Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

07
Jan 16

Principalmente na disciplina de Língua Portuguesa, os estudantes são confrontados com a necessidade de, em cada ficha de avaliação, realizarem uma composição sobre um tema pré-definido, tendo de escrever uma média de 90 a 120 palavras. Se para alguns estudantes a imaginação é o ponto de partida para a escrita, para a maioria é a primeira dificuldade… imaginarem o início e o desenlace da história, de forma criativa e bem estruturada torna-se tarefa difícil.

Antes de referir alguns tópicos de apoio a esta temática, afirmo o princípio fundamental para desenvolver tais competências: escrever….escrever…(re)escrever…e ler…ler….muito! O treino constante de leitura e de escrita é imprescindível para melhorar, significativamente, esta capacidade!

Para além desta primeira orientação, proponho:

- Usar o dicionário sempre que, na leitura, não se entenda determinada palavra;

- Usar as palavras novas sempre que possível, quando se descobrem novas palavras deve-se tentar utiliza-las nas conversas e na escrita, de forma a memoriza-las;

- Não é obrigatório escrever verdades… nos livros de histórias existem fadas, duendes, dragões e feiticeiros, portanto, quando escrevemos as nossas composições podemos criar a nossa história encantada de príncipes e princesas;

- Ter em conta o que é pedido no enunciado da composição, se solicita a escrita de uma carta, de um poema, de uma notícia… todas elas obedecem a regras de base que devem ser seguidas;

- Deixar a escrita do título para o final para que este concorde do todo o texto;

- Procurar não fugir ao tema solicitado no decorrer da escrita e manter a lógica de: introdução/desenvolvimento/conclusão;

- Podem recorrer primeiro ao desenho, como organização mental da construção histórica e de seguida, com o apoio do desenho, escrever…

 

Acredito que, para os leitores que gostem de escrever e ler, seja muito mais fácil produzir os seus próprios textos e incentivar, os mais pequenos, a fazê-lo também… contem-me as vossas experiências!

images (18).jpg

 

publicado por Maribel Maia às 16:56

12 comentários:
Boas dicas ;)
omeumaiorsonho a 8 de Janeiro de 2016 às 10:17

Maribel Maia a 8 de Janeiro de 2016 às 14:49

E porque não deixar que seja o aluno a escolher o tema? Deixá-lo escrever sobre aquilo que gosta...por vezes a dificuldade prende-se com o facto do tema não ter qualquer interesse para o aluno....
joão lucas de castro a 8 de Janeiro de 2016 às 12:52

Concordo com a escolha do tema, sem dúvida... contudo nas fichas de avaliação e nos exames nacionais são, apenas, propostos dois temas, dos quais os estudantes podem optar por um... o que os limita na imaginação!

A questão é precisamente essa...não deveria haver temas propostos,mas temas livres,porque ninguém gosta de escrever sobre o que o não motiva...
joão lucas de castro a 8 de Janeiro de 2016 às 14:55

Tem razão... já conversei com muitos estudantes sobre as suas composições e, várias vezes, eles me assumiram não terem escrito uma boa composição por não se terem identificado nada com os temas apresentados!
Maribel Maia a 8 de Janeiro de 2016 às 15:19

Adorei as tuas dicas! Confesso que para mim, que sempre fui amante de português, a composição era a minha parte preferida dos testes. Era aí que eu dava asas à minha imaginação. E acho que a minha Rita vai pelo mesmo caminho: quando a professora lhe manda fazer um texto de 8 linhas ela ultrapassa-as largamente, escreve sempre mais e às vezes fica aborrecida porque tem de "encurtar" a coisa. Já usar o dicionário e deixar de dar erros, essa já é outra história... Mas é novinha, e acredito que com o tempo este contatempo se resolva por si só, ou com a minha ajudinha! :-)

Beijo Maribel.
soumaiseu a 8 de Janeiro de 2016 às 13:22

Se ela tem essa motivação é muito importante que a ajude também a manter, para isso e para os erros ortográficos o incentivo pela leitura habitual são a resposta... tenho a certeza que o seu bom exemplo é também uma grande motivação para ela!
Bjinhos
Maribel Maia a 8 de Janeiro de 2016 às 14:55

Ora cá está!! Sou plenamente de acordo! as crianças deviam escrever mais! Daí não considerar 'castigo' o que estou a fazer ao meu filho, um dia ele vai agradecer. Escever puxa pela imaginação logo obriga-os a pensar!
Infelizmente muitos educadores acham desnecessário as crianças pensarem!

Enfim!

Tudo de bom
Marta Velha a 8 de Janeiro de 2016 às 17:22

Exatamente! Assim como ler: outro exercício mental imprescindível para um desenvolvimento mental saudável e criativo....

Eu como escritora e amante da leitura tento incutir isso ao meu filho! E consigo! O meu filho é um pré adolescente que lê! E dói-me o coração quando alguns pais me dizem: 'Pois, o meu filho odeia ler!! Nunca leu um livro na vida!'
E eu respondo: 'E vocês leem ao pé do vosso filho? Dividem a leitura com ele? Tornam o que está escrito mais divertido? Fazem disso uma partilha para aproveitarem o tempo que passam junto? É que se respondem não, o problema não é da criança! É vosso que não dão o exemplo nem tornam o acto de ler divertido!"

Ainda há muito a fazer neste campo! Tanto com os pais como com as crianças


Eu não diria melhor.... concordo em pleno!
Maribel Maia a 8 de Janeiro de 2016 às 18:28

Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

17
23

24
30

31


mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO