Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Educar (Com)Vida

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Como se escolhem brinquedos?

Por cá, já referi que brincar é algo de muito sério para as crianças e se é muito importante escolher as brincadeiras e os colegas para as brincadeiras, é também importante escolher os brinquedos certos, de acordo com a idade e com as características da criança e, claro, do brinquedo, de forma a que não haja uma desmotivação rápida.

Inicialmente, quando está a adquirir um brinquedo, deve ter sempre presente o seguinte:

  • Respeite a legislação em vigor, escolhendo apenas brinquedos com o símbolo CE;
  • Escolha brinquedos não tóxicos ou inflamáveis;
  • Respeite a idade a que se destina o brinquedo;
  • Leia as informações sobre o brinquedo, sobre os cuidados a ter e as suas instruções;
  • Repare nas tintas de plástico do brinquedo, nunca à base de chumbo;
  • Se o brinquedo contiver peças pequenas ou pontiagudas não o ofereça a uma criança com menos de 3 anos;
  • Adeque o brinquedo ao desenvolvimento da criança, tentando prever se ela consegue ou não utilizá-lo de forma correta;
  • Tenha em atenção aos brinquedos com fios ou cordas;
  • Evite brinquedos com vidros até aos 5 anos;
  • Evite brinquedos com pelo até aos 3 anos;
  • Procure escolher brinquedos desafiantes;
  • ...

brincar2.jpg

 

Aplicações para Estudantes

Porque a grande maioria dos estudantes já têm um telemóvel de última geração e utilizam-no constantemente, para jogar e para estar nas redes sociais, também podem utilizá-lo como um apoio ao estudo.

Para isso, estão disponíveis no mercado as mais variadas aplicações, pagas e não pagas para quem pretende utilizar o telemóvel como um auxiliar de aprendizagem.

Hoje, deixo-vos algumas propostas de aplicações gratuitas que podem instalar, como um apoio diário ao estudo, sem citar nomes ou marcas, aqui ficam:

 

  • Uma agenda escolar, que deve estar sempre atualizada e que ajudará a lembrar momentos de estudo e datas importantes;
  • Dicionários, de acordo com as línguas que estão a estudar, existem muitas ofertas de aplicações de dicionários offline;
  • Aplicações que abrem PDF ou programas de office, para que o estudante possa, rapidamente, receber documentos/fichas no seu telemóvel;
  • Aplicações com programas de treino das várias disciplinas escolares, com diferentes graus de dificuldade;
  • Aplicações com exercícios de matemática;
  • Horário Escolar, basta preencher com o teu horário e assim podes consultar rapidamente;
  • Aplicações com música tranquila para ajudar na concentração;

 

Por aí, mais propostas????

pesquisa.jpg

 

Quais os objetivos do Pré-escolar?

O ensino pré-escolar pode ser facultado por instituições públicas ou privadas, sendo que toda a criança tem direito legal a frequentar este ensino numa instituição pública perto da sua residência.

Sem fazer qualquer distinção entre público e privado, lembro apenas que todas as instituições pré-escolares têm um Plano Curricular de Educação que deve seguir os parâmetros das orientações curriculares para a educação pré-escolar definidas pelo Ministério da Educação. Este Plano deve ser do conhecimento dos pais da criança, para melhor conseguirem acompanhar o seu desenvolvimento.

Em traços gerais, os Planos Curriculares de Educação, devem ter em linha de conta os seguintes objetivos:

  • Trabalhar no desenvolvimento harmonioso da criança, nas componentes: física, intelectual, artística e moral;
  • Desenvolver a imaginação, a criatividade e o sentido crítico;
  • Promover a autonomia com base numa liberdade responsável;
  • Desenvolver relações de confiança, de cooperação, de amizade e de diálogo; 
  • Educar para o multiculturalismo, para a tolerância e para o respeito;
  • Desenvolver a capacidade de Aprender a Aprender e a curiosidade intelectual;
  • Exercitar a memória, a atenção e o pensamento;
  • Motivar para o trabalho em grupo e para a capacidade de iniciativa;

pre escolar (1).jpg

 

As disciplinas de Religião e Moral

Não querendo seguir pelo caminho da crítica reflexiva sobre este tema, pretendo com este texto apenas, esclarecer e alertar para as opções curriculares da nossa escola atual.

O Estado Português assume ser detentor de uma Educação Laica, quer isto dizer que as nossas escolas devem permanecer na liberdade, no que diz respeito à religião e às crenças. Por esta razão, no ensino não está consagrado a obrigatoriedade de frequentar disciplinas de educação religiosa. Estas disciplinas apresentam-se apenas como opções, não obrigatórias, no plano curricular atual.

Neste sentido, cabe à família, no início do ano letivo, definir se pretende incluir, no plano de estudos, uma das seguintes alternativas: a disciplinas de Educação Moral e Religiosa Católica ou a disciplina de Educação Moral Religiosa Evangélica, ambas com uma carga horária semanal de um tempo letivo (60min/45min).

De forma muito simples, os objetivos gerais destas disciplinas serão facultar aos estudantes a opção de integrarem na sua educação escolar, uma educação religiosa e moral. Algumas famílias complementam o ensino da religião com outras formações extra curriculares, como o exemplo da Catequese, ou os Escuteiros.

Atualmente, debate-se sobre a existência, ou não, de tais disciplinas nas escolas... respeito a opinião de cada família, que devem fazer a sua escolha de forma muito ponderada e refletida, até porque é uma escolha e não uma imposição!

Na minha opinião, seja na escola, ou fora dela, ensinar valores e moralidade, refletir sobre questões éticas, conversar sobre Amor e Respeito… é de extrema importância para quem cresce, seja em que situação for… e é também urgente!!!

c2e4473d9d599a5b4cd932d2d45ae007.jpg

 

Nas férias: Faz o teu herbário!

Para os estudantes mais novos, que gostam da descoberta, fazer um herbário pode ser bastante desafiante. Para quem não sabe, um herbário é uma coleção de plantas secas, prensadas, organizadas num caderno com as informações sobre a flora ali guardada.

Podem definir esta atividade para um dia em que façam um passeio pela natureza. Aí, podem recolher algumas plantas existentes, com alguns cuidados. No final do dia, colocam-nas a secar em grandes livros e, posteriormente, devem ser coladas num caderno, em conjunto com toda a descrição da planta. Terão aqui uma aventura para vários dias…

Com tudo isto, a criança descobre um pouco mais sobre a flora, pode realizar algumas pesquisas auxiliares o que a ajudam a aprofundar conhecimento e, ao mesmo tempo, estudam matérias fundamentais para a disciplina de Ciências Naturais.

Podem optar por fazer esta atividade, um pouco de acordo com a criatividade das crianças, ou então, procurar os mais variados sites na internet, que ensinam, passo-a-passo a desenvolver estes fantásticos Herbários e que se poderão guardar ao longo de décadas… como um tesouro de férias!!!

herbário.jpg

(imagem retirada da internet)

 

O meu fascínio pela Neuroeducação, Neurociência e Neuroimagem

Não querendo aprofundar, neste blogue, termos técnicos que poderão ser estranhos para alguns leitores, gostaria apenas de realizar mais uma referência, muito superficial, sobre conceitos como Neuroimagem e Neurociência, já que estes poderão facultar novos procedimentos e técnicas de ensino/aprendizagem evolutivos para a Educação contemporânea. Assim, de uma forma muito breve irei expor a minha visão sobre o assunto:

 

A neuroimagem define-se como sendo um conjunto de técnicas que permitem a obtenção de imagens do encéfalo de forma não-invasiva, tornando, assim, possível melhorar a compreensão da atividade cerebral, sob o ponto de vista biológico, psicológico e comportamental.

«A descoberta de novas técnicas de imagiologia cerebral são as grandes contribuições contemporâneas com a intenção em relacionar as áreas cerebrais às funções cognitivas e emocionais» (Ellen Ximendes, 2010). Assim, a neuroimagem apoia a neurociência num aprofundar de conhecimento sobre o cérebro e suas respostas.

Ao ‘olharmos’ para a forma como o cérebro funciona conseguiremos teorizar melhor e refletir sobre a forma como aprendemos, memorizamos e raciocinamos, sendo este um complemento excelente para a Educação, dentro e fora das salas de aula.

Sendo algo ainda recente, a Neurociência poderá contribuir para novas descobertas e novos caminhos educativos. Assim, se aliarmos os conhecimentos da neuroimagem, à neurociência, à psicologia e à educação teremos uma nova perspetiva interdisciplinar, a Neuroeducação…. Ou seja, um futuro para a Educação!

Neuroeducação-figura.jpg

(imagem retirada da Internet)

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Vencedor:

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D