Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Educar (Com)Vida

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Quando o professor faz perguntas!

Todos sabemos que a participação nas aulas é fundamental, demonstra atenção na matéria lecionada e interesse, até mesmo tirar dúvidas durante a aula é importante e demonstra que o aluno está, de facto, preocupado em tentar entender e aprender.

Mas, para os alunos mais tímidos, participar e colocar questões perante toda a turma é muito constrangedor e raramente o fazem, mesmo sabendo que o silêncio pode ser mais prejudicial do que benéfico.

O mesmo acontece quando são os professores a interpelarem o aluno, de forma individual. A maioria dos alunos pensa que, ao colocar questões ou propor ir resolver exercícios ao quadro é forma de exposição negativa pois, ao falharem, demonstram as suas fraquezas perante todos os colegas. No entanto, estas são entendidas como estratégias positivas para os professores, pois podem perceber se realmente a aprendizagem está a acontecer e se está a ser contínua. E, também, ao orientarem o aluno na realização de exercícios  torna-se mais fácil esclarecer dúvidas e apoiar na concretização de um novo saber fazer.

É, por isso, importante que converse com o seu estudante sobre este tema, esclarecendo que, o professor sempre que interpela um aluno está a tentar ajudar e a procurar uma avaliação positiva, não está com interesse em envergonhar ou em denegrir a imagem perante os colegas. Por esta razão é que alguns professores direcionam as suas questões para aqueles que apresentam mais dificuldades, até porque, sempre que o aluno está no quadro a resolver algo com o professor memoriza melhor cada passo e cada explicação. Retirem estes receios aos estudantes, certamente sentir-se-ão mais confortáveis em sala de aula!

sumário.jpg

 

“_Ele não me empresta os lápis de cor”

RELAÇÃO ENTRE PARES

 

Em paralelo com a escola, as crianças e jovens, deparam-se com outro grande momento de desenvolvimentos social e cognitivo, a construção da relação com o Outro. Aqui torna-se fundamental atribuir grande importância ao relacionamento entre os Grupo de Pares, considero este Grupo como crianças que partilham o mesmo espaço, brincam e aprendem juntas, de idades bastante próximas, entre dois ou três anos, no máximo, de diferença.

O estimulo e promoção destes momentos deve ser promovida por todos os educadores, pois este contato desenvolve, nos estudantes, novas capacidades sociais e emocionais, cultiva a auto estima, a afirmação pessoal e promove novas capacidades de resolver problemas, sendo que, relações, entre pares, problemáticas podem desencadear algumas formas de fracasso escolar, como por exemplo, a rejeição ou conflito podem ser inibidores na participação e empenho em contexto sala de aula, ou dificultar trabalhos em grupo.

Estes níveis de interação iniciam-se desde muito cedo nas crianças e desenvolvem-se continuamente até à idade adulta. Assim sendo podem-se estabelecer níveis de desenvolvimento relacional e as diferentes idades:

 

Até aos 4 anos, a maioria das crianças é capaz de ter um melhor amigo e de conhecer os parceiros de quem gosta ou de quem não gosta. No entanto, entre 5% e 10% das crianças experimentam, nesta altura, dificuldades na convivência entre pares, tais como rejeição ou hostilidade. No sentido de melhorar este convívio, o educador deve proporcionar e apoiar momentos de jogos, brincadeiras e partilhas.

 

Entre os 7 e os 11 anos, definido por Piaget, como a ‘Idade da Razão’, chega o momento em que a criança entra para o 1º Ciclo e facilmente consegue estabelecer um conceito de cooperação com os outros e aumenta a capacidade de se colocar no lugar do outro. Surge nesta idade conflitos na partilha de pertences e a culpabilização do outro. Procurando-se aumentar estímulos positivos, devem-se proporcionar às crianças a participação em diferentes grupos de pertença extra escolares e permitir brincadeiras com uma menor supervisão de adultos.

 

Entre os 11 e os 16 anos, a criança começa o caminho da adolescência e desenvolve a consciência clara de que pessoas diferentes têm pensamentos diferentes sobre a mesma ideia ou situação, muitas vezes designada pela ‘idade do armário’ surgem conflitos nos relacionamentos, seja entre pares ou entre gerações. Comportamentos, por vezes, justificados pela necessidade de afirmação ou pedidos de atenção. Neste momento deve-se maturar melhor conceitos de: igualdade, solidariedade, tolerância, justiça e multiculturalismo e, principalmente, sublinhar o conceito de educador como autoridade e segurança.

 

tumblr_lgw2hhofp11qenw7jo1_500 (1).jpg

 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Vencedor:

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
Blogs Portugal