Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Educar (Com)Vida

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Exames Nacionais: como e quando?

Parte I

Relativamente a estes exames, em momentos de pandemia, como este ano letivo, os exames têm sofrido algumas alterações:

_ Exames nacionais de 9º ano: serão realizados a Português e Matemática, muito embora sejam entendidos como Provas de Aferição, não contarão para a nota final, mas os alunos irão receber uma cotação/avaliação.

_ Exames nacionais de ensino secundário: não são obrigatórios, os alunos apenas escolhem e inscrevem-se àqueles que pretendem, para apoiar a entrada no ensino superior, de acordo com a área de interesse e os requisitos de cada faculdade.

No entanto, de forma geral, sem estas exceções devido à pandemia, os exames acontecem desta forma:

_ Exames nacionais de 9º ano: devem fazer exame às disciplinas de Português e de Matemática, sendo que estes exames influenciam o valor da nota final a estas disciplinas.

_ Exames nacionais de ensino secundário: No 11º ano devem fazer-se dois exames que podem ser escolhidos, de acordo com a área a frequentar e, de acordo com os requisitos de entrada para o ensino superior. No 12º ano, da mesma forma serão concretizados mais dois exames, que também podem ser selecionados pelo aluno, de entre um pequeno leque de opções, com os mesmos objetivos.

Notas a acrescentar:

Estes exames contemplam matérias de dois ou três anos consecutivos. No 9ºano a matéria a estudar deverá ser de todo o 3º ciclo, (7º, 8º e 9º). No 11º ano a matéria a estudar contempla o 10º e 11º anos. Aquando do 12º ano, volta a contemplar os três anos de estudo, 10º, 11º e 12º ano.

Esta situação que exige muita atenção, estudo e empenho, para que os bons resultados aparecem e não influenciem, negativamente, os resultados destes anos letivos de estudo, já que estes exames, em anos ditos ‘normais’, têm um ‘grande peso’ nas avaliações finais, através dos cálculos de médias. 

exames nacionais.jpg

 

A idade em que as ‘notas’ baixam: 7º e 8º ano

Claro que são anos com mais exigência na aprendizagem, nas matérias, com disciplinas mais complexas… Mas sabemos que não é apenas isso… Os interesses começam a mudar, as amizades são mais importantes, os namoros iniciam-se, o interesse pelas redes sociais espoleta de forma radical… e a motivação para o estudo desde consideravelmente…

Se antes, estudar uns dias antes do teste trazia bons resultados, agora, com o início do 3º ciclo, já não é assim tão linear! É necessário mais organização no estudo, deve estudar-se diariamente, fazer-se resumos, rever matérias  e resolver exercícios de forma mais contínua, utilizar parte do fim de semana para organizar trabalhos e estudar.

Tudo isto parece fácil, mas com as mudanças físicas e psicológicas a acontecerem, com a entrada na adolescência e a complexidade que traz a cada adolescente, faz com que tudo se torne mais difícil… desmotivante para o estudo… motivante para a interação social.

Às famílias cabe o papel regulador destas situações, uma atenção cuidada e diferente, motivando e esclarecendo a importância do estudo e da escola, nunca desvalorizando as novas experiências pessoais e sociais diárias… porque nestas idade, «de manhã foi o melhor dia da minha vida e, de tarde o pior dia da minha vida….» .  

ciclos (2).jpg

 

O que estudar nas férias?

Por anos letivos...

Reconheço que os alunos não têm vontade nenhuma de estudar em tempo de férias! Contudo, recordo que o tempo livre é imenso, nas férias de verão e, não serão duas ou três horas, por semana, que irão destruir todo um plano de descanso!!!

Se gostariam de receber orientações, mais concretas, do que se pode estudar nestas férias, basta analisar a tabela seguinte:

estudar_férias.jpg

 

 

Maio:

a última oportunidade de estudo!

Estamos em pleno 3º Período, quem obteve bons resultados escolares até aqui, provavelmente garantiu uma boa aprendizagem e uma boa avaliação para este ano letivo.

Para quem andou todo o ano letivo com dificuldades de aprendizagem, preguiça e baixas avaliações já pouco poderá fazer para melhorar resultados.

No entanto, nada de ‘deitar a toalha ao chão’, os esforços são normalmente reconhecidos pelos professores e a dedicação ao estudo deve ser uma caminho sem retorno!

Por isso bom estudo… porque vão começar as últimas e derradeiras avaliações!

maio.jpg

 

Este ano tenho Exames Nacionais, quando começo a estudar?

Existem anos contemplados com a realização de dois ou mais Exames Nacionais, no 9º ano e depois no secundário. Os exames nacionais são uma realidade e um grande desafio porque influenciam avaliações e determinam entradas no ensino superior.

Por esta razão o estudo deve iniciar-se com antecedência e, de acordo com as características, e necessidades de cada estudante.

Se o estudante tem, por hábito, receber boas avaliações da disciplina, ao longo do ano, certamente que começar o estudo no início do 3º Período será suficiente para manter os bons resultados. Torna-se imprescindível rever toda a matéria, retirar dúvidas e realizar exercícios de exames anteriores como forma de análise de conhecimentos.

Se o estudante não obtêm bons resultados à disciplinas e/ou apresenta muitas dúvidas sobre grande parte da matéria, então o melhor, será iniciar um estudo já no 2º Período. Relembro que, em vários casos, optar por um apoio escolar extra pode ajudar na melhoria de resultados, principalmente nestas situações, ou em situações em que o estudante já não tenha contacto com a disciplina há algum tempo.

Para os estudantes que necessitam de resultados de excelência, com avaliações próximas dos valores máximos, o estudo também deve ser bastante aprofundado, deve iniciar-se logo no início da aprendizagem da disciplina e um apoio extra escolar também poderá ser uma mais valia.

Recordo que, embora as aulas sejam interrompidas primeiro, para os alunos candidatos a exames nacionais, não será essa(s) semana o suficiente para memorizar e recordar matérias escolares de um ou mais anos letivos, com o sucesso pretendido.

exames nacionais.jpg

 

Janeiro:

um ‘saltinho’ à escola!

O ano civil é novo, mas o ano escolar já começou há muito, por isso chega o momento de deixar o quentinho da lareira, para dar lugar às cadeiras da escola. Por esta altura já a família sabe os resultados escolares de quem estuda, assim, devem todos refletir, em conjunto, se são os valores desejados, se o empenho no estudo é o necessário e se os métodos de estudo estão a funcionar como desejado.

Para ajudar nesta reflexão e na tomada de decisão devem sempre reunir com o/a Diretor de Turma do/a aluno, no sentido de escutarem o feedback sobre o percurso escolar e ajustarem decisões. Agora é proibido adiar decisões!

 

janeiro.jpg

 

 

Não satisfaz – motivo de alarme?

Existem estudantes que, ao apresentarem uma avaliação de Satisfaz (50%) torna-se motivo de preocupação, já que as avaliações são sempre bem mais elevadas; outros estudantes deixam a família preocupada quando apresentam uma avaliação de Não Satisfaz (<50%).

Seja qual for a situação, a família deve sempre conversar com o estudante, ver a ficha de avaliação e procurar entender a justificação para tal ter acontecido. Para além disso, deve estar atenta, porque se estes resultados se mantiverem, se surgirem mais avaliações negativas é porque algo deve ser corrigido e melhorado.

Para alterar esta situação, algumas atitudes podem ser necessárias:

  • Mudar métodos de estudo;
  • Aumentar o tempo de estudo;
  • Adquirir livros/fichas de apoio ao estudo;
  • Recorrer a explicações à disciplina;

É necessário refletir sobre esta situação, sem permitir a continuidade destas avaliações baixas, porque as matérias têm um fio condutor que apoiam a compreensão, ao longo de todo o ano letivo, e quanto mais tempo decorrer sem entender grande parte da disciplina, maior será o tempo necessário e o empenho despendido para uma recuperação sólida!

suficiente.jpg

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Vencedor:

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Blogs Portugal