Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

12
Jan 17

Como afirmei no Post anterior, desenvolver técnicas e métodos de estudo não é um processo fácil para a maioria dos estudantes, nem de grande vontade para eles. Contudo manter rotinas de estudo torna-se processo necessário para obter os melhores resultados na aprendizagem escolar. Por esta razão proponho aqui algumas etapas, que poderão ser seguidas por qualquer educador e/ou educando:

 

1ª etapa: todo o ser humano gosta de saber mais sobre um tema que lhe desperte gosto, interesse e curiosidade, logo cabe ao educador despertar essa curiosidade natural do estudante, através dos seus interesses pessoais e experiências individuais e cabe ao educando aproveitar os seus gostos e interesses pessoais para desenvolver novos conhecimentos;

 

2ª etapa: cada estudante é diferente, aprende a ritmos diferentes, tem gostos e capacidades diferentes, é portanto importante conhecer e conhecer-se muito bem, seguir o seu ritmo próprio, incentivando e direcionando no momento mais adequado, o trabalho individualizado entre educador e educando aqui torna-se uma mais valia evidente;

 

3ª etapa: despertar constantemente o interesse por saber mais, conhecer melhor, aprofundar reflexões, em qualquer momento do dia e em qualquer situação, para tal o educador deve estar sensibilizado para aproveitar situações do dia a dia e refletir, questionar, explicar… despertando uma vontade natural de querer descobrir;

 

4ª etapa: a melhor forma de querer saber mais, descobrir, conhecer é tendo a oportunidade de experimentar, de vivenciar, sentir… para tal, o contacto, as visitas, o confronto, o usar dos cinco sentidos… será sempre uma forma muito eficaz de despertar curiosidade, interesse… todas as vivências para além dos muros da escola podem aproximar os saberes ensinados na escola;

 

5ª etapa: O ambiente físico é também algo a não descurar, definir em casa, um lugar sossegado, ausente de barulhos e distrações, com um conforto e luminosidade necessário a quem estuda irá incentivar o estudante a criar uma rotina de estudo mais agradável e confortável.     

 

Car@ leitor, encontra mais alguma etapa que sinta ser pertinente e que gostaria de acrescentar a estas propostas? Desde já agradeço a partilha…

6967149510_3d056eaedd_b.jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 11:35

10
Mar 16

Estimular crianças e jovens para o contacto com a Arte em todas as suas formas é, sem dúvida, momento de riqueza intelectual que estimula uma aprendizagem fácil e profunda. Embora as escolas tenham vontade de proporcionar aos seus estudantes o ensino da Arte, em várias vertentes como Música, Pintura, etc… esta não se denota como pilar fundamental neste ensino formal, atual.

Contudo, muitos são os estudantes que demonstram particular gosto e aptidão por alguma forma de Expressão Artística. Quando tal acontece estas características devem ser incentivadas e apoiadas pelos encarregados de educação, pois tal como nos afirma  Valquaresma & Coimbra, na revista Educação Sociedade & Culturas, (2013) «… a educação artística é uma possibilidade real e exequível de conjugar educação e criatividade, com o intuito de promover o desenvolvimento psicológico dos indivíduos a um nível máximo.»  

Assim, o melhor caminho será procurar um ensino adequado a cada aptidão a ser ministrado em paralelo com o ensino formal, em escolas especializadas, conservatórios, academias, etc, que proporcionarão um ensino especializado que em muito enriquecerá a educação do estudante.

O Ensino Articulado é já um passo dado nas escolas portuguesas com tais objetivos confinado ainda apenas à Educação Musical. Assim, o Ensino Articulado é uma forma de frequentar o ensino especializado da Música em que o Conservatório e a escola regular se articulam entre si, de forma a aliviar a carga horária do aluno e a não duplicar disciplinas.

 

Para quem pretende mais informações sobre o ensino artístico aqui ficam algumas escolas da zona metropolitana do Porto, em diversas áreas como Música, Dança, Imagem, Teatro, Espetáculo, etc…

escolas de artes.xls

 

publicado por Maribel Maia às 14:07

05
Out 15

Quantas vezes os pais, em casa, dizem ao estudante:

“_Vai estudar!

 Resposta: _ Não tenho nada para estudar!

_ Nem trabalhos de casa, nem testes?

_ Já fiz os TPC’s e não vou ter teste…”

 

Sobre esta conversa eu posso assumir, pela experiência com estudantes, que estas respostas nem sempre são de todo verdadeiras… ou porque se esqueceram do trabalho de casa de uma qualquer disciplina… ou porque o ‘não vou ter teste’ significa apenas que não há nenhum teste marcado para o dia seguinte e que não faz a mínima ideia de quando serão os próximos, ou mesmo, porque consideram desnecessário estudar dias antes do teste. Portanto, eu aconselho a que, quando eles respondem que não existe nada que tenham de estudar deve-se perceber o quanto correta está tal afirmação, através de uma conversa mais longa ou mesmo ir verificar os cadernos para rever datas de testes ou trabalhos esquecidos.

Contrariamente a isto, se assim se confirmar que, não existe a necessidade de realizar um estudo específico, mas considerando que para o educador é importante aquele momento de estudo, deixarei, no Post seguinte algumas propostas de estudo a solicitar.

 

images.png

 

publicado por Maribel Maia às 14:43

Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
14
15

16
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


mais sobre mim
pesquisar
 
subscrever feeds
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO