Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

16
Nov 17

Talvez seja devido aos cortes orçamentais que os estudantes de hoje têm poucas visitas de estudo, proporcionadas pelas escolas. Contudo, mantenho a opinião de que estas são elemento importante na aprendizagem, pois «constituem uma situação de aprendizagem que favorece a aquisição de conhecimentos, proporciona o desenvolvimento de técnicas de trabalho, facilita a sociabilidade.» (in www.netprof.pt/).

Assim, e para os educadores que têm essa possibilidade, deixo o desafio de refletirem mais sobre possíveis lugares a visitar, dentro e fora do país, que permitam a aquisição de mais cultura, contato multicultural, conhecimento histórico, artístico e geográfico…

Viajar, visitar, contemplar, escutar, enriquecem o ser humano de forma profunda e transformadora, desenvolvem novos saberes, despertam curiosidades, aguçam sentidos, constroem competências.

Visitar museus, espetáculos, novas cidades, galerias, bibliotecas, e tantas outras formas de arte, contribuem para o desenvolvimento e crescimento educativo, facilitando a aquisição de conhecimento de forma mais natural e interessada…pois, alia-se o conhecimento teórico recebido em contexto sala de aula com o conhecimento prático de quem sente e vive o que leu.    

escolar_img.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:49

08
Nov 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de 3ºciclo:

«Estudante: Tenho de fazer uma composição sobre uma pessoa famosa… não conheço ninguém e não sei o que escrever….

Eu: Se gostas de tocar guitarra, também gostas de ouvir música, certo?

Estudante: Gosto… bastante…

Eu: O que gostas mais de ouvir?

Estudante: Nirvana…. Ah… posso escrever sobre kurt Cobain???

Eu: Sabes alguma coisa sobre ele?

Estudante: Sei algumas coisas….»

 

 

Por vezes, ao longo das explicações, desenvolvia conversas paralelas com o estudante, se alguém ouvisse certamente poderia achar uma perda de tempo este desvio de tema, que fica muito longe da disciplina de Ciências… de História… etc… Lamento, mas discordo! Se concretizo algumas destas ditas ‘conversas paralelas’ é porque me interesso por quem está à minha frente, esse estudante não é apenas importante porque vai tirar boas notas nos testes… para mim importa saber o que o torna ansioso, nervoso, desmotivado, inseguro… aquilo que o motiva, alenta, desperta curiosidade… nestas conversas percebo o estádio de desenvolvimento emocional, as capacidades de raciocínio, de abstração e de memória… reconheço as caraterísticas que fazem o João, o Pedro, a Mariana, único/a e diferente de tantos outros meninos e jovens da mesma idade…

Portanto assumo esta minha necessidade de conversar com as crianças e com os jovens… de aprender com eles tudo aquilo que, diariamente têm para me mostrar.

frase minha.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 14:11

06
Nov 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de 1º ciclo:

«Eu: _O ano passado também andavas nos trampolins, não era?

Estudante: _ Sim, mas este ano saí.

Eu: _Porquê?

Estudante: _ Era muita coisa, muitas atividades… os meus pais disseram que não podia ser! Porque eu andava a sempre a correr de um lado para o outro..»

 

Cada vez mais as crianças desejam participar em atividades extra escolares, pode ser a música, o desporto, os escuteiros e tantos outros grupos que ensinam a crescer de uma forma diferente daquilo que a escola apresenta.

O espírito de equipa, os novos conhecimentos, o desenvolvimento de outras competências, o gosto pela arte… estas participações tornam-se excelente práticas que ajudam os mais novos a crescerem em pleno, seguindo as várias variantes da Educação.

Contudo, como sempre, tudo o que é excesso torna-se incomportável, tanto para crianças como para os pais. O exemplo que aqui apresento é de uma criança que participava três ou quatro destas atividades extra escolares, ao longo da semana, sendo que os pais, no final do ano letivo, consideraram que seriam muitas atividades e havia necessidade de reduzi-las.

Não considero que exista um limite máximo ou mínimo neste género de participações, contudo, cabe à família refletir com bom senso e decidir tais opções, pois, diariamente as crianças devem ter tempo para fazer os trabalhos de casa, estudar e também para brincar, pois brincar, para uma criança é algo de muito sério e importante, que contribui, em muito, para o seu desenvolvimento integral!    

o-que-voce-gostaria-de-ser-quando-crescer-821.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:36

01
Nov 17

Como já referi no Post anterior, um estudante Sobredotado deve ser interpretado com alguém com características específicas, diferenciadas e que carece de um apoio escolar diferenciado e assumido na Lei. Desta forma, se surgirem razões para tal, o diagnóstico deve ser solicitado e efetuado, sinalizando-se e definindo-se a orientação necessária, junto de pais e educadores, para a progressão correta da Educação/Aprendizagem.

O diagnóstico deve ser realizado inicialmente por um profissional da área da Psicologia, através da realização de vários testes, dependendo das especificidades, o diagnóstico pode ser continuado através de uma equipa multidisciplinar, composta por um docente especializado, um psicólogo e um técnico de uma área específica de talento.

Contudo, educadores/pais/professores que precisem de um apoio e/ou orientação mais concreta, podem recorrer à Associação Portuguesa das Crianças Sobredotadas(APCS) http://www.apcs.co.pt/.

A importância do real diagnóstico prende-se com o facto de que, por vezes, estes estudantes são olhados como hiperativos, ou com outras perturbações que o condicionam e podem afetar ações direcionadas.

ninos-superdotados.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 09:36

31
Out 17

HappyH.jpg

 Um Halloween muito divertido e guloso para todos os/as estudantes!!!

publicado por Maribel Maia às 16:30

30
Out 17

Já por aqui escrevi sobre necessidades educativas especiais, especificando algumas delas de forma mais detalhada. Considero escrever, especificamente, sobre este vasto tema, já que muitos educadores procuram algum apoio e conhecimento através da internet. Neste e nos próximos Post’s, surgiu-me o interesse em escrever/pesquisar/refletir sobre estudantes Sobredotados.

Este é um tema que, em princípio, pode não parecer incluir-se nas definições de Necessidades Educativas Especiais, contudo, em Portugal  as crianças e jovens sobredotados foram reconhecidos na Lei como portadoras de necessidades educativas específicas (Desp.º n.º 50/2005 de 9 de Novembro) e que prevê que as escolas deverão efetuar para tais alunos um Plano de Desenvolvimento. Esta situação ocorre, uma vez que, ser Sobredotado significa ter capacidades específicas e formas de aprendizagem diferenciadas.

Assim sendo, surge a necessidade de diferenciar uma criança dita ‘normal’ de uma criança Sobredotada:

A definição vem pela voz de investigadores especialistas que apontam as seguintes características diferenciadas:

  • capacidade acima da média – distingue-os a facilidade com que obtêm êxito em determinadas matérias ou a facilidade que revelam na aquisição determinados conhecimentos ou competências em áreas específicas.
  •  persistência na resolução de uma tarefa – uma grande capacidade de trabalho, direcionando uma invulgar quantidade de

energia para a resolução de problemas ou de uma atividade específicas.

  • Elevada criatividade -  revela-se pela natureza e frequência das perguntas, jogos e associação de conceitos. É com frequência que as crianças e jovens com esta característica surpreendem os adultos com a

qualidade das suas produções.

sobredotados1.jpg

 

(Renzulli,1986) 

 

 

 

publicado por Maribel Maia às 10:09

27
Out 17

 

 

estrelas_2017.jpg

estrelas_2017 (1).jpg

 

 

 

incentivos-para-cadernos-minions.png

 

incentivos-para-cadernos-minions (1).png

 

 

Meus Incentivos2018bP.jpg

 

 

Meus Incentivos2018bP (1).jpg

 

publicado por Maribel Maia às 09:36

04
Set 17

Nos próximos Post’s vou deixar-vos alguns documentos para imprimirem, que poderão ajudar na preparação, personalização e organização do novo ano letivo, venham visitar e fazer download do que entenderem!

 

Até breve!

 

 

canetas-e-lapis.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:02

01
Set 17

Para alguns estudantes, o começo do novo ano letivo pode ser o repetir do mesmo ano de escolaridade, por não ter revelado, no ano anterior, o aproveitamento necessário à conclusão do ano.

No entanto, embora as causas da retenção possam ser diversas, repetir o ano escolar, não significa, por si, mais facilidades.

 Assim, para os que têm este ano esse desafio, cá ficam algumas propostas de trabalho, para começar já no início de ano:

  • Procure ajuda profissional, para acompanhamento ao longo de todo o ano letivo, Explicador, Psicólogo, etc., de acordo com as necessidades encontradas no ano anterior;
  • Crie novas rotinas de estudo, mais adaptadas ao estudante e mais rigorosas;
  • Compre livros de apoio ao estudo, das disciplinas em que existam mais dificuldades, estes devem ter fichas e exercícios propostos, com as devidas soluções;
  •  Inclua no material dicionários, gramáticas e livros do Plano Nacional de Leitura;
  • Defina uma tarde ou uma manhã do fim de semana como momentos de rever matérias com maior dificuldade;
  • A motivação e o desejo de evoluir devem estar sempre presentes;

 

Mesmo para os estudantes de secundário que optam por fazer um ano letivo de melhoria, às disciplinas com notas mais baixas, o empenho e dedicação deve começar já em Setembro!

 

Algumas propostas que gostariam de acrescentar?

dicas_reprovação.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:50

24
Jul 17

Ao longo destas férias, irá encontrar alguns dias em que a falta de imaginação para entreter as crianças esteja muito presente. Para estas alturas, deixo aqui algumas propostas, seja dentro de casa ou fora, rapidamente terá uma a duas horas de diversão garantida. Poderá fazer a escolha de acordo com as condições meteorológicas ou, de acordo com a vontade de todos:

No exterior:

  • Aproveite o que está mais próximo, um parque, um jardim ou uma praia, para um passeio ou uns jogos tradicionais;
  • Se tem um pequeno jardim ou horta, podem aproveitar para os cuidados diários, regar, retirar ervas, plantar, etc;
  • Pode ir comprar, uma ou mais brincadeiras bem baratas, que são bastante divertidas: o frasquinho para fazer bolinhas de sabão, cartas ‘UNO’, o ‘dois em linha’, o ‘jogo da glória’, o ‘cubo mágico’, etc…
  • Com uma máquina fotográfica, ou o telemóvel, tirar fotografias às mais variadas espécies da natureza (animais, plantas) descobrindo pequenos encantos;

 

No interior:

  • A construção de puzzles, plasticinas, ou barro, podem motivar à imaginação e à criatividade com muita alegria;
  • Se a vontade é descansar, um bom filme de animação pode sempre ajudar ao sossego e à aprendizagem;
  • Na internet encontram-se vários desenhos para colorir, de muitos temas e heróis da pequenada, depois de impresso, com uns lápis de cera ou de cor, desenvolve-se a motricidade fina;
  • Se o objetivo é animar e sorrir, procurar uns trava-línguas ou umas anedotas infantis torna o momento, logo, agradável;
  • Os trabalhos manuais, para famílias com jeito, são fantásticos… basta umas lãs, uns cartões… corta e cola… saem objetos práticos e divertidos;
  • Um livro pequeno, com texto narrativo e várias personagens, transforma-se num teatro com variadas personagens;
  • Ensinar a utilizar os vários programas de computador para quando precisarem de fazer trabalhos escolares;

travalnguas-1-638.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 14:15

Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
15
17
18

19
21
24
25

26
27
28
29
30


mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO