Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

29
Jan 18

Diálogo entre mim e um/a estudante de 1º ciclo:

«Eu: _ tens aulas com quem?

Estudante: _Com a minha mãe.

Eu_ E não andas na escola?

Estudante: _ Não, eu vivo no circo,….»

 

Existem, em Portugal e noutros países, encarregados de educação que optam por concretizar um ensino individualizado à sua criança, optando por realizar o ensino escolar em casa, ou seja, na modalidade de Ensino Doméstico salvaguardado, nos termos da alínea a) do nº 4 do artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 553/80, de 21 de Novembro, que aprova o Estatuto do Ensino Particular e Cooperativo – “aquele que é lecionado no domicílio do aluno, por um familiar ou por pessoa que com ele habite”.

«Os encarregados de educação que manifestam a intenção de integrar os seus filhos na modalidade de Ensino Doméstico estão a proceder de acordo com os direitos que lhe são conferidos, nomeadamente o da escolha de uma modalidade de ensino.» (in: educacaolivre.pt). Para tal, deve realizar todos os procedimentos legais exigidos e orientar todo o processo de ensino tendo como referência os programas nacionais e as Metas Curriculares de cada área curricular disciplinar e não disciplinar.

No final de cada ano letivo, o encarregado de educação deve ter em linha de conta que, os estudantes em regime de Ensino Doméstico estão sujeitos a avaliação no final de cada ciclo (de acordo com a legislação em vigor).

Sobre este tema surge-me apenas referir uma ressalva pessoal, lembrando que, é muito importante para quem cresce a interação contínua com crianças e jovens da mesma idade, promovendo-se assim um desenvolvimento emocional e social imprescindível a um crescimento saudável. Portanto, quando o estudante se encontra em regime de ensino doméstico, estas situações devem ser promovidas e geridas com especial cuidado. 

explicações_2018.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:14

25
Jan 18

Todos nós temos algumas horas do dia, ou da noite, em que nos sentimos mais cansados e pouco produtivos e outras horas em que sentimos maior capacidade de concentração e produtividade. Quando estamos perante a necessidade de estudar, de memorizar e aprender, torna-se importante reconhecermos qual a melhor hora para realizarmos um estudo autónomo, para tal é necessário conhecermos bem como funciona o nosso ‘relógio biológico’.

Assim, poderá encaixar-se num destes três conceitos:

 

Indivíduo Matutino: Prefere dormir cedo (entre as 21/22 horas) para acordarem cedo, (pelas 6/7horas), sem dificuldades. Apresentam um bom desempenho físico e mental pela manhã.

Indivíduo Vespertino: Prefere dormir e acordar tarde (deitar-se pela 1 hora da manhã e acordar pelas 10 horas). Apresentam melhor disposição no período da tarde e início da noite.

Indiferentes: Têm maior flexibilidade, de adaptação ao horário e optam por escolher horários intermédios, de acordo com as necessidades de adaptação às suas outras rotina.

 

Para reconhecer em qual destes tipos se aproxima deve reconhecer qual o momento em que está com mais energia e mais desperto, perante essa primeira avaliação e com a experiência, rapidamente perceberá quais as melhores horas de estudo. Contudo, seja qual for o horário de estudo escolhido, nunca se esqueça de, dormir pelo menos 8 horas, manter os horários de alimentação e realizar pausas de 15 minutos a cada duas horas. 

Estudar é um privilégio.jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 10:31

23
Jan 18

Mais uma vez, tenho o privilégio de ter um artigo deste Blogue, em Destaque!

Obrigada à equipa Sapo Blogues...obrigada a todos/as os/as leitores/as!!!

destaque_2018.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 19:46

22
Jan 18

Hoje muito se rotulam as crianças e jovens de mais ou menos inteligentes. Contudo, pensarmos no conceito de inteligência é pensarmos em muitas variantes e variadas formas de avaliação.

Hoje trago-vos  uma a Teoria das Sete Inteligências, defendida pelo psicólogo  Howard Gardner e que auxiliaram a reflexão sobre este assunto:

  1. Inteligência Linguística: É a inteligência das palavras. Esta inteligência oferece maior capacidade de uma boa articulação oral, grande facilidade em aprender línguas, bom desenvolvimento da retórica e uma facilidade na compreensão gramatical. Inclusive em MNEMÔNICA.

 

  1. Inteligência Lógico-Matemática: É a inteligência dos números. Esta inteligência oferece facilidades para o processamento de contas, classificação, padrões e resolução de problemas. Boa memorização de números e cálculos.

 

  1. Inteligência Espacial Visual: É a inteligência da forma. Esta inteligência facilita a perceção do mundo exterior e tendo-se a facilidade em transformar essa informação, em arte, ou arquitetura. Tem grande sensibilidade para a cor, linhas e formas. Além disso, conseguem ótimas representações espaciais.

 

  1. Inteligência corporal sinestésica: É a inteligência do movimento. Esta inteligência é caracterizada pela capacidade de conseguir expressar ideias e sentimentos através do corpo, como um ator ou acrobata. Facilita também a capacidade de trabalhos manuais.

 

  1. Inteligência Musical Auditiva: É a inteligência da Música. Esta inteligência está ligada à capacidade musical, facilitando a perceção, e expressão nas mais variadas formas musicais. Possui grande sensibilidade ao ritmo, tom, melodia e timbre. Existe grande sensibilidade para reconstruir arranjos melódicos com facilidade.

 

  1. Inteligência Interpessoal: É a inteligência social. Esta inteligência facilita uma boa capacidade para reconhecer, gestos, expressões faciais, tom de voz e ainda conseguir responder a esses sinais de forma a influenciar pessoas. É a inteligência da sociedade, pois permite que indivíduos com essa capacidade tenham maior facilidade em interagir com os outros.

 

  1. Inteligência Intrapessoal: É a inteligência interna. Esta inteligência facilita desenvolvimento da inteligência pessoal, conhecendo-se a si mesmos, analisando os seus erros e caminhos com grande facilidade.

 

Ao ler estas várias inteligências, facilmente se reconheceu, ou reconheceu várias delas no seu educando, sendo que umas complementam as outras. Assim sendo, através desta Teoria é difícil assumir que somos menos inteligentes que os outros, mas sim, que cada pessoas é detentor de capacidades diferentes, sendo mais perspicaz em algumas situações e ações.

Esta perspetiva deve ser explicada às crianças, de forma a que não se sintam inferiores ou superiores aos colegas, apenas diferentes!

divertidamente.jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 11:16

18
Jan 18

O mais importante numa situação de Bullying é demonstrar ao estudante que acredita nos relatos, que o está a apoiar incondicionalmente e que fará o mais correto para o proteger, assim o estudante sentir-se-á mais seguro e mais capaz de enfrentar a situação.

Contudo, por vezes, os estudantes procuram esconder que estão a ser vítimas e apenas um observar comportamental atento revela a má experiência por que estão a passar. Assim, aqui ficam alguns comportamentos que deve tomar atenção:

- procura de isolamento;

- alterações de comportamento;

- baixa de rendimento escolar;

- recusa em ir para a escola;

- tristeza;

- autoagressões;

- diminuição da autoestima;

- queixas físicas (dores de barriga/de cabeça);

 

Para além disso tome atenção no seguinte:

 

  • Na escola, o estudante, é alvo de brincadeiras de mau gosto;
  • Tem alcunhas pejorativas;
  • Desaparece material e dinheiro, sem justificação plausível;
  • Tem poucos ou nenhuns amigos;
  • Outros recusam brincar com ele;
  • Procura ficar na sala de aula, durante os intervalos;

 

Pretendo lembrar também que, o Bullying pode levar o estudante a desenvolver Fobia Escolar, tema que já desenvolvi em Post’s anteriores e para o qual cada encarregado de educação deve estar alerta, já que algumas escolas ainda apresentam grandes dificuldades em lidar e apoiar estas situações.

 

types_bullying_graph.gif

 

publicado por Maribel Maia às 13:43

15
Jan 18

Em poucos anos a palavra tornou-se muito (re)conhecida, embora o seu conceito já existisse há longos anos, agora está a tornar-se mote de mais reflexão e sensibilização. A palavra Bullying significa agressões físicas ou verbais, realizadas de forma intencional e repetitiva, por um ou vários estudantes contra um ou vários colegas de escola.

Viver esta má experiência preocupa pais, educadores e estudantes, já que pode acarretar problemas físicos e/ou psicológicos difíceis de superar em qualquer criança ou jovem.

Devido às várias funções que desempenhei na área da Educação, contactei com estudantes e encarregados de educação em grande aflição e ansiedade por estarem a viver uma situação destas. Não quero, de forma alguma referir nenhum destes casos concretos, quero apenas alertar para esta realidade atual, deixando, por aqui, mais algumas informações e orientações sobre o tema. 

 

Quando os encarregados de educação são confrontados com uma suspeita de Bullying deve atentar às seguintes situações:

 

  • Não desvalorize os acontecimentos e sentimentos do estudante;
  • Incentive-o a contar toda a vivência, sem medo nem vergonha;
  • Reforce a autoestima e explique-lhe que não tem culpa do que sucedeu;
  • Aconselhe-se com um psicólogo para possível acompanhamento do estudante, se necessário;
  • Desenvolva, com o estudante, atividades e conversas que lhe aumente a segurança, a confiança e a autoestima.

 

Se a situação exigir uma atitude mais direta e ativa, pode recorrer aos seguintes agentes educativos, de forma a que o ajudem a resolver esta situação:

 

- Diretor de turma, e/ou diretor da escola;

- Auxiliares de ação educativa;

- PSP: Escola Segura;

- Psicólogo;

- Família do agressor;

- Outros encarregados de educação.

 

Esta situação não deve ser escondida, pois possibilita ao agressor mais confiança nas suas atitudes e é isso que também deve incutir no estudante. Para além disso, deve informar todos os educadores que contatam com o estudante, vítima de Bullying, para que estes estejam atentos e auxiliem numa evolução positiva.

Muitas vezes as vitimas de Bulling escondem, de todos, o que está a acontecer, portanto, no Post seguinte irei referir algumas situações em que deve estar atento.

bullying-1-728.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:30

11
Jan 18

Principalmente, na disciplina de Língua Portuguesa a avaliação da escrita em textos de desenvolvimento é uma constante, seja nas fichas de avaliação, seja nos Exames Nacionais ou em pequenos trabalhos. Aos estudantes é pedido que escrevam um texto entre 180 a 200 palavras, sobre um tema específico.

Quando não tens ideias para um Tema, cá ficam algumas propostas, para diferentes tipos de textos:

 

Texto Descritivo:

  •  As tuas férias (Natal, Páscoa, Verão)
  • A tua viagem de sonho
  • O teu primeiro dia de aulas
  • Um passeio divertido
  • A terra dos avós
  • O meu dia de aniversário

 

Texto Narrativo:

  • Viagem a uma Ilha deserta
  • Um sonho fantástico
  • Conhecer um super-herói
  • Conversa com um cão falante
  • A amizade entre o cão e o gato
  • Um menino novo na escola

 

 Texto de Opinião:

  •  As duas faces da Internet
  • O bullying na escola
  • A minha opinião sobre os TPC
  • A violência no desporto
  • O uso do telemóvel
  • A importância da amizade

 

Texto Poético

  •  Família
  • Amizade
  • Dias festivos (Natal/Páscoa)
  • Dedicatória a alguém especial
  • Amor
  • Natureza

escrita.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:32

08
Jan 18

Como parte integrante da avaliação, para várias disciplinas, os trabalhos escritos são também um solicitação constante, ao longo do ano letivo.

Estes podem ser trabalhos médios de quinze a vinte páginas, que devem cumprir os requisitos habituais de um trabalho de pesquisa:

  • Capa
  • Índice
  • Introdução
  • Desenvolvimento
  • Conclusão
  • Bibliografia
  • Anexos (se existirem)

 

Para a elaboração deste trabalho o estudante deve ter sempre o cuidado de escreve-lo segundo as suas palavras, após várias pesquisas, leituras e resumos.

Normalmente o professor da disciplina orienta essa trabalho para um tema específico, relacionado com a matéria a lecionar.

Quando não existe orientação para temas, deixo aqui algumas propostas gerais, que podem ajudar na escolha de um tema de pesquisa…. Nunca se esqueçam que, após a escolha do tema deve ser apresentado ao professor para aprovação antes do início do trabalho.

Temas possíveis:

  • Violência na escola;
  • Ecologia e meio ambiente;
  • Meios de comunicação (TV, rádio, internet, livros …)
  • A influência da moda nos jovens;
  • Hábitos de vida saudável;
  • Energia Nuclear;
  • Direitos Humanos;
  • Clonagem;
  • Multiculturalismo;
  • Inteligência Artificial;
  • Os emojis na comunicação;
  • Uma escola melhor;

  

Mais alguma proposta que se tenham lembrado????

trabalhoescrito.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:20

04
Jan 18

E porque este Blogue festeja, este mês, o seu terceiro aniversário, nada melhor do que criar mais proximidade com os leitores/as e seguidores/as deste cantinho cibernético.

Este é um Blog com muito de Educação, com um pouquinho de mim e com muitas das minhas experiências formativas e profissionais, torna-se pertinente criar mais um lugar de partilha e proximidade. Assim, o Blogue Educar(Com)Vida, que já estava na rede social Facebook, agora está também na rede social Instagram, por lá podem encontrar imagens e ideias, para rir, para refletir, para lembrar… para crianças, jovens e adultos…

Sigam em: https://www.instagram.com/educarcomvida/

 

Agradeço, mais uma vez, a vossa preferência ao longo desta partilha, de três anos! 

INST.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 15:15

02
Jan 18

“Como o tempo passa!!!”…. Há três anos atrás queria partilhar a minha experiência na área da educação, da formação e das Explicações, com outras pessoas… tornar estes conhecimentos úteis para mais alguém…tornando este espaço um pequenino apoio para quem tem pela frente anos e anos de estudo e de aprendizagem… e uma ajuda para aqueles que estudam e para aqueles que apoiam esse estudo….para os que crescem e de todos os que auxiliam esse crescimento!

O Blog nasceu a 2 de janeiro de 2015, após vários ensaios escritos e partilhados com amigos para que avaliassem os artigos, mas assim mesmo com o receio de escrever trivialidades lá visitei o espaço da SAPO para alojar este Educar(Com)Vida… depois vieram as pouquinhas visitas e um e outro comentário… entretanto, tudo se tornou rotina: as pesquisas para artigos… os diálogos como reflexões… a leitura de outros Blogues… a partilha dos Post’s semanais…

 Agora procuro, por cá, aparecer todos os dias, porque sinto a falta dos vossos Blogues e dos vossos comentários…porque esta partilha me trouxe aprendizagem e conhecimento…

E porque todo o trabalho continua a recompensar o gosto pela partilha… agradeço-vos estes três anos de Blog!

Obrigada!!!!!!!!!

3aniversarioBLOG.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 13:18

Janeiro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
16
17
19
20

21
24
26
27

28
30
31


mais sobre mim
pesquisar
 
subscrever feeds
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Instagram
blogs SAPO