Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Educar (Com)Vida

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Com um olhar pluridimensional, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida...este é um convite para conversar sobre educação.

Esclarecer conceitos sobre Educação:

Por várias vezes escrevo sobre a Educação num sentido bastante alargado, referindo-me a uma educação formal, não-formal e informal. No entanto, gostaria de explicar estas três vertentes educativas, pelas quais passamos ao longo da vida definindo, assim, algumas dúvidas que o leitor possa ainda ter.

Todos nós vivemos momentos de aprendizagens formais, não formais e informais, vejamos a especificidade de cada uma destas vertentes educativas:

  • Educação Formal: decorrida em contexto formal de aprendizagem, como por exemplo: a escola, os cursos, as formações, a faculdade, etc. Apresenta-se como momento(s) da nossa vida em que nos dispomos a aprender através de entidades legais privadas ou estatais que oferecem momentos de ensino/formação através de momentos teóricos/práticos de aprendizagem.
  • Educação Não-Formal: decorre em variados contextos que, embora não sejam instituições com fins educativos, promovem momentos de aprendizagem ricos e conscientes, temos como exemplo o trabalho profissional, o voluntariado, a participação em instituições artísticas, desportivas, religiosas, etc.
  • Educação Informal: decorre de experiências vividas no quotidiano, que muitas vezes são pontuais mas, mesmo assim, muito ricas pelos conhecimentos que nos trouxeram, são experiências, normalmente, de contexto mais prático, nem sempre conscientemente assumida como aprendizagem, mas imprescindível para uma melhoria da nossa qualidade de vida, por exemplo: saber cozinhar, saber utilizar equipamentos eletrónicos, saber lidar com sentimentos e emoções, etc…

Por esta razão, torna-se necessário assumirmos que a Educação e a Aprendizagem desenvolve-se ao longo de toda a vida e, nos mais variados contextos, para tal devemos de nos apresentar dispostos a romper com os nossos preconceitos e aceitarmos que existem formas alternativas de aprendizagem ao sistema formal e estatal, aceitarmos que a comunidade e a família são locais privilegiados de aprendizagem que ultrapassam em grande escala os ‘bancos de escola’.

banner_educacao.jpg

 

Inquietude: As AEC’s são lúdicas?

Concordo inteiramente com o que li no site: www.apagina.pt/: «As atividades de enriquecimento curricular (AEC) no 1º Ciclo devem ser “eminentemente lúdicas” e sem avaliação. Estas foram as orientações enviadas pelo Ministério da Educação (ME) às entidades que promovem as AEC, de acordo com um comunicado da tutela.

“Pretende-se que as AEC não constituam mais horas de ensino formal, aliviando-se a carga horário de atividades letivas dos alunos no 1º ciclo, dando espaço a atividades que cumpram as expetativas das crianças e a da sua formação integral”, refere o ME, que pretende que as atividades não sejam “um prolongamento de atividades formais de ensino”.» (In: A página agosto de 2016).

 

 

Hoje, a minha inquietude não é uma reflexão, é uma pergunta: Concordam? Têm filhos a frequentar AEC’s? Conhecem a realidade? As AEC’s são efetivamente lúdicas ou muito ainda falta a fazer?

Agradeço a vossa partilha e opinião….

aec.jpg

 

A falta de vocabulário…e não só…

Aos que acompanham semanalmente este espaço sabem que passo bastante tempo a refletir sobre as minhas experiências com estudantes, sobre as conversas, as dúvidas, as reflexões… e que eles as partilham de uma forma simples mas confiante.

Foi através destas minhas reflexões práticas que me apercebi, por várias vezes, da dificuldade dos estudantes em perceberem conceitos ouvidos ou lidos, não percebendo assim grande parte das matérias dadas, não conseguindo por isso exprimir-se corretamente ou articular conhecimentos e noções.

Estas dificuldades aparecem nos primeiros anos escolares e, muitas vezes, acompanham o estudante até ao secundário… estes estudantes têm dificuldade em entender o que leram, o que o professor fala, têm dificuldades também em perceber a sociedade atual, as decisões políticas e históricas, em passar da teoria à prática, em refletir criticamente e criativamente.

Na minha opinião cabe a toda a sociedade apoiar o desenvolvimento de novos e diferentes conhecimentos que ultrapassem a barreira dos manuais escolares, cabe à sociedade a construção constante de incentivos nas mais variadas áreas: Política, Artística, Religiosa, Cultural….  

E em casa, para além de tudo isto deve-se incentivar a Ler e a Escrever, são ambos caminhos seguros para a construção de um maior vocabulário, de maior memorização, de maior concentração e maior criatividade.. isto deve começar muito cedo, quando nos primeiros anos de vida já se ouvem histórias para adormecer…

leitura.jpg

 

Escolhe o teu futuro…

Estamos a meio do ano letivo e muitos jovens começam a pensar, seriamente, nos seus futuros profissionais e, todas as ajudas e orientações são bem vindas. Portanto, apontem nas agendas e visitem:

 

Lisboa: Futurália – 29 de março a 1 de abril de 2017

«A Futurália dispõe de uma mostra abrangente, oferecendo todas as áreas e níveis de qualificação, como ensino superior, ensino profissional ou pós-graduação. Instituições nacionais e internacionais.

De modo simples e personalizado, os estudantes podem conhecer e tirar dúvidas sobre os diferentes cursos, programas académicos nacionais e internacionais ​​e outras questões relevantes para as suas escolhas de futuro.

Visitar esta Feira de Educação/Formação é uma oportunidade, um encontro ideal entre estudantes, pais, professores e instituições de ensino.» (http://futuralia.fil.pt/)

 

 

Porto: Mostra da Universidade do Porto – 20 de abril a 23 de abril de 2017

«Se estudas no ensino básico ou secundário, visita a Mostra da Universidade do Porto, uma instituição de ensino e investigação científica de referência em Portugal, figurando hoje entre as 150 melhores universidades europeias nalguns dos mais importantes rankings internacionais do Ensino Superior.

Na Mostra podes dialogar de perto com docentes, investigadores e estudantes e técnicos universitários, que te irão orientar e dar-te a conhecer a oferta formativa da Universidade do Porto, contribuindo para uma decisão vocacional futura mais informada.» (https://www.mostra.up.pt/)

banner1_2017_pt.jpg

 

5 Dicas para Decorar/Memorizar:

Diálogo entre mim e um/a estudante de 2ºciclo:

«Eu:_ Como está o estudo?

Estudante: _Já estudei muito hoje… já escrevi os números até 100 em inglês!

Eu: _Era trabalho de casa?

Estudante: Sim, a professora mandou, que era para nós decorarmos…»  

 

Quantas vezes educadores e pais ouvem tais afirmações: ‘tenho de escrever vinte vezes’, ‘tenho de fazer as tabuadas três vezes’, … eu seja, copiar e repetir várias vezes, sempre com o mesmo objetivo: decorar… não nego que, é necessário saber escrever sem erros, saber as tabuadas… e assumo que a repetição é, sem dúvida uma forma bastante eficaz de memorizar/decorar… mas confesso que, sempre que ouço um estudante dizer-me que tem para fazer tal tarefa me ‘aperta o coração’ saber o tédio que terá de enfrentar na execução de tal trabalho…. por isso, admito a existência de alguma aversão ao estudo e aos TPC’s por parte destas crianças e jovens!

Não posso, de todo, acabar com tais trabalhos escolares contudo, posso propor algumas formas mais interessantes de memorizar as matérias aprendidas na escola… ficam aqui algumas dicas:

 

  • Recorra à audição: que para além da visão auxilia na memorização, existem vários vídeos na internet direcionados a crianças, que com músicas e imagens apresentam a matéria a estudar.
  • Recorra às pausas: a matéria é mais fácil de interiorizar aos poucos, portanto em vez de decorar algo em apenas um dia, prolongue o estudo para uns minutos em cada dia, relembrando sempre a mesma matéria.
  • Recorra a associações: podem fazer-se associações divertidas, como um til se chamar língua de cão, ou como escrever avô implica sempre colocar-lhe um ^(chapéu) e à avó um ´(lenço). Ou associações a situações práticas, como por exemplo, a palavra centrifugação aprendida em Ciências/Físico-química significa o mesmo efeito que a máquina de lavar roupa lá de casa.
  • Fuja das confusões: Quando se está em processo de memorização e, o processo que estava a tornar-se mais rápido e claro de repente torna-se demasiado confuso e difícil está no momento de parar... por alguns minutos ou um dia…
  • Faça desenhos, escreva em cartolinas: para afixar em lugar de estudo é também um método eficaz de relembrar matérias. Quantos de nós temos vários post-its à volta no PC, em casa ou no trabalho???

 

Conte-nos se conhece mais alguma forma de memorização eficaz, seja consigo ou com outros estudantes, poderá ajudar quem nos visita! Obrigada.

memoria_16645_l.jpg

 

‘Rebeldes’: os que não estudam o suficiente…

Diálogo entre mim e estudante de 2º ciclo:

«Eu: _És repetente deste último ano?

Estudante: Sou.

Eu: _O que andaste a fazer o ano passado?

Estudante: _Andei a passear os livros…

Eu: _ Então gostas muito da escola, é que assim andas lá mais tempo!

Estudante: _Num gosto de estudar… num sei nada… num percebo nada… num tenho paciência...»

 

Foi uma das minhas conversas… das tantas deste género que já tive… que vários pais já tiveram… que vários professores já tiveram, certamente!

Estes estudantes apresentam sempre caraterísticas semelhantes: um desinteresse enorme pelas disciplinas no geral, não reconhecem as dificuldades em determinadas matérias, apenas a preguiça e o desinteresse geral, têm toda uma comunidade educativa (pais/professores/etc) que não conseguem renovar a motivação e o interesse perdido, pela escola e pela construção de um futuro pessoal e profissional.

Estes estudantes precisam, primordialmente, que não se desista nem estereotipe ainda mais estes casos. O estimulo de reflexão sobre projetos futuros e os desejos profissionais devem ser uma constante e delicada conversa. O controlo de rotinas e tempos livres deve ser assegurado e o tempo de estudo fora das aulas deve ser efetivo.

E, se em casa quiser ter a certeza de que o aluno estuda, partilhe o espaço (sala/escritório) de estudo com ele, retire-lhe todas as distrações (telemóvel, PC, TV) defina os trabalhos/estudo a realizar, sente-se a seu lado a ler um livro ou uma revista enquanto ele estuda e, no final do tempo de estudo, reveja e corrija o trabalho realizado. 

Nestes casos específicos a ajuda de todos os profissionais é bem vinda, se considerar necessário pode recorrer ao apoio de professores, de psicólogos, de explicadores, de acordo com cada especificidade apresentada.

mafalda (1).jpg

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D