa;

- PSP: Escola Segura;

- Psicólogo;

- Família do agressor;

- Outros encarregados de educação.

 

Esta situação não deve ser escondida, pois possibilita ao agressor mais confiança nas suas atitudes e é isso que também deve incutir no estudante. Para além disso, deve informar todos os educadores que contatam com o estudante, vítima de Bullying, para que estes estejam atentos e auxiliem numa evolução positiva.

Muitas vezes as vitimas de Bulling escondem, de todos, o que está a acontecer, portanto, no Post seguinte irei referir algumas situações em que deve estar atento.

bullying-1-728.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:30

20
Nov 17

A maioria das pessoas reconhece esta comissão (CPCJ) e compreende as suas funções, pelo menos em teoria percebe a sua importância. Eu, enquanto estagiária da licenciatura, acompanhei  uma destas Comissões Portuguesas e valorizo a sua intervenção junto de crianças e jovens.

Por estas e outras razões, hoje decidi lembrar a importância destas Comissões e explicar, de forma muito breve e simples, quais os objetivos e funções desta entidade. Isto porque, nunca é demais perceber que existe uma entidade específica que tem como missão proteger crianças e jovens. Assim sendo:

 

  • O que é a CPCJ?

A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens em risco existe desde há muitos anos que está legalmente definida no nosso país, contudo, a partir de janeiro de 2001 surge um novo modelo que torna a comunidade parceira do Estado através das Comissões de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) são, portanto, instituições oficiais não judiciárias com autonomia funcional que visam promover os direitos da criança e do jovem e prevenir ou colocar termo a situações suscetíveis de afetar a sua segurança, saúde, formação, educação ou desenvolvimento integral destas crianças/jovens.

  

  • Como intervém?

A CPCJ intervém sempre com o objetivo de assegurar o interesse superior da criança/jovem, de forma a que lhes sejam garantidos os seus direitos fundamentais. Esta intervenção tem por base a privacidade e o respeito por cada uma destas crianças ou jovens.

 

  • Quem a constitui?

Sempre que o número de habitantes se justifique, no Município podem ser criadas mais do que uma Comissão, podendo ser uma restrita e uma alargada. Nestas Comissões integram-se pessoas das mais variadas áreas de conhecimento e de intervenção, que agem concertadamente, de acordo com os casos concretos.

 

  • Que medidas pode tomar?

Após uma análise e avaliação de cada caso concreto, a CPCJ poderá tomar algumas medidas de promoção e proteção que, embora centradas na criança/jovem, abrangem outras pessoas ou entidades. As medidas poderão passar por:

Apoio junto dos pais;

Apoio junto de outro familiar;

Confiança a pessoa idónea;

Apoio para a autonomia de vida;

Acolhimento familiar;

Acolhimento em instituição;

 

  • Como se pode contactar?

Sempre que um cidadão reconhece que uma criança ou jovem se encontra em situação de risco pode comunicá-lo à CPCJ do Município desta criança/jovem. Para adquirir esses contactos basta recorrer ao seguinte site:  http://www.cnpcjr.pt/, selecionar o distrito e o concelho que pretende e surgirá essa informação.

 

  • O que é uma criança/jovem em risco?

Sempre que uma criança ou jovem viva numa situação que represente um perigo para a sua segurança, saúde, formação, educação ou desenvolvimento, apresenta uma situação de risco que deve ser analisada e avaliada pelas autoridades competentes. Designadamente nas seguintes situações:

_ Abandono;

_Maus tratos;

_Ausência de cuidados adequados;

_Trabalho ilegal ou atividades prejudiciais;

_Inexistência de segurança física ou emocional;

_ Privação do Ensino escolar.

 

cpcj-nacional.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:08

03
Nov 17

Ser sobredotado significa ter características específicas, contudo, algumas atitudes ou situações podem ser identificadas como alertas para pais e educadores, para assim solicitarem um posterior diagnóstico. Neste sentido, aqui ficam algumas características que poderão ajudar como um alerta primário:

  1. Dorme pouco;
  2.  Precoce na fala
  3. Aprende a ler rapidamente;
  4. Utiliza vocabulário muito elevado para a sua faixa etária;
  5. Aprende o alfabeto e o contar pelos 2 anos;
  6. Realiza perguntas muito exploratórias e coerentes;
  7. Muita criatividade;
  8. Apresenta grande sensibilidade para com os outros;
  9. Questiona sobre moral e justiça;
  10. Extremamente observador;
  11. Espírito crítico elevado;
  12. Elevada capacidade de atenção e concentração;
  13. Vontade de se relacionar com crianças de maior idade;
  14. Baixa auto-estima;
  15. Pouco motivação durante as aulas;
  16. Interesse pela construção de objetos;
  17. Sentem-se por vezes incompreendidos;

sobredotado_neuropsicologica.jpg

c

publicado por Maribel Maia às 09:32

01
Nov 17

Como já referi no Post anterior, um estudante Sobredotado deve ser interpretado com alguém com características específicas, diferenciadas e que carece de um apoio escolar diferenciado e assumido na Lei. Desta forma, se surgirem razões para tal, o diagnóstico deve ser solicitado e efetuado, sinalizando-se e definindo-se a orientação necessária, junto de pais e educadores, para a progressão correta da Educação/Aprendizagem.

O diagnóstico deve ser realizado inicialmente por um profissional da área da Psicologia, através da realização de vários testes, dependendo das especificidades, o diagnóstico pode ser continuado através de uma equipa multidisciplinar, composta por um docente especializado, um psicólogo e um técnico de uma área específica de talento.

Contudo, educadores/pais/professores que precisem de um apoio e/ou orientação mais concreta, podem recorrer à Associação Portuguesa das Crianças Sobredotadas(APCS) http://www.apcs.co.pt/.

A importância do real diagnóstico prende-se com o facto de que, por vezes, estes estudantes são olhados como hiperativos, ou com outras perturbações que o condicionam e podem afetar ações direcionadas.

ninos-superdotados.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 09:36

27
Out 17

 

 

estrelas_2017.jpg

estrelas_2017 (1).jpg

 

 

 

incentivos-para-cadernos-minions.png

 

incentivos-para-cadernos-minions (1).png

 

 

Meus Incentivos2018bP.jpg

 

 

Meus Incentivos2018bP (1).jpg

 

publicado por Maribel Maia às 09:36

25
Out 17

E porque as crianças se esforçam para melhorar, para aprender e para obterem bons resultados, hoje deixo-vos vários incentivos, para um miminho simples, mas muito especial... Basta imprimir, colar nos cadernos, nos livros, deixarem num lugar especial...sempre que eles merecerem aquele carinho e aquela motivação extra!

 

Experimentem! Eles vão adorar!!!

 

Meus Incentivos2018b.jpg

MeusIncentivos_2018.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:03

Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
17
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
Instagram
@educarcomvida
blogs SAPO