Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

24
Out 16

Sendo a dislexia uma dificuldade de aprendizagem, trará, ao estudante, dificuldade em manter boas avaliações. Por vezes  estes baixam os resultados escolares em várias disciplinas devido aos erros ortográficos e demonstram mais dificuldades em compreender questões e interpretar problemas.

Tal como já referi, torna-se imprescindível que a comunidade escolar se apresente cada vez mais disponível e sensível para este tema.

Para além disto,  aos educadores/pais/explicadores cabe oferecer um apoio maior e individualizado a estes estudantes, que deverá passar por:

  • Conversar com o estudante sobre o tema e desmistificar receios;
  • Corrigir todos os erros ortográficos de todo o caderno diário e de todos os escritos produzidos pelo estudante;
  • Promover momentos de treino da escrita, constantemente;
  • Incentivar à leitura e interpretação de textos e obras literárias;
  • Reler perguntas e problemas em alta voz para apoiar a compreensão destas;
  • Dedicar momentos especiais ao estudo ortográfico;
  • Utilização de métodos multissensoriais;
  • Incentivos positivos;

 

Para além de todas estas particularidades, não nos podemos esquecer que, um estudante disléxico necessita de um maior esforço para estudar e melhorar a sua escrita, portanto é desejável o incentivo e a constante motivação para tal.

dislexia-no-cerebro.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:43

17
Out 16

Diálogo entre mim e um/a estudante de 3º ciclo:

«Eu:_ Tiras boas notas?

Estudante: _ Podia ser melhor se não fosse esta coisa chamada dislexia.»

Eu: _ Achas que esse problema interfere muito com o estudo?

Estudante: _ Pois?…»

 

Já aqui falei, em publicações anteriores, de Necessidades Educativas Especiais e a dislexia insere-se neste contexto, pois interfere com a capacidade de aprendizagem, dos estudantes ao longo de toda a vida.

A dislexia define-se como «(…) uma incapacidade específica de aprendizagem, de origem neurobiológica. É caraterizada por dificuldades na correção e/ou fluência na leitura de palavras e por baixa competência leitora e ortográfica (…) que pode impedir o desenvolvimento do vocabulário e dos conhecimentos gerais» (Associação Internacional de Dislexia).

Ao longo do meu percurso apoiei alguns estudantes com este diagnóstico, contudo nem sempre senti o apoio necessário, por parte das suas escolas, na sensibilização de uma avaliação adaptada a esta situação, esta inquietação também é refletida pela Especialista em Dislexia Drª Paula Teles que afirma: «no nosso país o Decreto-lei 3/2008, aplica-se às crianças com necessidades educativas especiais, mas não faz qualquer referência em relação à metodologia reeducativa a adotar. Na grande maioria dos casos os alunos dependem da “benevolência” dos professores, desculpando a falta de correção, a fluência leitora, a limitação vocabular, os erros ortográficos...» (In Revista Portuguesa de Clínica Geral: 2004). Fica portanto, aqui, um alerta a toda a comunidade escolar para se pensar em novos métodos de apoio e intervenção.

Por toda esta complexidade, pretendo dar continuidade a este tema, nos próximos artigos…

images (1).png

 

publicado por Maribel Maia às 14:26

28
Mai 15

As novas regras do Acordo Ortográfico são muitas e, tal como já referi, de difícil memorização. Por esta razão refiro aqui algumas das alterações mais gerais que mudam a escrita das palavras, são elas:

  • o desaparecer de alguns C ou P antes das consoantes, sempre que estes não se leem,
  • a ausência dos hífens em algumas palavras;
  • a escrita dos meses do ano em minúsculas;
  • a ausência de alguns acentos gráficos;
  • a união de algumas palavras, antes separadas por hífens;
  • as exceções a todas estas regras;
  • etc…

A prática da leitura e da escrita, conforme estas alterações, apoiam esta adaptação portanto, procure que o educando leia livros já adaptados ao novo acordo, para além disso, o treino da escrita e o estudo do que mudou são também tarefas importantes no desenvolvimento das capacidades de escrita.

Em anexo, deixo as alterações gerais e mais importantes deste novo acordo, para rever e consultar sempre que necessário.

 

Guia_Acordoortografico.pdf

 

publicado por Maribel Maia às 14:47

25
Mai 15

Anteriormente, já aqui referi que o Acordo Ortográfico estava em processo de alteração. A partir deste mês de maio este processo de adaptação dá-se por, legalmente, concluído através do Decreto Lei: Diário da República, 1.ª série — N.º 182 — 17 de Setembro de 2010. Portanto, relativamente ao ensino escolar, todos os estudantes serão formados e avaliados de acordo com esta nova Ortografia.

Muito se reflete entre quem está de acordo ou em desacordo, contudo, independente da sua opinião sobre o assunto, deve ter o cuidado de apoiar o seu(s) educando(s) conforme este novo acordo, para não confundir a aprendizagem de quem escreve e é avaliado por tal.

Certo é que, estas novas alterações não são de fácil assimilação e memorização, por esta razão sempre que surgirem dúvidas deve ser consultado o dicionário ou a gramática, já adaptados ao novo acordo ortográfico e às novas regras da gramática, que também sofreram alterações.

image.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 14:45

Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
15
17
18

19
21
24
25

26
27
28
29
30


mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO