Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

01
Set 17

Para alguns estudantes, o começo do novo ano letivo pode ser o repetir do mesmo ano de escolaridade, por não ter revelado, no ano anterior, o aproveitamento necessário à conclusão do ano.

No entanto, embora as causas da retenção possam ser diversas, repetir o ano escolar, não significa, por si, mais facilidades.

 Assim, para os que têm este ano esse desafio, cá ficam algumas propostas de trabalho, para começar já no início de ano:

  • Procure ajuda profissional, para acompanhamento ao longo de todo o ano letivo, Explicador, Psicólogo, etc., de acordo com as necessidades encontradas no ano anterior;
  • Crie novas rotinas de estudo, mais adaptadas ao estudante e mais rigorosas;
  • Compre livros de apoio ao estudo, das disciplinas em que existam mais dificuldades, estes devem ter fichas e exercícios propostos, com as devidas soluções;
  •  Inclua no material dicionários, gramáticas e livros do Plano Nacional de Leitura;
  • Defina uma tarde ou uma manhã do fim de semana como momentos de rever matérias com maior dificuldade;
  • A motivação e o desejo de evoluir devem estar sempre presentes;

 

Mesmo para os estudantes de secundário que optam por fazer um ano letivo de melhoria, às disciplinas com notas mais baixas, o empenho e dedicação deve começar já em Setembro!

 

Algumas propostas que gostariam de acrescentar?

dicas_reprovação.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:50

17
Ago 17

Porque existem muitas formas de educação que se devem transmitir de forma transversal, seja em dias de escola ou em dias de férias, hoje, em vez de escrever um texto sobre Saber Ser, deixo-vos uma imagem que retirei da internet, mas que considero serem excelentes dicas de educação para a igualdade e para o respeito!

Partilho convosco:

Igualdade-2.png

 

publicado por Maribel Maia às 11:22

06
Jun 17

Procurando responder às propostas dos leitores, hoje venho escrever um artigo sobre mais uma solicitação, vinda pelo Blogue:
‘Como motivar os filhos ao estudo?’
Pois bem, todos os estudantes passam por estes momentos… outros há que, raramente, saem destes momentos… No entanto, estamos a chegar ao final do ano e a maioria já está desmotivada pelo cansaço acumulado de tantos testes, fichas e trabalhos. Para esses, que se esforçaram o ano letivo todo, basta o merecido descanso para carregar energias e vontades.
Para aquelas crianças e jovens que, constantemente, andam desmotivados o incentivo tem de ser constante e começar desde os primeiros dias de aulas.
Antes de apresentar uns conselhos, lembro que cada caso e cada criança é especial, ao tentarmos motivar, começamos a perceber qual é a formula que melhor se adapta à personalidade e à motivação intrínseca, portanto, uma atenção especial e sensibilidade sobre o assunto vai ajudar.
Para além disso, poderei acrescentar mais algumas dicas:
 Nem sempre os castigos ou incentivos materiais funcionam, o melhor é que eles reconheçam os sentimentos sinceros dos pais quando surgem as boas e as más notas;
 Mostrar elevado interesse na vida do estudante na escola, seja dentro ou fora da sala de aula, recorrendo sempre às reuniões com o Diretor de Turma;
 Este interesse e monitorização deve ser realizado, de igual forma, por ambos os pais e não apenas por um deles;
 Mostrar de forma concreta a importância da escolaridade para obtenção de um emprego melhor;
 Incentivar quando aparecem as dificuldades e procurar apoio extraescolar sempre que necessário;
 Relembrar as suas capacidades para o estudo procurando melhorar a autoestima;
 Tenha mais tempo para se dedicarem juntos, ao estudo;
 Solicite que lhe explique a matéria;
 Reveja com ele os erros do teste, de forma calma e atenta;
 Procure baixar os níveis de ansiedade em dias de avaliações, com um ambiente calmo e descontraído;

Antes de finalizar gostaria de referir que, por vezes, a falta de autoestima é a grande resposta ao desinteresse e falta de motivação, por terem receio da desilusão. Sendo que, em casos específicos pode ser necessário a intervenção de um profissional especializado.
E por aí, que atitudes motivacionais funcionam melhor com os vossos filhos?

motivação.jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 11:54

22
Mai 17

Os apontamentos são objeto de desejo entre os estudantes, conhecemos os que tiram bons apontamentos e que todos pedem cópias e aqueles em que pouco ou nada se percebe do que foi escrito.
Esta técnica parece, portanto, muito próxima da arte de bem escrever, organizar e sintetizar e que auxilia, em muito, o processo de estudo.
Para quem deseja aperfeiçoar esta técnica, ao longo desta semana, todos os dias, irei deixar algumas dicas que poderão direcionar este saber:

  • Apontamentos das Aulas
  • Apontamentos de uma obra literária
  • Apontamentos do manual escolar
  • Apontamentos em pesquisas

Venham visitar o Blogue e ler mais sobre este assunto! 

apontamentos1.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:55

17
Mai 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de secundário:
«Eu: Agora tens de estudar mais a matéria…
Estudante: _Eu tenho uma forma muito específica de estudar.. se calhar nem é das melhores mas só me corre bem assim…. é fazer muitos e muitos exercícios, se eu ler ou fizer resumos, a matéria não me entra…
Eu: _ Não se trata dos melhores métodos… deves é procurar aquele que se adapta a ti e que tiras melhores resultados!»

Por vezes os estudantes não encontram os métodos mais eficazes para estudar para os testes. Antes de referir algumas orientações, gostaria de sublinhar que cada indivíduo deve encontrar a formula que mais resultados lhes traz e, com o tempo aperfeiçoar mais as técnicas.
Assim sendo, realizarei algumas propostas, que devem ser testadas, percebendo quais as mais produtivas:
Resumos: devem ser realizados pelas próprias palavras, copiar as partes mais importantes do livro, não é suficiente, é preciso reescrever de forma simples e completa toda a informação mais importante;
Ler a matéria: deve ser realizado apenas no início do estudo, para lembrar a matéria e entender alguma parte menos esclarecida. Uma nova leitura pode ser realizada no dia anterior ao teste, como forma de organização mental;
Resolução de exercícios: depois da matéria entendida, a resolução de vários exercícios concretos, desenvolvem dúvidas a ser retiradas e demonstram se o conhecimento foi, ou não, adquirido corretamente;
Uso da oralidade: explicar para alguém, ou para si mesmo, a matéria adquirida exige grande capacidade de memorização e organização mental, que muito pode auxiliar o estudo;
Retirar dúvidas: recorrer a um Explicador, ao Professor ou ao Encarregado de Educação, para retirar algumas dúvidas antes do teste, pode também ser produtivo, se o estudante já realizou um estudo autónomo e apontou, de forma muito definida, as suas dúvidas para serem posteriormente colocadas;
Apontamentos: alguns estudantes optam por realizar resumos semanais das aulas, que serão de grande apoio no estudo para o teste, já que, quando se tem apontamentos corretos e completos torna-se facilitador de estudo, contudo, nem sempre pedir apontamentos emprestados funciona, já que quem os escreve tem especificidades únicas em resumir informação;
Seja qual for o método, é importante lembrar que nada funciona, se o estudo se confinar ao dia anterior ao teste, ou se não existir atenção às aulas.

estudar.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:13

20
Abr 17

Quantas vezes, enquanto encarregado/a de educação ponderou bastante se estaria a tomar a atitude correta para com o estudante? Quantos momentos ponderou sobre tomadas de decisão, refletindo no melhor para a educação da criança/jovem???… Tantos são os momentos e os lugares em que as decisões nos afligem, enquanto mães, pais, avós, educadores, tios, amigos, etc…
Hoje, apresento algumas indicações daquilo que não deve fazer/dizer aos pequenos… são apenas orientações, as quais podem questionar, refletir e ponderar:

1. Não diga mentiras
2. Não diga sim depois do não
3. Não deixe de cumprir promessas
4. Não tenha discussões de adultos na frente dele
5. Não diga que ele não consegue
6. Não critique o trabalho dos professores
7. Não permita nenhuma forma de violência
8. Não o ignore
9. Não esconda sentimentos
10. Não exija demais

Tenho a certeza de que, depois de ter lido estas dez propostas algumas mais ocorrerão na sua mente, portanto peço, ao leitor, que as partilhe connosco através dos comentários, estará certamente a ajudarnos a todos - educadores!

images (1).jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 15:05

06
Mar 17

Na escola podemos cruzar-nos com estudantes que se preocupam apenas em obter resultados positivos, de forma a conseguirem passar de ano letivo… muitos sentem-se pouco capazes de serem alunos de avaliações muito altas, outros assumem não se querem dedicar ao estudo, nem por gosto nem por vontade. Contudo esta perspetiva pode e deve mudar, basta que cada estudante desenvolva a consciência da importância do conhecimento para o seu próprio futuro e seja estimulado para o desejo de saber mais e de descobrir.

Sem dúvida que as notas escolares são resultado, principalmente, das vontades, desejos e ambições da cada um, só depois surgem as capacidades mais ou menos inatas de cada criança/jovem, sendo que essas também podem ser desenvolvidas e aprimoradas.

A todos os estudantes que desejam obter resultados muito bons nas suas avaliações académicas, aqui ficam umas dicas:

  • Liga-te: procura manter-te atento nas aulas o tempo todo, realizando os apontamentos e as anotações da matéria que consideres necessária;
  • Procura ajuda: estuda sozinho e estuda acompanhado, ou seja, faz um estudo diário próprio, com leituras, resumos, exercícios e, pelo menos, uma vez por semana procura alguém que te possa apoiar nas dúvidas surgidas e noutras propostas de trabalho;
  • Começa cedo: para cada teste ou ficha de avaliação começa um estudo específico uma semana antes;
  • Conhece-te melhor: procura o melhor lugar e as horas em que mais te concentras no estudo;
  • Organiza-te: um caderno de apontamentos, uma agenda, uma tabela, tudo ajuda para que nem uma data passe despercebida, para que nem um TPC seja esquecido;
  • Participa: seja nas aulas, seja nos clubes escolares, seja em desporto, participa com empenho e dedicação;
  • Não esperes: não é no terceiro período que vais tentar recuperar vários meses de preguiça, o primeiro dia de aulas é, já, o primeiro grande desafio.
  • Não desligues: durante as férias aproveita para recuperar matérias pouco entendidas e estuda, pelo menos, uma hora por dia, para te tornares ainda melhor.

    bom-aluno.jpg

     

publicado por Maribel Maia às 10:47

02
Mar 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de 2º ciclo:

«Estudante:  _Já fiz a apresentação oral…

Eu: _Então, como correu?

Estudante:  _Mais ou menos, esqueci-me de metade das coisas, … a professora fez perguntas para ajudar…»

 

Este tema foi proposto por uma leitora deste Blogue, o que agradeço, pela pertinência do tema:

 

Todos os estudantes são convidados a participarem em algumas aulas de forma mais ativa, apresentando um livro, ou um tema de forma oral, individualmente ou em pequeno grupo.

Se para alguns estudantes isto não é motivo de preocupação, para outros, falar em público torna-se um tormento e um embaraço. Contudo, para todos eles há que lembrar que, quanto melhor estiver preparada a apresentação, melhor decorrerá o momento. Para além disso, estes momentos são sempre imperativos de avaliação, logo podem subir notas com um bom desempenho.

De forma prática, estas apresentações orais permitem que o aluno desenvolva mais conhecimentos sobre a língua, novas técnicas de expressão oral e que melhore a sua capacidade de pesquisa e de síntese de informação. Para além disso, as crianças e jovens aprendem a expor as suas opiniões, a respeitar a visão do colega e comunicar sobre variados temas e de variadas formas.

Com o objetivo de facilitar estes trabalhos oriais e acalmar os corações dos mais tímidos deixo, em anexo uma Grelha de Avaliações Orais que definem, de forma geral, quais os critérios de avaliação destes trabalhos.  Para treinarem, podem filmar e depois auto-avaliarem-se.

Bom trabalho!

Grelha avaliações Orais_2017.pdf

 

publicado por Maribel Maia às 15:00

13
Fev 17

Dia dos Namorados é comemorado, em Portugal , no dia 14 de fevereiro, data também conhecida como Dia de São Valentim. É, sem dúvida um dia importante para os adultos, mas pode também ser lembrado pelos mais pequenos como o dia dos afetos e dos sentimentos. Neste dia, os educadores podem referir a importância de amar e explicar as várias formas de Amor.

 

Prepare uma atividade especial:

Realizar um jantar especial, em família, sendo a(s) criança(s) responsáveis pela decoração;

Espalharem mensagens de Amor pela casa;

Pesquisarem sobre a História de São Valentim;

 

Que seja um Dia Feliz!

05-qs-valentine-craft-candies-xl.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:57

12
Jan 17

Como afirmei no Post anterior, desenvolver técnicas e métodos de estudo não é um processo fácil para a maioria dos estudantes, nem de grande vontade para eles. Contudo manter rotinas de estudo torna-se processo necessário para obter os melhores resultados na aprendizagem escolar. Por esta razão proponho aqui algumas etapas, que poderão ser seguidas por qualquer educador e/ou educando:

 

1ª etapa: todo o ser humano gosta de saber mais sobre um tema que lhe desperte gosto, interesse e curiosidade, logo cabe ao educador despertar essa curiosidade natural do estudante, através dos seus interesses pessoais e experiências individuais e cabe ao educando aproveitar os seus gostos e interesses pessoais para desenvolver novos conhecimentos;

 

2ª etapa: cada estudante é diferente, aprende a ritmos diferentes, tem gostos e capacidades diferentes, é portanto importante conhecer e conhecer-se muito bem, seguir o seu ritmo próprio, incentivando e direcionando no momento mais adequado, o trabalho individualizado entre educador e educando aqui torna-se uma mais valia evidente;

 

3ª etapa: despertar constantemente o interesse por saber mais, conhecer melhor, aprofundar reflexões, em qualquer momento do dia e em qualquer situação, para tal o educador deve estar sensibilizado para aproveitar situações do dia a dia e refletir, questionar, explicar… despertando uma vontade natural de querer descobrir;

 

4ª etapa: a melhor forma de querer saber mais, descobrir, conhecer é tendo a oportunidade de experimentar, de vivenciar, sentir… para tal, o contacto, as visitas, o confronto, o usar dos cinco sentidos… será sempre uma forma muito eficaz de despertar curiosidade, interesse… todas as vivências para além dos muros da escola podem aproximar os saberes ensinados na escola;

 

5ª etapa: O ambiente físico é também algo a não descurar, definir em casa, um lugar sossegado, ausente de barulhos e distrações, com um conforto e luminosidade necessário a quem estuda irá incentivar o estudante a criar uma rotina de estudo mais agradável e confortável.     

 

Car@ leitor, encontra mais alguma etapa que sinta ser pertinente e que gostaria de acrescentar a estas propostas? Desde já agradeço a partilha…

6967149510_3d056eaedd_b.jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 11:35

Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


mais sobre mim
pesquisar
 
subscrever feeds
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO