Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

02
Fev 17

Se continuamos a afirmar convictamente que não podemos ser tratados de forma igual, porque todos somos diferentes… se neurocientistas afirmam que o cérebro humano desenvolve-se de forma diferente de criança para criança… se cada estudante tem as suas capacidades e motivações de forma muito subjetiva… então… como poderá uma escola ensinar corretamente e eficazmente com turmas em que o número de alunos é, muitas vezes, próximo dos 30?

Sei que, a maioria dos professores procura fazer o seu trabalho o melhor que consegue dentro desta realidade diária… contudo, acredito que se obteriam melhores resultados escolares e mais motivação pela escola se este número de alunos por turma pudesse ser reduzido, permitindo uma maior oportunidade de olhar cada estudante com as suas competências e dificuldades… maior apoio individualizado… e maior concentração por parte de quem aprende…

Concordará, o leitor, comigo em mais uma das minhas inquietudes? O que gostaria a acrescentar sobre este tema? 

turmaenorme.png

 

publicado por Maribel Maia às 12:07

13
Jun 16

Já ouvi em vários debates televisivos a referência à escola como promotora de ensino sobre igualdade, solidariedade, inclusão, etc… concordo em pleno com tais informações, pois a escola é lugar de permanência de crianças e jovens em crescimento e desenvolvimento integral, um lugar que deve propiciar tais momentos e aprendizagens…

Muito embora, deva assumir que, analisando de forma mais prática e concreta me surjam várias dúvidas e questões que gostaria de partilhar com o leitor… se em cada disciplina existe um plano de estudos que o professor deve seguir escrupulosamente, ao longo do ano, e neste plano em nada se fala sobre temas como inclusão/exclusão, tolerância/discriminação…. Passarão para onde estes momentos de ensino/aprendizagem?

Mesmo com professores sensibilizados para tal educação, serão alguns minutos, dentro de uma sala de aula, entre o ensino de uma Equação e da Formação de Rochas, que se sensibilizam estudantes para tais questões?

Será nos meandros dos intervalos, entre pares e com a supervisão de poucos Auxiliares de Ação Educativa que se proporcionam tais momentos? Ou será necessário estruturar novos horários, novas equipas e novos métodos de Educação para o Saber Ser?

 

educar.gif

 

 

publicado por Maribel Maia às 17:16

21
Abr 16

Cada vez mais, a sociedade atual apresenta-se alerta para as questões do desenvolvimento emocional, da necessidade de ensinar novos temas que são parte integrante de um ser humano saudável e feliz, como os conceitos de: Amor, Relacionamento, Vida Saudável, Sociedade, Cultura, etc… intrínseco a tudo isto está o conceito de Sexualidade, tão debatido, fora das escolas… tão amado e odiado dentro das escolas!

Há já vários anos que se procuram incluir momentos de ensino-aprendizagem sobre sexualidade nas escolas e vários ‘projetos piloto’ foram concretizados com elevada taxa de sucesso… contudo muitas são as criticas ao assunto, com receios e anseios latentes em todos os intervenientes de educação.

Educar para a sexualidade é educar para o reconhecimento e respeito pelo outro, para um melhor conhecimento de si mesmo, de sonhos e desejos… é ensinar presente e futuro, é aprender sobre afetos e emoções… é procurar apostar em futuros adultos emocionalmente mais fortes , saudáveis e responsáveis…

Serão receios morais ou financeiros que fazem com que a sexualidade permaneça escondida dentro das nossas escolas? Não terão direito, os estudantes, a poderem aprender, sobre este tema, com outros agentes da educação, para a além dos pais e amigos…terão de o fazer, muitas vezes, sozinhos?

educa_sexual_2.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 14:07

01
Fev 16

A oferta de serviços de explicações é, cada vez maior e mais variada, facilmente encontramos centros de estudos, explicadores e ATL’s que proporcionam formas de estudo individualizadas ou em grupo. Com o propósito de apoiar as aprendizagens realizadas na escola. Muitas vezes, estes espaços são também lugares de ocupação de tempos livres e cuidadores, nos horários laborais dos pais, proporcionando transporte e alimentação, para além do apoio nos trabalhos de casa e na preparação para testes. Estas são, portanto, ofertas variadas e que têm de ser escolhidas de acordo com a capacidade financeira de cada encarregado de educação.

Através da minha experiência e dos vários relatos conhecidos, é sabido que as explicações mostram melhorias nos resultados escolares e são âncora segura para pais e estudantes no caminho para o sucesso escolar. Tal situação poderá levar a novas reflexões no âmbito das desvantagens e desigualdades sociais no acesso e sucesso escolar, já que, nem todas as famílias podem sustentar este apoio pago!

Neste sentido, algumas questões se levantam: serão as explicações mais uma poderosa ferramenta escolar, só para os estudantes de famílias que as possam pagar? Existirá angústia permanente de pais, com baixos rendimentos, por não poderem pagar explicações aos filhos?  

img-45-340820-original-01.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 15:03

28
Set 15

Tal como referi no Post anterior, aqui fica a minha primeira 'Inquietude' partilhada, voltarei a escrever algumas mais sempre que elas sobrevoarem o meu pensamento:

 

Quantas vezes encontramos encarregados de educação despreocupados porque o estudante tirou más notas a disciplinas como a educação física, a música ou a educação visual?! Estas são disciplinas assumidas como ‘menores’ em comparação com todas as outras…?!? Mais ainda quando falamos da disciplina de português e matemática?! Até porque negativa a tais disciplinas podem comprometer a passagem ao ano letivo seguinte.

Certo é que, não seremos adultos felizes e completos se apenas soubermos as formulas matemáticas mais complexas, até hoje descobertas…. Para a felicidade a formula matemática não foi ainda encontrada… com grande pena para alguns!

Certo é que: compreendermos o valor da Arte, da Cultura… é o desperta de sentimentos e emoções extremamente enriquecedores e transcendentes,  que muito nos eleva enquanto seres humanos.

Certo é que: desenvolver novas capacidades físicas é tão necessário ao ser humano, como as capacidades intelectuais… já diz o velho ditado ‘mente sã em corpo são’…

E, certo é que: a educação tem de passar pelos valores de uma sociedade inclusiva, cooperativa, que desenvolva no ser humano grande nível de inteligência racional e emocional, que saiba ser, estar e fazer…. E estes saberes ultrapassam em muito os livros de qualquer disciplina…

 

geed_lanca_formacao_educacao_ini.jpg

 

 

 

publicado por Maribel Maia às 14:37

Sempre apresentei os meus Posts com base em direções definidas, com conselhos, orientações, propostas, para quem é educador ou educando… contudo, é certo que existem temas que gostaria de debater e de, simplesmente, questionar, interrogar, partilhar… reflexões que me inquietam como Educóloga. Neste sentido, a partir de hoje, alguns dos meus Posts publicados chamar-se-ão INQUIETUDES e trarão escritas, apenas e só, estas minhas inquietações de quem nunca se mostrou indiferentes a temas que necessitam de debate e de reflexão, atualmente, em toda a sociedade educativa.

Agradeço, desde já, a leitura… os comentários… as partilhas e as reflexões com base numa crítica construtiva, que procure melhorar uma sociedade através da Educação!

 

jogos texto.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 14:31

Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO