Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

16
Ago 18

Por cá já escrevi sobre a importância das tecnologias para quem cresce e aprende, e defendi também o quanto moderado esta utilização deverá ser…

Se, em tempo de aulas, os estudantes devem deixar os telemóveis e afins porque têm de estudar e frequentar outras atividades, durante estas longas férias a tentação de se agarrarem a estes equipamentos deve ser mais forte e presente!

Acredito que o uso destes objetos deva ser alvo de muito diálogo e negociação constante nas famílias. Que mais poderá querer um estudante fazer, em casa, para além de ver TV, ou usar PC/telemóvel/tablet? Conseguem eles divertirem-se com outras coisas? Terão de sair de casa para não utilizar estes equipamentos?

A maioria dos profissionais aconselha uma média de 2h diárias de utilização, para a maioria das idades… tenho uma pequena ideia de que isso não consta na maioria das casas…

Querem partilhar a vossa experiência? Como é a negociação aí em casa?

Obrigada pela partilha!!!

 

Imagem relacionada

 

(imagem retirada da internet)

publicado por Maribel Maia às 10:40

15 comentários:
Imagino a luta que os pais têm, em certas casas, para que os filhos moderem o uso do telemóvel.
Parece-me que uma boa opção é distrairem as crianças com jogos e outras atividades semelhantes.
Marta Elle a 16 de Agosto de 2018 às 13:40

Também me parece que essa deva ser grande preocupação familiar, penso que o mais importante é o exemplo, quando os pais passam muito tempo nessas novas tecnologias, as crianças seguem....
Maribel Maia a 16 de Agosto de 2018 às 13:48

Eu sou a favor, apenas, em contexto educativo.
No documentário The Begining of Life, acerca do qual já escrevi, os cientistas não apontam qualquer evolução neurológica quando os bebés/crianças são sujeitos à TV e outras tecnologias mencionadas.
Há que sair para a rua, andar de pés descalços, cair,...

Cada ano que passa, menor é o número de alunos que sabe o que é um musgo ou um feto, no 6.º ano. Então se falar em manta morta... nunca a sentiram, viram...
P. P. a 17 de Agosto de 2018 às 00:53

Tem toda a razão... Muitas vezes os pais entregam o telemóvel à criança para que ela se entretenha, já que levar a passear, ensinar, explicar exige tempo....
Maribel Maia a 17 de Agosto de 2018 às 10:23

Provavelmente, a razão mais comum dos conflitos famíliares da actualidade.
E bem falo por mim...
A 3ª face a 17 de Agosto de 2018 às 01:45

Se existem conflitos até é bom, é sinónimo de que as famílias se importam e colocam limites!
Maribel Maia a 17 de Agosto de 2018 às 10:25

Uma luta para o meu sobrinho (9 anos) largar o tablet mas sempre que vem cá para casa, nada de tecnologia :) existem jogos de tabuleiro super giros
Princesa a 17 de Agosto de 2018 às 13:57

Claro, tanta coisa boa para se fazer longe destas tecnologias que já nem são novas....
Maribel Maia a 17 de Agosto de 2018 às 14:00

A minha "luta" diária. Mas temos sorte por viver no campo. Brinca-se na rua nas horas possíveis, e dão-se mergulhos na piscina. De manhã as tarefas de casa ( deixar quarto arrumado e ajudar no que houver para fazer) têm de ficar feitas. Depois é rua ou brincar. Quando o calor aperta ( 11h) é que sim, uns vêm TV, outros jogam ou comunicam com os amigos . Depois do almoço, + um pouco de tecnologia até a hora decente de se sair de casa devido ao sol ( claro que depende dos dias!). Quando me dizem que não sabem o que fazer , arranjo tarefas! Ahahahah. Tento que não estejam mais de 2h diárias, mas tem dias que chegam às 3h e tenho noção disso. Tentamos passear bastante o que ajuda a desligarem-se. À noite não há tecnologias, mas sim leitura. :)
C. a 19 de Agosto de 2018 às 14:02

Viver o mais próximo da natureza ajuda muito, mesmo! Será mais difícil para quem vive em cidades de muita agitação e de pouco espaço para crianças...
Obrigada pela partilha e pelo exemplo deixado!
Beijinhos
Maribel Maia a 19 de Agosto de 2018 às 19:42

Pois eu cá tenho uma relação de amor ódio com as tecnologias: se por um lado me dá jeito, porque se precisar de o deixar sozinho, sei que estando ocupado com os jogos, posso ir tranquila, mas depois quando estou em casa e quero que ele largue aquilo é um caso sério!
paranoias-de-mae a 21 de Agosto de 2018 às 16:20

Exato, por vezes vê-los entretidos com esses ecrãs também é um apoio....terá é de ser feito com muito peso e medida!!!
Agradeço pelo testemunho!
beijinhos
Maribel Maia a 21 de Agosto de 2018 às 18:45

Excelente escolha de tópico! Isto precisa de ser tema de conversa com mais frequência.

Parece-me excessivo duas horas diárias. A maioria das actividades extra-curriculares, seja música, desporto, pintura, etc, tem a duração de uma hora. Porquê deixar uma criança interagir com algo que tem uma natureza viciante - muitas apps e jogos são desenvolvidos com base em sistemas de recompensa e isso faz-nos querer ficar a jogar mais tempo - durante mais tempo do que algo que sabemos ser saudável e essencial para o bom desenvolvimento ( social, físico, etc) ?
(Nada é livre de perigos, o exemplo só serve como aquilo que é... Uma base de comparação)

- E como é que se negoceia de forma "saudável" quando mesmo os mais velhos (pais, irmãos, tios, etc) estão tão embrenhados nessas tecnologias?
Não precisa de se falar de telemóveis. Pense-se no caso do jantar em família que actualmente é feito de televisão ligada na casa de muitas famílias... (Notam-se semelhanças nas situações?)

Numa nota mais positiva não me parece que os jovens não se saibam divertir sem tecnologia, ou que isso lhes seja muito difícil.O que é necessário é que estejam com amigos por um lado, e tenham alguma orientação por outro.
Alguma dedicação e investimento.

Mais uma vez, bom tópico! Mesmo com a complexidade do tema


Marco a 4 de Setembro de 2018 às 09:44

Excelente escolha de tópico! Isto precisa de ser tema de conversa com mais frequência.

Parecem-me excessivas as duas horas diárias. A maioria das actividades extra-curriculares, seja música, desporto, pintura, etc, tem a duração de uma hora. Porquê deixar uma criança interagir com algo que tem uma natureza viciante - muitas apps e jogos são desenvolvidos com base em sistemas de recompensa e isso faz-nos querer ficar a jogar mais tempo - durante mais tempo do que algo que sabemos ser saudável e essencial para o bom desenvolvimento ( social, físico, etc) ?
(Nada é livre de perigos, o exemplo só serve como aquilo que é... Uma base de comparação)

- E como é que se negoceia de forma "saudável" quando mesmo os mais velhos (pais, irmãos, tios, etc) estão tão embrenhados nessas tecnologias?
Não precisa de se falar de telemóveis. Pense-se no caso do jantar em família que actualmente é feito de televisão ligada na casa de muitas famílias... (Notam-se semelhanças nas situações?)

Numa nota mais positiva não me parece que os jovens não se saibam divertir sem tecnologia, ou que isso lhes seja muito difícil.O que é necessário é que estejam com amigos por um lado, e tenham alguma orientação por outro.
Alguma dedicação e investimento.

Mais uma vez, bom tópico! Mesmo com a complexidade do tema


Marco a 4 de Setembro de 2018 às 09:45

Muito obrigada!
Na minha opinião, tudo deve partir do exemplo da família, é a melhor forma de educar!
Maribel Maia a 4 de Setembro de 2018 às 10:34

Agosto 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
17
18

19
21
23
24
25

26
29
30


pesquisar
 
mais sobre mim
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Instagram
@educarcomvida
blogs SAPO