Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

15
Jan 18

Em poucos anos a palavra tornou-se muito (re)conhecida, embora o seu conceito já existisse há longos anos, agora está a tornar-se mote de mais reflexão e sensibilização. A palavra Bullying significa agressões físicas ou verbais, realizadas de forma intencional e repetitiva, por um ou vários estudantes contra um ou vários colegas de escola.

Viver esta má experiência preocupa pais, educadores e estudantes, já que pode acarretar problemas físicos e/ou psicológicos difíceis de superar em qualquer criança ou jovem.

Devido às várias funções que desempenhei na área da Educação, contactei com estudantes e encarregados de educação em grande aflição e ansiedade por estarem a viver uma situação destas. Não quero, de forma alguma referir nenhum destes casos concretos, quero apenas alertar para esta realidade atual, deixando, por aqui, mais algumas informações e orientações sobre o tema. 

 

Quando os encarregados de educação são confrontados com uma suspeita de Bullying deve atentar às seguintes situações:

 

  • Não desvalorize os acontecimentos e sentimentos do estudante;
  • Incentive-o a contar toda a vivência, sem medo nem vergonha;
  • Reforce a autoestima e explique-lhe que não tem culpa do que sucedeu;
  • Aconselhe-se com um psicólogo para possível acompanhamento do estudante, se necessário;
  • Desenvolva, com o estudante, atividades e conversas que lhe aumente a segurança, a confiança e a autoestima.

 

Se a situação exigir uma atitude mais direta e ativa, pode recorrer aos seguintes agentes educativos, de forma a que o ajudem a resolver esta situação:

 

- Diretor de turma, e/ou diretor da escola;

- Auxiliares de ação educativa;

- PSP: Escola Segura;

- Psicólogo;

- Família do agressor;

- Outros encarregados de educação.

 

Esta situação não deve ser escondida, pois possibilita ao agressor mais confiança nas suas atitudes e é isso que também deve incutir no estudante. Para além disso, deve informar todos os educadores que contatam com o estudante, vítima de Bullying, para que estes estejam atentos e auxiliem numa evolução positiva.

Muitas vezes as vitimas de Bulling escondem, de todos, o que está a acontecer, portanto, no Post seguinte irei referir algumas situações em que deve estar atento.

bullying-1-728.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:30

29 comentários:
O Cyberbullying é o mais fácil de resolver, desliga-se a ficha, literalmente, e acabou. Os outros são muito mais complicados.
O problema de se contactar a família do agressor é que, o mais provável, é ser uma família disfuncional e pouco aberta ao diálogo.
Marta Elle a 15 de Janeiro de 2018 às 13:23

Muitas crianças vêm a Internet e as redes sociais como algo tão imprescindível que não sabem como se defender... Logo, o apoio da família é fundamental!
O contacto com a família do agressor é uma hipótese a considerar, que pode ou não dar resultado...
Obrigada pelo comentário! Beijinhos e boa semana!
Maribel Maia a 15 de Janeiro de 2018 às 13:46

Com a "Supernanny" fica-se a saber o calibre da maioria dos miúdos que frequentam as nossas escolas, e a inaptidão dos seus pais para os educarem. Mas a culpa é sempre dos professores!

Sim, quando as crianças não têm regras em casa, é complicado aceitarem as da escola.
Marta Elle a 29 de Janeiro de 2018 às 16:09

E, muitas vezes, as crianças respeitam mais as regras da escola do que as de casa... Isso é tudo uma questão de educação familiar...
Maribel Maia a 29 de Janeiro de 2018 às 16:57

Mais grave que tudo isto é a escola compactuar com o bullying, dizendo que "são coisas normais de crianças"... falar com os pais do agressor que dizem "desculpe, mas não acredito que o meu filho faça isso", "isso é tudo mentira" (mesmo quando os colegas corroboram a história do agredido)... apresentar queixas na polícia que "nada pode fazer" e enviar queixas à direcção regional de educação que não responde... Ser obrigado a mudar a criança agredida de escola para que possa dormir descansada...
O pior do bullying está nos adultos que protegem o agressor. E isto é que os pais não sabem como combater... E sobre isto é que eu não tenho visto soluções...
Um abraço
amarquesademarvila a 15 de Janeiro de 2018 às 14:08

Também me parece que estas crianças vítimas precisam de mais apoio do que aquilo que existe... E muitas vezes o maior apoio vem de alguns colegas que ajudam e protegem... É um tema que precisa de muita reflexão!
Maribel Maia a 15 de Janeiro de 2018 às 16:54

O meu com 7 anos é já é enxuvalhado na escola, tanto pelo que leva calçado como o que leva para o lanche! Achas normal? Um dia levou uns sapatos tipo vela, começaram a gozar com ele porque levava sapatos de baptizado!!! Ele adora os pokets de polpa de fruta do Intermaché, compro-os de propósito em Pombal, não os quer levar para a escola porque gozam com ele porque lhe dizem que aquilo é para bébes!!! Acho isto tão lamentável, eu bem lhe tento explicar que não é ele que está mal, mas os outros que o criticam, mas está difícil!.
A rapariga do autocarro a 15 de Janeiro de 2018 às 14:38

Arranjam é sempre forma de criticar... Enfim...Ele tem de aproximar-se dos colegas que o respeitam e não ligar a essas coisas... É muito difícil...E as famílias têm de estar muito atentas! Nem sempre as escolas estão sensíveis aos casos, o que é de lamentar!
Maribel Maia a 15 de Janeiro de 2018 às 16:58

Eduque o fedelho como deve ser. Se o souber educar o puto passará de gozado a gozador. O puto não tem pai ? Você não tem competência para educar o fedelho, deixe isso a cargo do pai, esperando que seja mais competente que você. Com os meus putos ninguém goza, eles é que definem a tendência.
Anónimo a 27 de Janeiro de 2018 às 15:13

O puto tem pai, e até já ponderou a hipótese de lhe emprestar a soqueira e a Hk 9mm para levar para a escola, mas depois bateu com a cabeça na mesinha de cabeceira e acordou!

Bom texto para alertar ou consciencializar!
gatodeloiça a 15 de Janeiro de 2018 às 20:18

Alertas como este têm de continuar, uma vez que, ainda muitas crianças sofrem com esta situação e ainda muito falta fazer...
Maribel Maia a 16 de Janeiro de 2018 às 13:20

Passei por isso, aliás a minha filha, publiquei no meu blog, e custa-me falar sobre o assunto, a coisa não é tão linear.
Mas acima de tudo convém não dramatizar, pois para a criança é muito pior.
Os professores, auxiliares,colegas sabem mas não se manifestam.
Descobri porque a outra miúda teve um ataque de fúria e destruiu o saco de educação fisica da miuda, a partir daí tudo se despoltou
Paula Rocha a 16 de Janeiro de 2018 às 18:06

E acima de tudo as crianças têm de sentir que não estão sozinhas com esse problema, que família e amigos apoiam e compreendem...
É, sem dúvida, um assunto muito sensível para quem convive mais de perto...
Obrigada pelo testemunho, aqui e no seu blogue.
Maribel Maia a 16 de Janeiro de 2018 às 18:48

Pode ser frio e insensível o que vou aqui dizer, mas não me consigo conter: Bullying - o crime da era moderna - culpados: pais que não sabem educar. Não passaram assim tantos anos desde que acabei a escola (uma década e pouco) e o problema virou algo inadmissível, algo discutido de forma repetida pela sociedade em geral e o pior de tudo, a meu ver, é que ninguém está a procura de soluções para a origem do problema em si - a educação!
Grande parte do comportamento das crianças, como pensam, agem ou falam vem da educação que recebem em casa, dos pais! Mais do que a possibilidade de os inscrever no ballet ou nas aulas de inglês ou mima-los com as ultimas tecnologias, a boa educação nunca vai passar de moda! E nisso, são poucos os pais que investem!
Fala-se em agressores quando na verdade são crianças que não aprenderam desde cedo a diferença entre o certo e o errado.

Peço desculpa de ferir susceptibilidades, até porque hoje em dia todos os temas são delicados e todos ficam ofendidos mesmo que seja uma opinião geral.
Variante a 23 de Janeiro de 2018 às 14:36

Bem, o texto de reflexão que escrevi está mais direcionado para a protecção das vítimas do que para os agressores, no entanto, é algo que deve ser também discutido à luz da educação!
Agradeço a partilha!
Maribel Maia a 23 de Janeiro de 2018 às 15:12

Não discordo do que disse em relação à educação e que as atitudes vêm de casa. Mas acredite que as crianças sabem distinguir o certo do errado, por muito pequenas que sejam. Se conhecer de perto casos destes, consegue perceber que a maldade delas chega a ter mesmo um certo requinte. Elas, as crianças, sabem quando estão a atormentar os colegas e fazem-no com gosto.
blackened a 23 de Janeiro de 2018 às 17:22

É o que nós, pais das nossas crianças (da mesma turma) dizemos às nossas crianças. Conheço um caso que não chegou a ser bicudo, nem teve asas para voar, porque as crianças (inclusivamente as não diretamente envolvidas) uniram-se, contaram aos pais e aos professores o que aconteceu; unimo-nos todos e a escola tomou providências. Para já, tudo calmo.
Gabriela Lima a 23 de Janeiro de 2018 às 19:48

Já ouvi outras histórias similares, penso que esse é, sem dúvida, um bom caminho e uma boa atitude!!!
Maribel Maia a 23 de Janeiro de 2018 às 19:52

Quando não há respeito, o agressor teria que ter medo das consequências. Como não existe nem respeito nem consequências, os agressores tem campo livre para as suas actuações.
Francisco Faria Bontempo a 27 de Janeiro de 2018 às 12:05

Passei por essa situação(com a minha filha) há precisamente 7 anos. Parece que foi ontem. Bowling feito pelas melhores amigas/amigos. Todos da mesma turma. Adoravam-na,ela sempre foi a amiga em quem se poderia confiar. Foram para lá umas mais velhas,repetentes portanto,e acharam-se por direito excluir a minha filha de tudo e todos. Ao ponto de eu ter que mudar a minha filha de escola,outra terra,ou seja,vender a minha casa e começar do zero. Noutro sitio,com outras gentes. Mil e umas queixas na escola onde não faziam o menor caso. E é triste as vítimas terem que cortar com toda uma infância e mudarem de terra,escola e amigos. Ela hoje,é uma mulher,está na faculdade. É feliz e realizada. A mãe(eu) é que nunca na minha vida me esquecerei. A mágoa está aqui guardada,num cantinho do meu coração. Sabendo porém que fiz tudo,tudo o que estava ao meu alcance para a proteger. Tenho uma filha de 11 anos. Morro de medo passar pelo mesmo. As famílias dos agressores ainda os defendem. Quem não a tem(educação) não a pode dar.
Anónimo a 27 de Janeiro de 2018 às 12:41

No mundo não há lugar para os fracos. A culpa não é da sua filha é sua que não a soube educar para liderar. Deixa a educação do puto ao pai, esperando que seja mais competente que você. Os putos devem ser educados desde o berço a saberem-se defender e impor as suas vontades. Você é uma incompetente. Tenho dois putos, um rapaz e uma rapariga, e devido à educação que tiveram desde o berço, são eles que impõe a sua vontade ao resto da maralha. Prefiro que sejam os outros pais a fazerem queixa dos meus do ter que ser eu a ir fazer queixa dos outros. Quem não é líder na escola, quem não se sabe defender na escola será toda a vida um falhado. A sua filha está na universidade mas já nasceu uma falhada, ter um canudo hoje não é nada, a autodeterminação, a liderança, a autonomia valem 100 canudos.
Anónimo a 27 de Janeiro de 2018 às 15:21

Agradeço o testemunho, é muito importante conhecermos a realidade, porque sei que muitas vezes as crianças acabam por ter de mudar de escola, o que é de lamentar!
Maribel Maia a 27 de Janeiro de 2018 às 20:52

Tal como eu já referi, ainda muito está por fazer para proteção das vítimas!
Maribel Maia a 27 de Janeiro de 2018 às 20:49

Essa coisa no meu tempo não existia, se chegasse a casa a queixar-me dos colegas ainda levava era no focinho por não me saber defender. A putalhada hoje são um bando de maricas, nem se sabem defender, quero ver esta putalhada na guerra se um dia houver outra guerra. Vão-se borrar de medo e ser fuzilados de deserção.
Anónimo a 27 de Janeiro de 2018 às 15:10

Hoje em dia,com a televisão cada vez mais violenta,é impossível as crianças não sofrerem de bullyng,nos tempos de antigamente,nem sempre foi assim!!
elvirinha a 27 de Janeiro de 2018 às 16:29

Essa influência também não é nada boa!

Verdade,concordo contigo,a televisão podia ensinar as coisas um pouco melhor!!
elvirinha a 28 de Janeiro de 2018 às 10:49

Janeiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
16
17
19
20

21
24
26
27

28
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
Instagram
@educarcomvida
blogs SAPO