Com um olhar pluridimensional sobre a EDUCAÇÃO, pretendo orientar educadores e estudantes neste caminho vivido tão intensamente... um caminho onde se ensina e se aprende em cada momento de vida... este é um convite para conversar sobre educação.

23
Nov 17

Muitas vezes, os estudantes, já me perguntaram em que consiste a disciplina de Filosofia, que se leciona apenas no ensino secundário. Quando lhes explico que é uma disciplina que nos ajuda a pensar, a discutir e a ter uma opinião própria, eles demonstram grande fascínio, mas também algum receio da dificuldade que isto possa constituir…

Para os adultos, esta explicação básica e teórica que aqui deixo, pode transparecer grande facilidade, ou até mesmo menor necessidade da existência de tal disciplina. Contudo, a Filosofia é transversal a qualquer área do ensino secundário e legitimada como importante nestes jovens que, com idades, questionam frequentemente o mundo que os rodeia e as várias ideologias da sociedade.

Eu, gostaria de ser um pouco mais ‘radical’ na introdução de tal disciplina no ensino escolar… adaptado a cada idade, a Filosofia, deveria ser incluída e trabalhada já no 1º ciclo do Ensino Básico, isto porque Filosofia significa a Procura de um Saber, com base na criatividade, na crítica construtiva, na reflexão ponderada, no debate de ideias tolerante e igualitário.

Estes e outros conceitos que norteiam a Filosofia podem apoiar o crescimento de qualquer criança, em qualquer idade, fornecendo-lhes novas capacidades, competências e consciências fundamentais para a construção de um adulto feliz, consciente, inclusivo e ponderado.

  

Assim, ensinar Filosofia, em qualquer idade é:

 

  • Capacitar a expressão de sentimentos, pensamentos, opiniões, atitudes e valores;
  • Sensibilizar para aceitar a diferença e a semelhança;
  • Despertar um espírito crítico consciente;
  • Desenvolver a capacidade de enfrentar e defender as suas opiniões em público;
  • Libertar a mente de limites e preconceitos;
  • Aumentar a capacidade argumentativa;
  • Ensinar novos conceitos como: liberdade, paciência, ideias e ideais;
  • Aceitar a sua vez de falar e a sua vez de ouvir;
  • Reconhecer conceitos como: política, cultura, sociedade, religião, arte…

 

Tudo isto é Educação… tão grande como a matemática, tão importante como a Língua Portuguesa, tão primordial como saber Inglês… tão fundamental como saber o Lugar de Cada Coisa… e que Coisa nos pertence?!...

filosofia.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 15:23

22
Nov 17

Este meu cantinho continua com leitores/as assíduos e visitantes mais recentes… por esta razão já conta com mais de 50 000 visualizações! Para mim este número assinalado é motivo de alegria, alento e determinação para continuar a escrever-vos!

Agradeço de forma muito sincera, cada uma das visitas, das leituras, dos comentários e dos favoritos assinalados!

Que esta escrita continue a fazer sentido para vocês!

Visiualizações.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:57

20
Nov 17

A maioria das pessoas reconhece esta comissão (CPCJ) e compreende as suas funções, pelo menos em teoria percebe a sua importância. Eu, enquanto estagiária da licenciatura, acompanhei  uma destas Comissões Portuguesas e valorizo a sua intervenção junto de crianças e jovens.

Por estas e outras razões, hoje decidi lembrar a importância destas Comissões e explicar, de forma muito breve e simples, quais os objetivos e funções desta entidade. Isto porque, nunca é demais perceber que existe uma entidade específica que tem como missão proteger crianças e jovens. Assim sendo:

 

  • O que é a CPCJ?

A Comissão de Proteção de Crianças e Jovens em risco existe desde há muitos anos que está legalmente definida no nosso país, contudo, a partir de janeiro de 2001 surge um novo modelo que torna a comunidade parceira do Estado através das Comissões de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) são, portanto, instituições oficiais não judiciárias com autonomia funcional que visam promover os direitos da criança e do jovem e prevenir ou colocar termo a situações suscetíveis de afetar a sua segurança, saúde, formação, educação ou desenvolvimento integral destas crianças/jovens.

  

  • Como intervém?

A CPCJ intervém sempre com o objetivo de assegurar o interesse superior da criança/jovem, de forma a que lhes sejam garantidos os seus direitos fundamentais. Esta intervenção tem por base a privacidade e o respeito por cada uma destas crianças ou jovens.

 

  • Quem a constitui?

Sempre que o número de habitantes se justifique, no Município podem ser criadas mais do que uma Comissão, podendo ser uma restrita e uma alargada. Nestas Comissões integram-se pessoas das mais variadas áreas de conhecimento e de intervenção, que agem concertadamente, de acordo com os casos concretos.

 

  • Que medidas pode tomar?

Após uma análise e avaliação de cada caso concreto, a CPCJ poderá tomar algumas medidas de promoção e proteção que, embora centradas na criança/jovem, abrangem outras pessoas ou entidades. As medidas poderão passar por:

Apoio junto dos pais;

Apoio junto de outro familiar;

Confiança a pessoa idónea;

Apoio para a autonomia de vida;

Acolhimento familiar;

Acolhimento em instituição;

 

  • Como se pode contactar?

Sempre que um cidadão reconhece que uma criança ou jovem se encontra em situação de risco pode comunicá-lo à CPCJ do Município desta criança/jovem. Para adquirir esses contactos basta recorrer ao seguinte site:  http://www.cnpcjr.pt/, selecionar o distrito e o concelho que pretende e surgirá essa informação.

 

  • O que é uma criança/jovem em risco?

Sempre que uma criança ou jovem viva numa situação que represente um perigo para a sua segurança, saúde, formação, educação ou desenvolvimento, apresenta uma situação de risco que deve ser analisada e avaliada pelas autoridades competentes. Designadamente nas seguintes situações:

_ Abandono;

_Maus tratos;

_Ausência de cuidados adequados;

_Trabalho ilegal ou atividades prejudiciais;

_Inexistência de segurança física ou emocional;

_ Privação do Ensino escolar.

 

cpcj-nacional.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 11:08

16
Nov 17

Talvez seja devido aos cortes orçamentais que os estudantes de hoje têm poucas visitas de estudo, proporcionadas pelas escolas. Contudo, mantenho a opinião de que estas são elemento importante na aprendizagem, pois «constituem uma situação de aprendizagem que favorece a aquisição de conhecimentos, proporciona o desenvolvimento de técnicas de trabalho, facilita a sociabilidade.» (in www.netprof.pt/).

Assim, e para os educadores que têm essa possibilidade, deixo o desafio de refletirem mais sobre possíveis lugares a visitar, dentro e fora do país, que permitam a aquisição de mais cultura, contato multicultural, conhecimento histórico, artístico e geográfico…

Viajar, visitar, contemplar, escutar, enriquecem o ser humano de forma profunda e transformadora, desenvolvem novos saberes, despertam curiosidades, aguçam sentidos, constroem competências.

Visitar museus, espetáculos, novas cidades, galerias, bibliotecas, e tantas outras formas de arte, contribuem para o desenvolvimento e crescimento educativo, facilitando a aquisição de conhecimento de forma mais natural e interessada…pois, alia-se o conhecimento teórico recebido em contexto sala de aula com o conhecimento prático de quem sente e vive o que leu.    

escolar_img.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:49

13
Nov 17

Chegados ao final dos Períodos, os estudantes deparam-se com solicitações dos professores, das quais pouco estão habituados, as Apresentações Orais. Estas, normalmente surge após a realização de um trabalho escolar, em grupo ou individual e apoiam na avaliação dos alunos.

Assim sendo, aqui ficam algumas sugestões para que cada estudante possa melhorar a sua apresentação oral:

  • Procurem não realizar uma apresentação apenas lendo um texto escrito, torna-se monótono e demonstra a falta de à vontade com o tema;
  • Utilizem formas de motivação visual, sejam filmes, PowerPoint’s, ou objetos…
  • Dominem bem o tema para não ficaram sem palavras;
  • Contabilizem o tempo de apresentação, para se manterem no tempo exigido, (nem a mais nem a menos);
  • Mantenham uma postura corporal e vocal adequada, colocando a voz para que todos ouçam;

 

Para todas estas sugestões é necessário ter em linha de conta que, apresentar um trabalho individualmente é bem diferente de uma apresentação coletiva, sendo que, se for coletiva é necessário que todo o grupo participe, seja conhecedor de todo o trabalho e estejam bem delimitados os tempo de cada um, para todos terem as mesmas oportunidades.

podeserfinal.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:47

10
Nov 17

Tantos textos de Ruben Alves que aprecio e me identifico.... hoje partilho este bocadinho:

33e03-rubemalves.jpg

 

 

publicado por Maribel Maia às 11:56

08
Nov 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de 3ºciclo:

«Estudante: Tenho de fazer uma composição sobre uma pessoa famosa… não conheço ninguém e não sei o que escrever….

Eu: Se gostas de tocar guitarra, também gostas de ouvir música, certo?

Estudante: Gosto… bastante…

Eu: O que gostas mais de ouvir?

Estudante: Nirvana…. Ah… posso escrever sobre kurt Cobain???

Eu: Sabes alguma coisa sobre ele?

Estudante: Sei algumas coisas….»

 

 

Por vezes, ao longo das explicações, desenvolvia conversas paralelas com o estudante, se alguém ouvisse certamente poderia achar uma perda de tempo este desvio de tema, que fica muito longe da disciplina de Ciências… de História… etc… Lamento, mas discordo! Se concretizo algumas destas ditas ‘conversas paralelas’ é porque me interesso por quem está à minha frente, esse estudante não é apenas importante porque vai tirar boas notas nos testes… para mim importa saber o que o torna ansioso, nervoso, desmotivado, inseguro… aquilo que o motiva, alenta, desperta curiosidade… nestas conversas percebo o estádio de desenvolvimento emocional, as capacidades de raciocínio, de abstração e de memória… reconheço as caraterísticas que fazem o João, o Pedro, a Mariana, único/a e diferente de tantos outros meninos e jovens da mesma idade…

Portanto assumo esta minha necessidade de conversar com as crianças e com os jovens… de aprender com eles tudo aquilo que, diariamente têm para me mostrar.

frase minha.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 14:11

06
Nov 17

Diálogo entre mim e um/a estudante de 1º ciclo:

«Eu: _O ano passado também andavas nos trampolins, não era?

Estudante: _ Sim, mas este ano saí.

Eu: _Porquê?

Estudante: _ Era muita coisa, muitas atividades… os meus pais disseram que não podia ser! Porque eu andava a sempre a correr de um lado para o outro..»

 

Cada vez mais as crianças desejam participar em atividades extra escolares, pode ser a música, o desporto, os escuteiros e tantos outros grupos que ensinam a crescer de uma forma diferente daquilo que a escola apresenta.

O espírito de equipa, os novos conhecimentos, o desenvolvimento de outras competências, o gosto pela arte… estas participações tornam-se excelente práticas que ajudam os mais novos a crescerem em pleno, seguindo as várias variantes da Educação.

Contudo, como sempre, tudo o que é excesso torna-se incomportável, tanto para crianças como para os pais. O exemplo que aqui apresento é de uma criança que participava três ou quatro destas atividades extra escolares, ao longo da semana, sendo que os pais, no final do ano letivo, consideraram que seriam muitas atividades e havia necessidade de reduzi-las.

Não considero que exista um limite máximo ou mínimo neste género de participações, contudo, cabe à família refletir com bom senso e decidir tais opções, pois, diariamente as crianças devem ter tempo para fazer os trabalhos de casa, estudar e também para brincar, pois brincar, para uma criança é algo de muito sério e importante, que contribui, em muito, para o seu desenvolvimento integral!    

o-que-voce-gostaria-de-ser-quando-crescer-821.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 10:36

03
Nov 17

Ser sobredotado significa ter características específicas, contudo, algumas atitudes ou situações podem ser identificadas como alertas para pais e educadores, para assim solicitarem um posterior diagnóstico. Neste sentido, aqui ficam algumas características que poderão ajudar como um alerta primário:

  1. Dorme pouco;
  2.  Precoce na fala
  3. Aprende a ler rapidamente;
  4. Utiliza vocabulário muito elevado para a sua faixa etária;
  5. Aprende o alfabeto e o contar pelos 2 anos;
  6. Realiza perguntas muito exploratórias e coerentes;
  7. Muita criatividade;
  8. Apresenta grande sensibilidade para com os outros;
  9. Questiona sobre moral e justiça;
  10. Extremamente observador;
  11. Espírito crítico elevado;
  12. Elevada capacidade de atenção e concentração;
  13. Vontade de se relacionar com crianças de maior idade;
  14. Baixa auto-estima;
  15. Pouco motivação durante as aulas;
  16. Interesse pela construção de objetos;
  17. Sentem-se por vezes incompreendidos;

sobredotado_neuropsicologica.jpg

c

publicado por Maribel Maia às 09:32

01
Nov 17

Como já referi no Post anterior, um estudante Sobredotado deve ser interpretado com alguém com características específicas, diferenciadas e que carece de um apoio escolar diferenciado e assumido na Lei. Desta forma, se surgirem razões para tal, o diagnóstico deve ser solicitado e efetuado, sinalizando-se e definindo-se a orientação necessária, junto de pais e educadores, para a progressão correta da Educação/Aprendizagem.

O diagnóstico deve ser realizado inicialmente por um profissional da área da Psicologia, através da realização de vários testes, dependendo das especificidades, o diagnóstico pode ser continuado através de uma equipa multidisciplinar, composta por um docente especializado, um psicólogo e um técnico de uma área específica de talento.

Contudo, educadores/pais/professores que precisem de um apoio e/ou orientação mais concreta, podem recorrer à Associação Portuguesa das Crianças Sobredotadas(APCS) http://www.apcs.co.pt/.

A importância do real diagnóstico prende-se com o facto de que, por vezes, estes estudantes são olhados como hiperativos, ou com outras perturbações que o condicionam e podem afetar ações direcionadas.

ninos-superdotados.jpg

 

publicado por Maribel Maia às 09:36

Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
15
17
18

19
21
24
25

26
27
28
29
30


mais sobre mim
pesquisar
 
subscrever feeds
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO