Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

14
Jun 18

Segundo Piaget, as crianças apresentam um desenvolvimento cognitivo contínuo, de acordo com cada idade. Assim sendo, de segundo o autor, podemos perceber melhor atitudes e comportamentos de cada criança, de acordo com a etapa do desenvolvimento em que se encontra.

Ao delimitar etapas de crescimento e desenvolvimento por fases, poderá ajudar-se os educadores a apoiarem o desenvolvimento de cada criança de forma mais individualizada, podendo adaptar estratégias que melhorem as capacidades apresentadas em cada fase.

Mas, é necessário lembrar que, existem algumas nuances no que concerne às etapas pré-estabelecidas, até porque nem todos os autores concordam plenamente com Piaget e nem todas as crianças se desenvolvem de forma tão linear. No entanto, deixo-vos aqui a tabela das etapas para analisarem, poderá ser algum apoio em determinado momento, seja em delinear tarefas e atividades, sensibilizar para situações, alertas para possíveis problemas de desenvolvimento.…

Piaget_ Fases do desenvolvimento cognitivo (2).jpg

(imagem retirada da internet)

publicado por Maribel Maia às 09:27

11
Jun 18

Hoje em dia muito se conversa e reflete sobre ter acesso a boas escolas e bons professores, assumindo-se isso como pilar para uma boa educação formal. Todos nós, através das nossas experiências práticas enquanto estudantes que somos ou fomos, identificamos aspetos que muito apoiaram a nossa aprendizagens e nomeamos situações que deveriam ser melhoradas e ajustadas.

Este meu Post, hoje, chega como um desafio a cada leitor, gostaria que me respondessem à pergunta: o que consideram ser um bom professor/a?

Todos nós temos a recordação do(s) professor(es) que mais marcou o nosso percurso escolar, que nos fez apaixonar por uma disciplina, que nos orientou no momento mais importante, que nos olhou, carinhosamente, como pessoa, que nos motivou e nos incentivou….

Ler as vossas opiniões refletidas, será, para mim, refletir e aprender… reconhecer e melhorar a minha prática, portanto, desde já  meu obrigada pela partilha!

 

paulo freire facebook.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 12:48

12
Abr 18

É, principalmente, nos primeiros anos de escola que as crianças se confrontam com vários sentimentos de frustração, tristeza, injustiça e muitas outras emoções negativas, as quais ela deve aprender a gerir e a lidar, de forma positiva e emocionalmente inteligente. Para tal é necessário que lhes sejam ensinadas estratégias que auxiliem esta aprendizagem.

Aqui ficam algumas sugestões que qualquer educador pode realizar com o(s) seu(s) educandos:

  • Explicar que as mudanças na vida são situações extremamente naturais e que podem ser muito boas;
  • Elaborar diálogos com perspetivas positivas sobre a vida onde a felicidade é presença inquestionável;
  • Nunca se esqueça que será sempre O exemplo, portanto mantenha sempre a alegria e o pensamento positivo;
  • Crie uma rede familiar e de amigos que proporcionam momentos de pleno conforto, apoio e confiança;
  • Quebre as rotinas com momentos de brincadeira, alegria e muitos sorrisos, desvalorizando algumas situações mais negativas;
  • Explique-lhe que os erros a os momentos menos bons ensinam-nos muitas coisas boas;
  • Implique-os na ajuda aos outros, para que eles percebam que mais tarde poderá ser o contrário;
  • Incuta objetivos e desafios valorizando, sempre, os bons resultados e sucessos conseguidos.

Por fim, nunca se esqueça que o desenvolvimento emocional é tão importante para a vida de crianças e adultos como a inteligência da razão…. A felicidade precisa de ambos os complementos! 

resiliente.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:44

09
Abr 18

Diálogo entre mim e um/a estudante de 1º ciclo:

«Estudante: _Porque é que ele está a chorar?

Eu: _ Porque é muito pequenino…

Estudante: Que idade é que ele tem?

Eu: _ Tem 5 anos.

Estudante: Ah… eu sei como é… eu já tive essa idade!»

 

Hoje trago para reflexão um conceito que pode enquadrar-se nem vasto mundo educativo – a resiliência. O termo surge na física e define como resiliente um material que tem a capacidade de resistir a impactos ou pressões sem alterar as suas características iniciais. Recentemente o conceito foi agarrado pelas ciências sociais e humanas, para caracterizar um ser humano que, após ter vivido momentos de stress ou pressão, consiga superar estas adversidades e aprender com estes momentos de vida.

Ao olharmos para a Resiliência como um conceito humano, podemos constatar que este pode surgir em qualquer momento da vida, seja na vida adulto como na infância, daí a importância da educação, ou seja, do ensinar/aprender a ser capaz de ultrapassar dificuldades e momentos difíceis mantendo sempre um pensamento positivo e um desejo de um futuro feliz. 

Este ensino/aprendizagem deve iniciar-se com crianças que, bem cedo, começam a confrontar-se com os mais variados desafios que a vida promove…

No próximo Post leia algumas sugestões para incentivar as crianças a serem Resilientes e a enfrentarem, de forma positiva, as variadas dificuldades da vida.

resiliencia1.jpg

publicado por Maribel Maia às 10:56

06
Abr 18

Cada vez mais, os adultos são confrontados com a necessidade de seguirem o caminho da formação contínua, seja por desejo de saber mais, seja também, pelas exigências profissionais. Por esta razão, jovens e adultos frequentam de quando em vez, uma pequena formação, de algumas horas por dia, em determinada área específica.

Para estudar para uma formação, assim, bastante limitada no tempo e nos conteúdos, aqui ficam algumas sugestões, que poderão orientar para o estudo.

  • No final do dia da formação ou logo no dia seguinte, guarde uma hora para rever o que aprendeu, tentando memorizar e resumindo a informação mais relevante. Repita o procedimento em todos os dias da formação;
  • Em momento de formação, coloque sempre as dúvidas e esclareça reflexões, de forma a conseguir evoluir, no conhecimento, ao ritmo de ensino estipulado;
  • Em momento de formação, realize o máximo de apontamentos que conseguir, de forma a poder relembrar mais tarde;
  • Em casa, procure mais algumas informações sobre o tema, que lhe despertem mais interesse e curiosidade, utilize literatura e internet como fontes de pesquisa;
  • A grande maioria destas formações apresenta uma, ou mais, formas de avaliação. Se esta for um teste, alguns dias antes prepare-se, recorrendo aos resumos e apontamentos realizados de forma a memorizar e adquirir toda a informação.

Mesmo para aqueles que se sentem mais inseguros, porque já abandonaram os bancos de escola há vários anos, não se esqueçam que aprender é um processo contínuo, do qual todos somos capazes, em qualquer momento da vida….

Estudar exige apenas concentração, gosto e dedicação…

adultos_estudo.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:04

30
Nov 17

Quando refletimos sobre as infinitas características e possibilidades cerebrais, apercebemo-nos do quanto a aprendizagem se torna um método complexo e diferente de pessoa para pessoa.

Atualmente, uma nova disciplina chamada Neuroeducação, procura na neurociência apoio para fundamentar e adaptar novas formas de ensino/aprendizagem dentro e fora das salas de aula.

A neuroeducação tenta usar os novos conhecimentos sobre aprendizagem, memória, linguagem e outras áreas da neurociência cognitiva para produzir  as melhores estratégias de ensino e aprendizagem. Cada vez mais, reconhecer o que é necessário  para que os estudantes aprendem e memorizam as informações ensinadas é um grande desafio e motivação para os Educadores.

Para além disso, o cérebro não se desenvolve em cada ser humano, no mesmo momento de vida, logo, algumas crianças apresentam capacidades diferentes ao longo do seu percurso escolar, situação que toda a comunidade educativa também deve ter em linha de conta.

Assim sendo, todos nós apresentamos capacidades e competências diferentes, que devem ser desenvolvidas e estimuladas como sendo dons especiais, que nos tornam pessoas únicas e especiais.

neuroeducação (1).jpg

 

publicado por Maribel Maia às 14:11

27
Nov 17

A neurociência é algo que me desperta necessidade de continuar a aprender e a conhecer… pois, não nos podemos esquecer o quanto o cérebro é imprescindível no processo de aprendizagem.

O cérebro é capaz de processar as informações recebidas, analisá-las com base  nas experiências de uma vida inteira e avalia-las, apresentando respostas em apenas alguns segundos.

Para o autor Buzan as principais funções do cérebro são:

 

Receção: O cérebro recebe a informação através dos sentidos.

Armazenamento: O cérebro armazena a informação de forma a conseguir ter-lhe acesso, mais tarde.

Análise: O cérebro reconhece padrões e organiza informações de modo a que façam sentido através de interligações.

Saída: O cérebro acede às informações e transmite-as de diferentes formas: pensamento, escrita, oral, desenho, movimento, etc.

 

Para auxiliar todas estas funções, as conexões criadas entre as várias partes do cérebro facilitam o processo.

A existência dos dois hemisférios e as suas interligações são também peça chave na compreensão de como a capacidade cerebral funciona.

O hemisfério esquerdo é caracterizado por ter áreas responsáveis pelo raciocínio lógico, como a fala, a matemática, etc. Alguns autores intitulam-no de “cérebro académico”.

O hemisfério direito possui áreas responsáveis pelo gosto e pela emoção, como por exemplo capacidade musical, arte, dança, criatividade, etc. Alguns autores intitulam-no de “cérebro artístico”.

Assim sendo, quanto maior forem as ligações entre os dois hemisférios, maior capacidade existe em raciocinar rapidamente e mais facilmente acontece a memorização.

 

(continua no próximo Post...)

 

mercedes-benz-left-brain-right-brain-paint1.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:16

09
Out 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de ensino básico:

«_ Estudante: Eu até ao 4º ano não precisava de estudar, ouvia as aulas e pronto, já sabia tudo…

_Eu: Pois, mas com o passar dos anos isso tem de ir mudando!

_Estudante: É, agora já não chega, é preciso estudar para os testes, mesmo…»

 

Certo é que, com turmas de, aproximadamente, trinta alunos, deverá ser mais difícil organizar uma aula que ofereça a atenção e concentração suficientes para que, cada estudante esteja continuamente atento à matéria lecionada, compreendendo tudo o que, ali, foi explicado.

Contudo, assumo que, manter uma elevada atenção nas aulas é passo enorme para o sucesso escolar, seja no primeiro ciclo, como em qualquer nível de ensino.

Estar atento às aulas é facilitar vários aspetos de aprendizagem:

  1. Constroem-se bases de estudo para dar continuidade com estudo autónomo;
  2. Reconhecesse o fio condutor da matéria;
  3. Memorizam-se os exemplos facultados pelo professor;
  4. Ouvem-se as dúvidas próprias e dos colegas;
  5. Confrontam-se ideias e reflexões…

 

Neste sentido, torna-se necessário assumir que o esforço de concentração e empenho na sala de aula irá compensar nos resultados escolares, quer nas fichas de avaliação como também na avaliação contínua realizada pelo professor.

dicasprofissionais.png

 

publicado por Maribel Maia às 10:17

17
Jul 17

 Já por cá debatemos a questão das férias de verão serem mais alargadas do que as da família e, se alguns pais têm o apoio dos avós, outros têm de recorrer a instituições para melhorar a qualidade das férias dos estudantes. Para esses, aqui ficam algumas propostas que podem optar, de acordo com objetivos pessoais e financeiros:

  • Campo de férias e ATL (atividades de tempos livres) organizam sempre dias temáticos de diversão e de aprendizagem;
  • Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia também oferecem visitas, workshops e atividades variadas;
  • Os museus e jardins zoológicos da região também apresentam variadas ofertas e propostas;
  • Os shoppings, para além dos recintos dedicados aos pequenos, em tempo de férias aumentam e variam as ofertas de diversão;
  • Os clubes desportivos também apresentam momentos de diversão associados ao desporto e ao ar livre;

O importante é procurar na sua zona residencial, tornando o acesso mais facilitado e fazendo as escolhas de acordo com os gostos da família… no final da experiência ficam sempre as melhores recordações e boas aprendizagens…

feriasESCol.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 15:04

22
Jun 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de 2º ciclo:


«Estudante: _Fiz anos a semana passada…
Eu: _Parabéns! Então, muitas prendas? Muito bolo????
Estudante: _ Sim… mas não foi bem a festa que eu queria….
Eu: _Porquê?
Estudante: _Gostava mais de ter festejado com os meus amigos… poder convida-los…humm.. e não foi assim!...»

 

As Festas de Aniversário, para a maioria das pessoas, tornam-se cada vez menos importante… vê-mos os anos a passarem e com isso vai-se alguma juventude e qualidade de vida. Mas, quando eramos crianças, o Dia de Aniversário era muito ansiado, desejado e sonhado, como se, naquele dia a magia pudesse acontecer.
E relembro tudo isto porque, dos primeiros momentos sociais que as crianças vivem e experienciam são, as festinhas de aniversário dos colegas de turma, ou de outros ambientes, onde são convidados, nestes momentos vivem intensamente esta aprendizagem:


• Apoiam os pais na compra da prenda;
• Responsabilizam-se por procurar saber a hora e o local;
• Refletem sobre o seu comportamento num ambiente diferente;
• Ensaiam o convívio social parecido com o dos adultos;
• Quando é a sua Festa, envolvem-se ao máximo na preparação da mesma.


Por estas e muitas outras razões proponho que, os encarregados de educação não se esqueçam o quanto é educacionalmente importante estas vivências de convívio, alegria e brincadeira.

images (2).jpg

 

publicado por Maribel Maia às 14:54

Junho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
Instagram
blogs SAPO