Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

29
Mai 17

Atualmente, os Cursos Profissionais oferecidos a jovens, finalistas do 9ºano de escolaridade, não são difíceis de encontrar… apresentam-se nas escolas de Ensino Secundário, nos Centros de Formação financiados pelo fundo do POPH e nos Centros de Emprego (IEFP) espalhados por todo o país.
Estes Cursos Profissionais intitulam-se de Cursos de Educação e Formação (CEF), ou Sistemas de Aprendizagem que conferem a dupla certificação, ou seja, a certificação de 12º ano e uma certificação profissional na área de opção. Embora não limitem o acesso ao ensino superior, a maioria dos estudantes que optam por tais cursos não pretendem seguir estudos a esse nível… E é precisamente neste ponto que gostaria de partilhar algumas das reflexões e inquietudes com o leitor.
Será que a sociedade procura impelir os seus jovens a enveredarem por um curso profissional porque o estudante não é detentor de bons resultados escolares? Estarão, estes cursos, a serem ‘olhados’ como formação menor em comparação com o ensino geral de nível secundário? Prepararão estes cursos estudantes para a Universidade? Serão estes cursos a melhor opção para quem pretende enveredar por uma profissão, sem o caminho da formação académica?
Assumo a limitação da minha experiência, já que, ela se desvenda apenas por alguns discursos de estudantes que referem mais facilitismos nos cursos profissionais e a visão de um caminho para quem ‘não gosta de estudar’ e que oferece maior componente prática do que teórica.
Estarei eu a ver um estigma que não existe? Qual é a sua opinião?

cursos_profissionais02.jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 13:32

26
Mai 17

Estes são necessários quando se procura mais sobre determinado assunto, seja para um trabalho escolar, seja sobre um tema do qual se deseje saber mais. Nesta situação os apontamentos devem sempre começar por definir muito bem qual a fonte de pesquisa e data desta. Seguidamente devem ser anotados os novos conceitos encontrados e as suas definições. Para além disso, a informação escrita deve ser redigida pelas próprias palavras, sempre orientada para o tema que se deseja, procurando não afastar a escrita do tema inicial.
Nesta situação, a capacidade de resumir e sintetizar irá nortear todos os apontamentos, podem também ser recolhidas frases e citações chave que confirmam ideias e reflexões.

 

publicado por Maribel Maia às 12:27

25
Mai 17

Quando os professores informam que, para o teste, a matéria que sairá encontra-se entre determinadas páginas ou capítulos do manual escolar, alguns estudantes optam por realizar os seus próprios resumos destas páginas, como forma de memorização. Assim sendo, devem-se ler uma a duas páginas de cada vez, resumindo-as sabendo definir tal a informação mais importante e reescrevendo tudo em palavras próprias. Devem utilizar-se canetas de várias cores e sublinhadores de forma a realçar conceitos e frases muito importantes. 

 

apontamentos.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 14:38

24
Mai 17

Esta escrita é primordial quando a disciplina apresenta obras literárias como objetivos de leitura, seja para auxiliar a matéria dada, seja para a apresentação da Obra (Compromisso de Leitura), seja como leitura obrigatória da disciplina de língua Portuguesa.
Ao ler-se a Obra, deve-se realizar apontamentos sobre os Atores, localização no tempo e espaço e, capítulo a capítulo resumem-se os acontecimentos importantes, de forma a que, após o final da leitura, facilmente, se localizem os acontecimentos e enredos da história.Esta escrita é primordial quando a disciplina apresenta obras literárias como objetivos de leitura, seja para auxiliar a matéria dada, seja para a apresentação da Obra (Compromisso de Leitura), seja como leitura obrigatória da disciplina de língua Portuguesa.
Ao ler-se a Obra, deve-se realizar apontamentos sobre os Atores, localização no tempo e espaço e, capítulo a capítulo resumem-se os acontecimentos importantes, de forma a que, após o final da leitura, facilmente, se localizem os acontecimentos e enredos da história.

publicado por Maribel Maia às 10:49

23
Mai 17

Para que estes apontamentos sejam, realmente, sólidos e corretos, exige-se uma atenção completa e contínua durante a aula, qualquer distração ou desatenção poderá induzir à escrita de informação errada, ou omissões de esclarecimentos indispensáveis. A escrita deve ser fluida, com palavras muito próximas das utilizadas pelo professor e a linha de pensamento deste deve estar bem definida.
Neste processo, podem-se também realizar esquemas e tabelas, que auxiliem e complementem a informação recebida. A rapidez na escrita é, certamente, uma mais valia, daí a necessidade de um treino contínuo.

publicado por Maribel Maia às 13:44

22
Mai 17

Os apontamentos são objeto de desejo entre os estudantes, conhecemos os que tiram bons apontamentos e que todos pedem cópias e aqueles em que pouco ou nada se percebe do que foi escrito.
Esta técnica parece, portanto, muito próxima da arte de bem escrever, organizar e sintetizar e que auxilia, em muito, o processo de estudo.
Para quem deseja aperfeiçoar esta técnica, ao longo desta semana, todos os dias, irei deixar algumas dicas que poderão direcionar este saber:

  • Apontamentos das Aulas
  • Apontamentos de uma obra literária
  • Apontamentos do manual escolar
  • Apontamentos em pesquisas

Venham visitar o Blogue e ler mais sobre este assunto! 

apontamentos1.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:55

17
Mai 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de secundário:
«Eu: Agora tens de estudar mais a matéria…
Estudante: _Eu tenho uma forma muito específica de estudar.. se calhar nem é das melhores mas só me corre bem assim…. é fazer muitos e muitos exercícios, se eu ler ou fizer resumos, a matéria não me entra…
Eu: _ Não se trata dos melhores métodos… deves é procurar aquele que se adapta a ti e que tiras melhores resultados!»

Por vezes os estudantes não encontram os métodos mais eficazes para estudar para os testes. Antes de referir algumas orientações, gostaria de sublinhar que cada indivíduo deve encontrar a formula que mais resultados lhes traz e, com o tempo aperfeiçoar mais as técnicas.
Assim sendo, realizarei algumas propostas, que devem ser testadas, percebendo quais as mais produtivas:
Resumos: devem ser realizados pelas próprias palavras, copiar as partes mais importantes do livro, não é suficiente, é preciso reescrever de forma simples e completa toda a informação mais importante;
Ler a matéria: deve ser realizado apenas no início do estudo, para lembrar a matéria e entender alguma parte menos esclarecida. Uma nova leitura pode ser realizada no dia anterior ao teste, como forma de organização mental;
Resolução de exercícios: depois da matéria entendida, a resolução de vários exercícios concretos, desenvolvem dúvidas a ser retiradas e demonstram se o conhecimento foi, ou não, adquirido corretamente;
Uso da oralidade: explicar para alguém, ou para si mesmo, a matéria adquirida exige grande capacidade de memorização e organização mental, que muito pode auxiliar o estudo;
Retirar dúvidas: recorrer a um Explicador, ao Professor ou ao Encarregado de Educação, para retirar algumas dúvidas antes do teste, pode também ser produtivo, se o estudante já realizou um estudo autónomo e apontou, de forma muito definida, as suas dúvidas para serem posteriormente colocadas;
Apontamentos: alguns estudantes optam por realizar resumos semanais das aulas, que serão de grande apoio no estudo para o teste, já que, quando se tem apontamentos corretos e completos torna-se facilitador de estudo, contudo, nem sempre pedir apontamentos emprestados funciona, já que quem os escreve tem especificidades únicas em resumir informação;
Seja qual for o método, é importante lembrar que nada funciona, se o estudo se confinar ao dia anterior ao teste, ou se não existir atenção às aulas.

estudar.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:13

15
Mai 17

O Dia da Família é comemorado, em Portugal , no dia 15 de maio. A data foi escolhida pela Assembleia Geral da ONU, que proclamou este dia como o Dia Internacional da Família.
A celebração do Dia Internacional da Família pretende relembrar a importância de todos os membros na estrutura do núcleo familiar e o seu relevo na base da educação infantil. Neste dia deve-se realçar o quanto é importante viver numa família feliz, com muito amor, respeito e compreensão.

Prepare uma atividade especial:
Um passeio em família, com lanche especial;
Desenhar uma árvore genealógica;
Trocar mensagens de carinho entre todos os elementos;

Que seja um Dia Feliz!

dia-da-familia-11.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 09:02

11
Mai 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de 2º ciclo:
«Estudante: Quase todos os meus profs têm alcunhas… a professora de História é a ‘Escadote’, o ‘Chouriço’ é de Ciências…
Eu: Originalidade não vos falta!
Estudante: Os nomes têm sempre uma razão…»

Ao descrever este diálogo pode parecer o quanto rebeldes e pouco educados são os atuais estudantes das nossas escolas. Contudo, pelo contacto que fui desenvolvendo com eles, a minha opinião não se prende por aí… vejo estes jovens (com mais ou menos idade) a repararem em cada jeito, em cada gesto e em cada atitude de quem educa, de quem com eles convive diariamente.
Para mim, parece-me, apenas, o exemplo do quanto eles observam, avaliam e refletem sobre as atitudes dos adultos, as quais procuram como exemplo a seguir ou a não seguir.
Não seriamos nós também assim? No meu tempo de estudante de liceu, os professores também tinham alcunhas, porque deles dependiam, os nossos resultados escolares… através deles chegava-nos a matéria, tantas vezes mais motivadora pelo empenho, dedicação e carinho com que lecionavam. E, se existiram os professores que não nos convenciam a gostar da disciplina, outros houveram que nos despertaram, por completo, pela paixão entregue em cada aula dada, que nos ‘agarrava’ à secretária até à hora do toque, desejosos de saber mais.
E quantos não foram aqueles diretores de turma que ouviram, atentamente, cada queixa dos alunos procurando apoiar e orientar, transmitindo a segurança precisa e preciosa, num mundo tantas vezes tão hostil e inseguro que é um parque escolar.
Com, ou sem alcunhas adequadas, deixo aqui o meu agradecimento a todos os professores que fizeram e fazem a diferença nas escolas do nosso país! Obrigada!

profs.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 13:38

08
Mai 17

Será que o estudante lá de casa está a estudar corretamente? Já se questionou se o tempo de estudo é efetivamente produtivo, ou se os método serão o mais eficazes?
Hoje, de forma simples proponho, algumas dicas daquilo que não se deve fazer quando se estuda. Sendo que, algumas atitudes poderão prejudica definitivamente a concentração e transformar o momento em algo pouco produtivo.
Quando se estuda:
1. Não se pode ter equipamentos ligados que interfiram na concentração, são eles os telemóveis, os tablets ou a TV.
2. Não se pode estudar com pessoas próximas a conversarem, a fazerem barulhos, ou a brincarem, pois diminui em muitos os níveis de concentração.
3. Não se pode tentar estudar doente, com muito sono ou com fome, nada vai ser memorizado.
4. Não se pode estudar à pressa, para ir brincar, para ir jogar ou ver TV. Nesse momento já só se pensa no que se vai fazer a seguir.
5. Não se deve deixar o estudo para o final do dia, protelando até ao último minuto, é necessário desenvolver o gosto pelo momento da descoberta e do conhecimento.
6. Não se estuda apenas quando é necessário, estuda-se diariamente e sempre com a mesma dedicação.
7. Fazer os trabalhos de casa não é o suficiente para estudar e compreender a matéria dada.

 

dicas.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:59

Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
16
18
19
20

21
27

28
30
31


mais sobre mim
pesquisar
 
subscrever feeds
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO