Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

17
Out 16

Diálogo entre mim e um/a estudante de 3º ciclo:

«Eu:_ Tiras boas notas?

Estudante: _ Podia ser melhor se não fosse esta coisa chamada dislexia.»

Eu: _ Achas que esse problema interfere muito com o estudo?

Estudante: _ Pois?…»

 

Já aqui falei, em publicações anteriores, de Necessidades Educativas Especiais e a dislexia insere-se neste contexto, pois interfere com a capacidade de aprendizagem, dos estudantes ao longo de toda a vida.

A dislexia define-se como «(…) uma incapacidade específica de aprendizagem, de origem neurobiológica. É caraterizada por dificuldades na correção e/ou fluência na leitura de palavras e por baixa competência leitora e ortográfica (…) que pode impedir o desenvolvimento do vocabulário e dos conhecimentos gerais» (Associação Internacional de Dislexia).

Ao longo do meu percurso apoiei alguns estudantes com este diagnóstico, contudo nem sempre senti o apoio necessário, por parte das suas escolas, na sensibilização de uma avaliação adaptada a esta situação, esta inquietação também é refletida pela Especialista em Dislexia Drª Paula Teles que afirma: «no nosso país o Decreto-lei 3/2008, aplica-se às crianças com necessidades educativas especiais, mas não faz qualquer referência em relação à metodologia reeducativa a adotar. Na grande maioria dos casos os alunos dependem da “benevolência” dos professores, desculpando a falta de correção, a fluência leitora, a limitação vocabular, os erros ortográficos...» (In Revista Portuguesa de Clínica Geral: 2004). Fica portanto, aqui, um alerta a toda a comunidade escolar para se pensar em novos métodos de apoio e intervenção.

Por toda esta complexidade, pretendo dar continuidade a este tema, nos próximos artigos…

images (1).png

 

publicado por Maribel Maia às 14:26

8 comentários:
Os professores têm pouca formação para lidar com a dislexia. Devia haver, pelo menos, ações de formação sobre o assunto.
Marta Elle a 17 de Outubro de 2016 às 14:49

A dislexia e outras necessidades educativas especiais exigem um acompanhamento muito maior... penso que deveriam existir mais profissionais especializados para apoiarem os professores que, muitas vezes não estão preparados e outras vezes não têm mais disponibilidade para ajudar, individualmente, um aluno....
Maribel Maia a 17 de Outubro de 2016 às 14:53

Muito interessante! Beijinhos
Chic'Ana a 17 de Outubro de 2016 às 14:51

Obrigada!
Maribel Maia a 17 de Outubro de 2016 às 14:53

Um tema que sempre achei interessante.
Maria Amélia a 17 de Outubro de 2016 às 16:02

E devemos estar alerta para tal.... é um assunto que a todos nós diz respeito... direta ou indiretamente...
Maribel Maia a 17 de Outubro de 2016 às 21:18

Grandes génios eram disléxicos. Quero com isto dizer que a dislexia pode não ser assim tão limitativa.
Maria Mocha a 17 de Outubro de 2016 às 16:20

E não é, contudo crianças e jovens podem sentir-se menos bem nesta diferença e com isso assumirem sentimentos de inferioridade... Cabe a toda a comunidade educativa apoiar e animar nesse sentido que refere!
Maribel Maia a 17 de Outubro de 2016 às 21:16

Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
14
15

16
18
19
21
22

23
25
26
28
29

30


mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO