Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

13
Jul 17

Para as crianças e jovens, cozinhar é uma das tarefas domésticas, mas das mais divertidas… já muito pequeninos (3 ou 4 anos) adoram ajudar na cozinha a fazer coisas bastante simples mas motivadoras. Para além disso, quando a dedicação e o trabalho se concretiza em algo delicioso para se comer ou beber, torna-se ainda mais agradável concretizar tal atividade.
Por tudo isso, hoje a sugestão para estas férias são as visitas à cozinha, seja para ajudar na tarefa de cozinhar a refeição (os jovens podem ser encarregues de toda a confeção, sozinhos), seja numa manhã ou tarde de confeção de sobremesas… doces ou salgados!
Se quiserem prolongar esta tarefa para um grau maior de desenvolvimento, podem combinar um lanche, convidando um ou dois amigos, propondo ao estudante que concretize toda a preparação e gestão deste momento, sempre com a supervisão de um adulto.

crianlas_brownie.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 09:15

10
Jul 17

Existem responsabilidades domésticas que os estudantes devem conseguir fazer diariamente e que devem sentir como responsabilidade, isso é muito importante para que a criança ou jovem perceba que as limpezas e arrumações pertencem a todos em casa, não é diferente de género nem de idade.
Muitas vezes os pais têm receio de propor tarefas domésticas às crianças, mais pequenas, que elas não estejam capazes de desenvolver, por esta razão, deixo-vos em imagem algumas propostas de tarefas que as crianças devem ser capazes de realizar, de acordo com a sua idade. Estes pequenos trabalhos devem estar incluídos nas rotinas diárias ou semanais em tempo de férias, também!

autonomia.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:54

27
Jun 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de 2º ciclo:


Eu: _ Nesse exercício pede para descreveres o animal que mais gostas. Qual é?
Estudante: _ Da minha cadela!
Eu: _ E como é que ela é?
Estudante: _ É espetacular… é castanha e branca… brinca muito e é muito esperta... mesmo….»

 

Quantas vezes nos trabalhos escolares é pedido às crianças que escrevam/descrevam o seu animal de estimação, ou o animal de que mais gostam. Pelo que converso com os estudantes sobre esse assunto: os que têm um, ou mais, animais em casa adoram-no(s), são sempre a sua espécie preferida e se pudessem teriam mais… aqueles que não têm, afirmam que a ideia os interessa bastante e referem já ter pedido aos pais, por várias vezes para terem um, tenha asas ou focinho, ou escamas…
A maioria dos pais já teve um animal de quem tratou e, portanto, assusta-se com os trabalhos inerentes aos cuidados e tratos que qualquer animal necessita, logo sempre que um estudante pede para adotar um animal a resposta é prontamente ‘Não… não temos espaço, nem tempo para ele…’ mas note que, ter uma animal de estimação em casa traz benefícios para as crianças, jovens e adultos… No próximo Post escreverei sobre alguns desses benefícios!
Antes de mais, gostaria de deixar aqui um alerta de que se deve explicar às crianças que, ter um animal de estimação não é o mesmo de que ter um brinquedo, que implica enorme responsabilização e cuidados!!!

amizade-bebe-bulldog3.gif

 

publicado por Maribel Maia às 14:06

26
Jun 17

Hoje fui presenteada, pela equipa da SapoBlog com um DESTAQUE, na publicação do meu artigo: As férias escolares...estarão desajustadas? 

Não estou muito habituada a estes privilégios, portanto, agradeço o destaque, os comentários e os leitores visitantes!
Lembro que, mesmo em tempo de férias escolares podem continuar a visitar este Cantinho, onde se reflete sobre uma Educação Transversal!


Obrigada e boa semana!

destaque.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:56

09
Jun 17

Todos nós sabemos que, se os estudantes pudessem escolher as suas rotinas, ou mesmo os seus momentos de laser, nas rotinas nunca incluiriam a escola e no laser optariam pelos mais variados ecrãs: jogos, facebook, TV…. Enquanto Educóloga cabe-me lembrar a importância da participação efetiva noutros contextos educativos, sejam eles de carater permanente (pertença a grupo(s) organizados, social, religioso, artístico ou desportivo), ou de carater esporádico: Exposições, Encontros, Museus, Workshops, Concertos, Visitas, Viagens… todas estas experiências proporcionam diferentes formas de aprendizagem, desenvolvem outras competências, descobrem vocações e sentidos de vida, tornam os estudantes mais conscientes, críticos e criativos… assim sendo, a Educação que tanto remetemos apenas para o contexto escolar, mostra-se também no seu esplendor em todas as vivências quotidianas das quais não nos devemos privar e nas quais tanto nós aprendemos, descobrimos, conhecemos… e será sempre esta a maior riqueza, a mais bela e a mais poderosa de todas: O Conhecimento, A Educação!

Portanto continue a educar o seu estudante, leve-o à escola… leve-o à Festa… leve-o ao Japão… leve-o a descobrir o mundo e a descobrir-se a si mesmo: como humano, cidadão, responsável, Homem/Mulher….

mafalda.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 09:44

20
Abr 17

Quantas vezes, enquanto encarregado/a de educação ponderou bastante se estaria a tomar a atitude correta para com o estudante? Quantos momentos ponderou sobre tomadas de decisão, refletindo no melhor para a educação da criança/jovem???… Tantos são os momentos e os lugares em que as decisões nos afligem, enquanto mães, pais, avós, educadores, tios, amigos, etc…
Hoje, apresento algumas indicações daquilo que não deve fazer/dizer aos pequenos… são apenas orientações, as quais podem questionar, refletir e ponderar:

1. Não diga mentiras
2. Não diga sim depois do não
3. Não deixe de cumprir promessas
4. Não tenha discussões de adultos na frente dele
5. Não diga que ele não consegue
6. Não critique o trabalho dos professores
7. Não permita nenhuma forma de violência
8. Não o ignore
9. Não esconda sentimentos
10. Não exija demais

Tenho a certeza de que, depois de ter lido estas dez propostas algumas mais ocorrerão na sua mente, portanto peço, ao leitor, que as partilhe connosco através dos comentários, estará certamente a ajudarnos a todos - educadores!

images (1).jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 15:05

10
Abr 17

Diálogo entre mim e um/a estudante:

Eu: _ Quem te vem buscar?

Estudante: _ O meu avô!

Eu: _ Moras com os teus avós?

Estudante: _ Sim, os meus pais estão fora…»

 

Muitas vezes, neste Blog, escrevo sobre as implicações práticas da família na educação das crianças. A família é a primeira instituição educadora que faculta orientações, punições e recompensas, logo nos primeiros obstáculos da vida, e permanecem ao longo de todo o caminho. É, portanto, um núcleo de pessoas que se protegem e amparam, que ensinam valores e ideais, que fomentam grandes e sólidos patamares de felicidade.

Atualmente as famílias têm grandes desafios na educação, sãos os primeiros educadores, são permanentes exemplos, apoiam outros contextos de educação como as escolas e grupos educativos, tomam decisões primordiais pelos mais pequenos, quer seja na saúde, na cultura, na religião, na moral e na ética, orientam os seus membros com gestos, palavras, atitudes e decisões.

Quando me refiro a este conceito de família lembro que este também tem passado por processos de mudança social e cultural… neste sentido, para mim, família é conceito de amor, entre um núcleo de pessoas, que em nada se define pelo género, raça, cultura, ou etnia…

Por tudo isto, hoje, deixo aqui um bem haja a todas as famílias que tanto se esforçam para criar e orientar novas gerações, que apoiam incondicionalmente, que estão permanentemente presentes…. A Educação passa, sem dúvida, pelo vosso esforço e empenho! 

despicable-me.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 13:42

23
Fev 17

Este Blogue, já com mais de dois anos de existência tem vindo a aumentar as suas visitas diárias e os seus estimados seguidores. Estes leitores e leitoras vêm, sempre de forma carinhosa, colocar os seus comentários e as suas questões.

É com todo o gosto que leio e repondo a estes comentários, no entanto, algumas das vezes, estes comentários propõem a construção de Post’s mais aprofundados e refletidos, isto significa que, para os desenvolver necessitarei de algum tempo de pesquisa, reflexão e leitura, por tudo isto gostaria de afirmar o seguinte: procurarei sempre desenvolver textos de acordo com as propostas que recebo, com a maior brevidade que me é possível…portanto, aqui fica o meu pedido de compreensão…

Assim, agradeço quando valorizam a minha opinião e agradeço as visitas constantes!

Sorrisos,

Maribel Maia.

images edu.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 14:05

23
Jan 17

Respondendo a uma proposta de tema, realizado por uma leitora, relativamente à violência na escola:

 

Quando a escola estava reservada apenas a uma pequena elite social e, supostamente, culturalmente socializada, nada se questionava sobre problemas de indisciplina escolar.

Felizmente a escola tornou-se aberta a toda a sociedade portanto, nesta nova escola todos os problemas de uma sociedade se espelham e se espalham naturalmente.

Como nos escrevem os autores: A. Correia e M. Matos no livro: Violência da e na Escola: «Nesta visão tradicional da escola, a indisciplina escolar é indesejável mas inevitável, pois é nesta escola que se espelham os problemas de um mundo atual. Certo é que, não só professores e pais se encontram empenhados no equilíbrio perante tal confronto, toda a comunidade escolar está empenhada (…) na realização da justiça social e do bem estar das comunidades a que pertence» (2003:29).

Sabemos portanto que, não podendo ser erradicada esta violência e indisciplina escolar, o papel de todos nós deverá ser orientar para que não se propaguem estas situações, de forma frequente, nas nossas escolas.

Para finalizar, posso deixar aqui algumas pequenas dicas:

 

  • Não incentivem as crianças a responderem à violência com violência;
  • Expliquem que formas de justiça social podemos recorrer, na escola e fora dela;
  • Não esquecer que, nós adultos, seremos sempre o exemplo de atitudes a seguir;
  • Sempre que necessário devem recorrer à Polícia da Escola Segura.

 

Por aí? Surgem opiniões ou dicas sobre este assunto?

indisciplina.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 08:47

05
Jan 17

Respondendo a uma proposta de tema, realizado por uma leitora, relativamente à legislação da Educação Sexual:

 

Diálogo entre mim e um/a estudante de 2º ciclo:

«Estudante: _ A minha professora disse que íamos aprender o Sistema Reprodutivo a seguir e depois fazemos teste, para não confundir matérias!

Eu: _Faz todo o sentido, já que vais aprender muitos conceitos novos!

Estudante: _Só espero que os rapazes lá da turma não comecem a gozar com a matéria… temos lá uns rapazes assim…»

 

Pelo conhecimento que fui desenvolvendo, ao longo dos anos, através da experiência profissional/académica em Educação, tenho notado o pouco investimento do Ensino Português na Educação Sexual Escolar.

Certo é que, tive conhecimento, ao longo dos anos, de algumas escolas com projetos pioneiros na disciplina de Educação Sexual, fundamentadas por uma legislação de 6 de agosto de 2009, referindo que «a educação sexual é objecto de inclusão obrigatória nos projectos educativos dos agrupamentos de escolas e escolas não agrupadas, nos moldes definidos pelo respectivo conselho geral, ouvidas as associações de estudantes, as associações de pais e os professores.» (artigo 6º, Diário da República: 60/2009). A meu ver, a maioria destes projetos apresentaram resultados muito positivos na educação transversal dos estudantes.

Contudo, atualmente, vejo ser lecionado em contexto de sala de aula, no 6ºano, na disciplina de Ciências da Natureza, pelo 2º período, uma matéria que se aproxima um pouco do muito que deveria ser explorado na Educação, o Sistema Reprodutivo… normalmente, a ficha de avaliação é dada no final dessa matéria, depois fica ‘adormecida’ como se tudo tivesse sido dito sobre o tema, ao longo de todo o percurso escolar… e mais? Quem ensina mais?

Fica cá o meu desassossego partilhado e a minha espectativa que comentem e reflitam sobre o tema!

Para os curiosos/interessados, deixo-vos a legislação que sustenta esta necessidade educativa, em anexo.

lei ed_sexual.pdf

 

publicado por Maribel Maia às 11:09

Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
14
15

16
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO