Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Educar (Com)Vida

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

TPC Especial – Férias de Verão

Nestas férias de verão, sempre tão longas… já não há lugar para a frase: “não sei o que fazer”… para estas indecisões e falta de ideias, aqui fica a proposta de um TPC Especial, para realizarem com os mais novos... ajudam a crescer e a aprender e são atividades que apoiam o desenvolvimento do estudante de uma forma descontraída!

Basta imprimirem e pintarem o smile, sempre que a atividade for concluída… Podem voltar a repetir as atividades ou podem fazer, em família, as vossas próprias propostas…  

TPC férias.jpg

 

Inquietude: ‘Mas ele não quer…’

Por vezes deparo-me com conversas de encarregados de educação que me deixam inquieta, quando me respondem que a criança não quis, não escolheu, ou optou por.. tendo sido elas a tomarem decisões com as quais a família não concorda, mas aceitou por ser decisão da criança… com isto não quero dizer que, as crianças não possam tomar decisões e fazer escolhas… isso é saudável e faz parte do desenvolvimento integral de qualquer ser humano.

 Contudo, em muitas e determinadas situações não me parece que se deva ceder às escolhas de quem é ainda pequeno e não tem capacidade de escolher o que é melhor para si mesmo… essa responsabilidade e decisão cabe inteiramente a quem educa, a quem protege e orienta.

Portanto, a minha inquietação de hoje é um pedido de reflexão… diga ‘_Não!’ sempre que necessário ou, ‘_Sou eu que decido!’… sem muitas explicações ou definições, quando é importante…

Ou corremos o risco de não educar da melhor forma possível!

Resultado de imagem para importância do não
(imagem retirada da internet)
 

Horas e horas de estudo… será que resultam?

Diálogo entre mim e um/a estudante de 2ºciclo:

«Estudante: _ Podemos fazer um jogo sobre a matéria, ou assim?

Eu: _Porquê?

Estudante: _Foram testes a semana toda, estou cansado/a! Já não quero estudar mais… na segunda foi teste de ciências, na terça tive de me preparar para o teste de matemática, na quinta foi teste de inglês…. Já não consigo mais…»

 

Quando converso com os pais sobre as horas de estudo diárias que complementam os estudos na escola, seja em explicações ou em apoio a uma ou mais disciplinas, eu sublinho sempre que, na minha opinião, mais de duas horas diárias torna-se demasiado saturante para qualquer estudante, seja do 1º ciclo ou do nível secundário.

Na minha opinião, não podemos exigir um elevado grau de concentração e memorização durante mais de duas horas seguidas e, em termos práticos, quem desenvolve este trabalho com os estudantes percebe o aumento da saturação, das dificuldades e do cansaço ao longo deste período de tempo, mesmo para um estudante que não tenha tido um dia de aulas longo e/ou cansativo, a produtividade vai diminuindo muito naturalmente.

Percebo perfeitamente quando os pais, após uma manhã de aulas, deixam os estudantes uma tarde inteira no ATL, para que ele faça os TPC’s e depois estude… muitas vezes tudo isso perfaz mais de 4horas em frente aos livros escolares, com um pequeno intervalo pelo meio… considero esta situação demasiado cansativa e pouco proveitosa, que torna os estudantes desmotivados e aborrecidos quando isto permanece semana a semana.

Compreendo o desejo das boas avaliações e o interesse em se obter bons resultados escolares, contudo se as rotinas forem, efetivamente, bem geridas e estruturadas, talvez não tenhamos necessidade de estudantes tão desinteressados pelo estudo e com tão pouco tempo para serem crianças e jovens!

HPIM2059.JPG

 

 

Habilidades Sociais… são Educação!

O desejo da família para com as crianças que crescem, como sabemos, não se prendem apenas com o alcance de bons resultados escolares. O desenvolvimento social e emocional é também um bom indício de uma criança ou jovem saudável e feliz.

Hoje escrevo sobre o conceito de Habilidades Sociais, ou seja, comportamentos e capacidades dos indivíduos (crianças ou adultos) em conseguirem adaptar-se de uma forma feliz à vida em sociedade.

Para o autor Caballo, as Habilidades Sociais são «um conjunto de comportamentos emitidos por um indivíduo em um contexto interpessoal que expressa sentimentos, atitudes, desejos, opiniões ou direitos desse indivíduo de modo adequado à situação, respeitando esses comportamentos nos demais, e que geralmente resolve os problemas imediatos da situação enquanto minimizando a probabilidade de futuros problemas» (2006).

Para ajudar a refletir um pouco mais sobre este tema, deixo, em anexo, uma tabela simples, que poderá orientar as competências e capacidades que devem ser promovidas nas criança, para as ajudar no desenvolvimento destas habilidades sociais.

habilidades social.gif

 

As vossas crianças são autónomas?

Cada vez mais a sociedade convida a que crianças e jovens tenham variados desafios, serem os melhores na escola, praticarem variadas atividades e passarem grande parte do tempo a estudar. Por entre as exigências destes horários, que tempo restará para que as crianças decidam, reflitam, manifestem os seus gostos e desejos?

Os vossos estudantes vão a pé comprar pão? Decidem qual a roupa a vestir? Responsabilizam-se por tarefas domésticas? Definem horas de estudo? Sabem como estudar e o que estudar? Considera que ele já tem idade para tomar algumas decisões?

Estas são apenas algumas das questões que me ocorrem e que me parecem pertinentes para auxiliar a reflexão deste tema: Autonomia.

A autonomia é um processo relacionado com o desenvolvimento emocional e caracteriza-se pela construção e consciência do seu próprio EU (self). O desenvolvimento desta complexa competência irá permitir que a criança/jovem consiga realizar escolhas conscientes e sensatas, ter preferências, decidir, apontar critérios e reflexões para as suas escolhas e desejos.

Poderemos auxiliar neste desenvolvimento autónomo? Algumas dicas no próximo Post!

Frases inspiradoras (1).png

(imagem retirada da internet)

O Jogo simbólico promove...

Para os psicólogos as brincadeiras do ‘Faz de Conta’ (Jogo Simbólico) permitem um melhor desenvolvimento infantil, no que diz respeito à evolução: afetiva, cognitiva, motora e social.

Resumidamente o Jogo simbólico promove:

  • A capacidade de planear e de imaginar situações lúdicas;
  • A comunicação com o mundo do adulto, no qual adquire controle interior, autoestima e confiança em si mesma,
  • O exercício da sua imaginação;
  • A construção do mundo real, com os seus valores e ideias;
  • A capacidade de imitar, imaginar, representar sem medo da imposição do adulto;
  • A possibilidades de entrar no mundo adulto;
  • A capacidade de resolver problemas do presente e do passado;
  • Projeções para o futuro;

Estas brincadeiras de ‘Faz de conta’ podem ser uma forma de promover um contacto mais próximo do adulto com a criança que, de forma pedagógica, o educador poderá ajudar a reorganizar estruturas mentais e emocionais com tais Jogos.

É de sublinhar que ao brincar, a criança pode reviver situações que lhe causem algum desequilíbrio emocional, possibilitando a compreensão da situação em que vive e a reorganização de suas estruturas mentais.

jogo simbolico.jpg

(imagem retirada da Internet)

Como educar um adolescente?

Quantos pais referem que as crianças deveriam nascer com ‘livro de instruções’, que por mais que tentem educar os filhos da mesma forma eles apresentam carácter e características muito diferentes, que se transformaram muito na adolescência, ou que ao longo dos anos eles mudaram bastante!!!???!!

E a verdade é apenas uma, não existem elixires como soluções únicas é infalíveis para educar, no pleno sentido da palavra…

Contudo, depois de muito ouvir, pesquisar e refletir, posso deixar algumas breves propostas, que são muito particulares enquanto opinião própria de quem convive com crianças, adolescentes e jovens há já alguns anos… e claro, com os respetivos pais/educadores deles, numa aflição constante, de quem anseia pela felicidade de quem cresce! 

 

  • Ensinar, desde tenra idade, a resolver problemas;
  • Procurando não interferir muito nas ações dos jovens, procurar estar sempre presentes e atentos;
  • Apresentar um apoio pronto, sempre que necessário;
  • Encarar as situações num sentido positivo;
  • Educar, tendo em conta as especificidades de cada indivíduo;
  • Não alimentar as preocupações em demasia;
  • Ensinar os jovens a dizer ‘Não’;
  • Usar a palavra como ato primordial;
  • Mantenha a hora de jantar como convívio familiar onde todos se escutam;

Para finalizar, é importante lembrar que na adolescência é característica normal que se procure voltar um pouco ao tempo de infância, procurando o carinho e a atenção de outras idades. E sublinhar que, embora se diga muitas vezes o contrário, os adolescentes sabem ouvir e gostam de o fazer.

Algum exemplo ou proposta, para ajudar na reflexão?

 

jovem.jpg

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D