Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

20
Abr 17

Quantas vezes, enquanto encarregado/a de educação ponderou bastante se estaria a tomar a atitude correta para com o estudante? Quantos momentos ponderou sobre tomadas de decisão, refletindo no melhor para a educação da criança/jovem???… Tantos são os momentos e os lugares em que as decisões nos afligem, enquanto mães, pais, avós, educadores, tios, amigos, etc…
Hoje, apresento algumas indicações daquilo que não deve fazer/dizer aos pequenos… são apenas orientações, as quais podem questionar, refletir e ponderar:

1. Não diga mentiras
2. Não diga sim depois do não
3. Não deixe de cumprir promessas
4. Não tenha discussões de adultos na frente dele
5. Não diga que ele não consegue
6. Não critique o trabalho dos professores
7. Não permita nenhuma forma de violência
8. Não o ignore
9. Não esconda sentimentos
10. Não exija demais

Tenho a certeza de que, depois de ter lido estas dez propostas algumas mais ocorrerão na sua mente, portanto peço, ao leitor, que as partilhe connosco através dos comentários, estará certamente a ajudarnos a todos - educadores!

images (1).jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 15:05

8 comentários:
Acho que essas 10 regras são mesmo essenciais.
"Não ignorar" e "não exigir demais" não quer dizer, fazer completamente o oposto. Tudo q.b. e, também, todo o trabalho é relativo, depende da personalidade da criança e do adolescente.
Gostei.
mariali a 20 de Abril de 2017 às 15:49

Obrigada! E, muitas vezes são as próprias crianças que se exigem demais a elas mesmas e cabe aos pais dosear essas exigências, como referiu!
Maribel Maia a 20 de Abril de 2017 às 16:32

Muito bem!! :)
A Desconhecida a 20 de Abril de 2017 às 17:49

Obrigada!
Maribel Maia a 21 de Abril de 2017 às 14:18

Ando sempre ás voltas com o exigir de mais ou de menos. Se é demais podem desmotivar, se é de menos podem pensar que nós achamos que eles não conseguem. É uma das coisas em que penso muito antes de agir. Tenho dois filhos muito diferentes e que reagem de modos diferentes e também á medida que crescem mudam e apanho surpresas boas e outras menos boas.
Sandra Wink.Wink a 20 de Abril de 2017 às 17:52

Sim, cada caso é uma singularidade! É necessário respeitar o tempo de desenvolvimento de cada criança... Mas quando é preguiça, aí deve-se intervir.
Maribel Maia a 21 de Abril de 2017 às 14:20

São todas muito pertinentes e, como mãe, concordo com todas elas. O problema é que, pela prática, vejo que nem sempre conseguimos agir de acordo com o que está certo. Às vezes cometemos erros. É difícil ser pai/mãe e não os há perfeitos. Vamos tentando fazer o melhor que conseguimos...
Maria Mocha a 20 de Abril de 2017 às 18:24

Sem dúvida... Eu sei que, como educadora também tenho sempre que melhorar e é mesmo isso, conseguir sermos autocríticas!
Obrigada pelo testemunho.
Maribel Maia a 21 de Abril de 2017 às 14:25

Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
14
15

16
17
19
21
22

23
25
26
28
29

30


mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO