Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

29
Mar 19

13.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:15

27
Mar 19

Diálogo entre mim e um/a estudante de 2ºciclo:

«Estudante: _ Podemos fazer um jogo sobre a matéria, ou assim?

Eu: _Porquê?

Estudante: _Foram testes a semana toda, estou cansado/a! Já não quero estudar mais… na segunda foi teste de ciências, na terça tive de me preparar para o teste de matemática, na quinta foi teste de inglês…. Já não consigo mais…»

 

Quando converso com os pais sobre as horas de estudo diárias que complementam os estudos na escola, seja em explicações ou em apoio a uma ou mais disciplinas, eu sublinho sempre que, na minha opinião, mais de duas horas diárias torna-se demasiado saturante para qualquer estudante, seja do 1º ciclo ou do nível secundário.

Na minha opinião, não podemos exigir um elevado grau de concentração e memorização durante mais de duas horas seguidas e, em termos práticos, quem desenvolve este trabalho com os estudantes percebe o aumento da saturação, das dificuldades e do cansaço ao longo deste período de tempo, mesmo para um estudante que não tenha tido um dia de aulas longo e/ou cansativo, a produtividade vai diminuindo muito naturalmente.

Percebo perfeitamente quando os pais, após uma manhã de aulas, deixam os estudantes uma tarde inteira no ATL, para que ele faça os TPC’s e depois estude… muitas vezes tudo isso perfaz mais de 4horas em frente aos livros escolares, com um pequeno intervalo pelo meio… considero esta situação demasiado cansativa e pouco proveitosa, que torna os estudantes desmotivados e aborrecidos quando isto permanece semana a semana.

Compreendo o desejo das boas avaliações e o interesse em se obter bons resultados escolares, contudo se as rotinas forem, efetivamente, bem geridas e estruturadas, talvez não tenhamos necessidade de estudantes tão desinteressados pelo estudo e com tão pouco tempo para serem crianças e jovens!

HPIM2059.JPG

 

 

publicado por Maribel Maia às 11:55

25
Mar 19

Ter uma atitude responsável perante a vida é, sem dúvida, um processo imprescindível, que demora muitos anos a adquirir e aperfeiçoar, trazendo consigo vivências, tentativas e inseguranças.

As primeiras instituições sociais a incutirem esta responsabilidade são as famílias, que diariamente devem educar para uma autonomia responsável e consequente.

Quando um estudante se torna responsável e esforça-se, constantemente, neste sentido receberá bons resultados deste empenho, pois isso reflete-se diretamente nos resultados escolares, e na confiança que os outros adultos e colegas lhe oferecem.

Certamente, a família terá várias estratégias para tentar incutir este conceito fundamental. No entanto, como nunca é demais orientar, aqui ficam mais uma dicas para refletir:

  1. Utilize o diálogo como forma de explicação sobre a importância deste conceito para a vida e para situações atuais;
  2. Defina que a confiança da família, professores, amigos tem de ser conquistada através destas atitudes de respeito e de responsabilidade;
  3. Nunca se esqueça que vocês é exemplo imprescindível, certamente será imitado/a nas atitudes;
  4. Exija o cuidado com tarefas e objetos, com penalizações para incumprimentos, descuidos e esquecimentos;
  5. Ensine a importância do respeito, por nós, pelos outros e pela Natureza;
  6. Ensine que os sentimentos dos outros são de muita importância;
  7. Defina tarefas e funções, partilhando as tarefas domésticos;
  8. Mostre confiança nesta responsabilidade sempre que o mereça;
  9. Use agendas ou tabelas de orientação sempre que necessário;
  10. Faculte tarefas com maior exigência e explique o grau de responsabilidade implícito…

19017614_eQZ12.jpeg

(imagem retirada da internet)

publicado por Maribel Maia às 11:01

24
Mar 19

 

Hoje é o Dia Nacional do Estudante, 24 de março...

Para celebrar o dia,

para lembrar a importância do estudo

e para divertir um pouco, aqui ficam (de novo) Os Mandamentos do Estudante:

Mandamentos do Estudante.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:56

22
Mar 19

12.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:00

20
Mar 19

Ao realizar uma pergunta destas recordo sempre duas defesas usuais da política e da sociedade:

1ª – sem apoios financeiras nada se consegue fazer….

2ª – não é apenas a escola o agente educador, cabe a toda a sociedade educar…

Perante ambas as críticas, quero afirmar que, quando coloco tal questão refiro-me ao que faz falta aos nossos estudantes e que a escola pode ser a maior agenciadora de tal necessidade, já que apresenta as melhores condições estruturais para o fazer…

Assim sendo, o que faz falta à educação e também às escolas e aos seus estudantes, na minha opinião, são momentos de ensino/aprendizagem, de temas que inquietam a sociedade e que os inquietam… que conduzam à construção de pensamento crítico e criativo, a novas capacidades de inter-relacionamentos, à sensibilização de novos conceitos para mundo e para uma sociedade comunitária… ao melhor entendimento sobre si mesmo e respeito pelo outro…

Para tal é necessário profissionais sensibilizados para tal educação, reestruturação de horários escolares, desenvolvimento de novos métodos e técnicas… ou seja, repensar a escola com um papel diferente, que não forme apenas técnicos, mas também pessoas com desejos e vontades!

E vocês educadores (pais, professores, etc) concordam com esta opinião?

O que faz falta às escolas? O que faz falta à Educação?    

tumblr_lg3ry9ai3t1qgbu6no1_500.jpg

(imagem retirada da internet)

 

publicado por Maribel Maia às 10:37

18
Mar 19

Penso que este blogue é mais conhecido pelas dicas e orientações educativas, principalmente, para os dias de estudo.

Como as fichas de avaliação estão aí, e serão os últimos testes antes do final deste 2º período, cá ficam mais umas propostas para todos os/as estudantes:

dicas estudo (2).jpg

 

Em anexo, para imprimirem:

dicas estudo (3).jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 13:24

15
Mar 19

11.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:14

13
Mar 19

O desejo da família para com as crianças que crescem, como sabemos, não se prendem apenas com o alcance de bons resultados escolares. O desenvolvimento social e emocional é também um bom indício de uma criança ou jovem saudável e feliz.

Hoje escrevo sobre o conceito de Habilidades Sociais, ou seja, comportamentos e capacidades dos indivíduos (crianças ou adultos) em conseguirem adaptar-se de uma forma feliz à vida em sociedade.

Para o autor Caballo, as Habilidades Sociais são «um conjunto de comportamentos emitidos por um indivíduo em um contexto interpessoal que expressa sentimentos, atitudes, desejos, opiniões ou direitos desse indivíduo de modo adequado à situação, respeitando esses comportamentos nos demais, e que geralmente resolve os problemas imediatos da situação enquanto minimizando a probabilidade de futuros problemas» (2006).

Para ajudar a refletir um pouco mais sobre este tema, deixo, em anexo, uma tabela simples, que poderá orientar as competências e capacidades que devem ser promovidas nas criança, para as ajudar no desenvolvimento destas habilidades sociais.

habilidades social.gif

 

publicado por Maribel Maia às 10:41

11
Mar 19

Quando as crianças e jovens se veem confrontados com a necessidade de participar em grupo, ou em sala de aula, surge também a necessidade de um à vontade, com a utilização do discurso e a necessidade de apresentar elevada capacidade de expressão oral, só assim, estes estudantes serão bem sucedidos no momento de apresentarem as suas próprias ideias e opiniões.

Para desenvolver estas competências aqui ficam algumas estratégias a serem desencadeadas, seja individualmente ou em grupo:

 

Individualmente:

  • Relato dos acontecimentos em sala de aula;
  • Síntese de uma atividade realizada;
  • Relato de um acontecimento quotidiano ou especial;
  • Exposição oral da matéria dada;
  • Reconto de livros ou filmes;
  • Síntese de experiências;

 

Grupo:

  • Criação de debates;
  • Exposição de ideias em grupo;
  • Realização de entrevistas;
  • Construção de alguns ‘Brainstorming’ (chuva de ideias);
  • Representação de teatros/musicais/danças;

Estas estratégias realizadas dentro ou fora da sala de aula facultam novas capacidades de expressão oral, diminuindo os níveis de ansiedade e stress, quando o estudante é confrontado com a necessidade de se exprimir perante uma plateia ou audiência maior do que o habitual.

Resultado de imagem para teatro infantil

(imagem retirada da internet)

 

publicado por Maribel Maia às 11:00

Março 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
14
16

17
19
21
23

26
28
30

31


arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


subscrever feeds
pesquisar
 
mais sobre mim
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO